Blog da Semana
Vendi o Sofá e Fui Viajar
Videoblog de um viajante radical, daqueles que parte sem saber quando volta: Gonçalo Luz. E tem histórias para contar.
Uma boa frase
“A história e a literatura não podem andar de mãos dadas, que logo vem alguém desconfiar do casamento?", Maria do Rosário Pedreira,
Horas Extraordinárias
Mais comentários e ideias: pedro.roloduarte@sapo.pt
Pesquisar
 
Ligações
Antena 1
Janela Indiscreta em texto
Janela Indiscreta em rádio
O Hotel Babilónia na Antena 1 (com o João Gobern)
No Biography Channel
Lux Woman, a revista onde escrevo todos os meses

Arquivo
2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


Mais comentados
83 comentários
70 comentários
59 comentários
Subscrever
Segunda-feira, 28 de Julho de 2014

 

Lá dentro, em 1995...

E cá fora, hoje:

 


E de repente dei comigo a passar no mesmo lugar onde, há quase 20 anos, apresentei o “Canal Aberto”, programa da RTP que ficou mais popular pelas pessoas que se plantavam a ver-nos na montra do rés-do-chão do edificio da 5 de Outubro do que propriamente por aquilo que debatíamos no estúdio improvisado…
Não interessa: ao tempo, foi inovador, deu que falar, e ganhei uma estaleca (diário e em directo…) que ficou para sempre. E ainda nos deus duas nomeações para os Globos de Ouro…
Duas décadas mais tarde, aquele rés-do-chão é parte de um hotel e, tanto quanto sei, é o SPA daquela unidade. Ora, se já no meu tempo se transpirava ali a valer, presumo que a sauna continue, agora mais profissional que nunca…
Gostei de passar ali, parar um bocadinho o tempo, fazer um rewind rápido, e seguir de sorriso aberto. A vida, felizmente, continuou.


publicado por PRD às 13:18
link | comentar | favorito

Sábado, 26 de Julho de 2014

(Crónica originalmente publicada na revista Lux Woman. A deste mês saiu ontem e está excelente)

 

(Por acaso, o ultimo parágrafo está - felizmente - ligeiramente desactualizado...)

É claro que há uma porteira cusca dentro de cada um de nós. Por mais que digamos isto e aquilo, e falemos de respeito e “não tenho nada a ver com isso”, se nos deixam uma ponta da janela aberta, nós espreitamos; se nos põem a revista à mão, nós coscuvilhamos; se nos deixam ouvir uma história cabeluda, nós ouvimos.
Pronto. A generalização deu-me jeito para contar uma história que demonstra, uma vez mais, como as ideias pré-concebidas e os estereótipos são enormes tolices que tomam contam das nossas vidas. Uma profissão dita um estilo; uma imagem determina um conteúdo; Uma palavra define uma pessoa. E no entanto…
… E no entanto aconteceu-me assim.
Ía no metro, que estava cheio, e encostei-me de pé num canto. À minha frente estava um jovem de menos de 30 anos, fato e gravata entre o cinzento e o preto. Podia ser bancário. Ou engenheiro informático. Ou nada disso, lá estou eu já a pré-conceber uma ideia a partir de uma imagem. Estava então um jovem de fato e gravata presumivelmente a caminho de casa. Eram sete da tarde de um dia sem história.
O telefone dele emite um sinal, tira o telefone do casaco, abre, e de repente o écrã está tão de frente para ele como de frente para mim. É aqui que o cuspa acorda. Se fosse educado e respeitador, eu viraria a cara para o lado - mas a tentação foi maior e eu li a mensagem que ele acabara de receber. Dizia mais ou menos isto:
Já estou em casa. E tu, como correu a reunião? Vens cedo?
Não resisto normalmente à minha voadora e excessiva imaginação. Comecei a imaginar uma rapariga, na sala de um apartamento modesto nos arredores de Lisboa, a escrever esta mensagem, à espera do marido. Certamente casados há pouco tempo, a aliança dele brilha na mão esquerda. Uma vida normal, casa-trabalho, trabalho-casa, e a rotineira troca de mensagens ao fim do dia, o jantar, “compras cebolas?”, “sexta jantamos em casa da minha irmã”, “não te esqueças de telefonar ao teu primo, faz anos hoje”. Tudo o que não desejamos quando temos, e invejamos quando nos falta.
Enquanto a minha imaginação ía e vinha, as mensagens continuaram. E eu, o cusco atrás do rapaz, a ler. Respondeu ele:
A reunião foi uma seca, já calculava, mas correu bem. Estou no metro, a caminho.
E ela:
Que bom, ainda é cedo.
Imaginei um sorriso doce, dela, e procurei adivinhar a resposta dele. Iria escrever algo como “até já, amor”. Apostei comigo próprio, num jogo já completamente descarado de espectador do alheio.
Mas não foi assim. O rapaz, sem perder o ar seráfico, a expressão cerrada e banal, o mais banal dos olhares para um telefone, escreve o seguinte:
Estou desejoso de chegar a casa, agarrar-te com força, arrancar-te a roupa toda no meio da sala até te ter toda nua e te…
… Bom, daqui para a frente, a linguagem entra no domínio do XXX, e não posso reproduzir o que li, mas vos garanto ser uma declaração sexual de uma intensidade e com uma força que, por si só, constituiriam clímax para qualquer humano sensível.
Varado, eu olhava para a cara do homem e para o telefone, e via dois filmes distintos: no filme real, ali, no metro, um homem teclava no seu telefone como quem paga a conta de luz ou confirma a consulta médica via SMS; no ecrã do seu telefone, eu testemunhava (envergonhado, admito, pois repentinamente senti-me realmente voyeur…) um momento fortíssimo de sexo virtual e a revelação de uma personalidade que não batia de todo certo com a imagem que exibia.
Felizmente chegou a minha estação de saída e acabou ali o meu encontro com as ideias pré-concebidas. E o que ficou foi algo bem mais bonito e profícuo: o reconhecimento de que aquele rapaz me deu uma lição de humildade e um remédio santo para a tentação do julgamento prévio.
E mais: por detrás do seu fato e da gravata, e da aparência de uma vida sem história, ele tinha a quem mandar aquela mensagem cheia de vida. E eu não. Engoli em seco.


publicado por PRD às 11:13
link | comentar | favorito

Terça-feira, 22 de Julho de 2014



Então agora ser obeso faz bem à saúde?
De uma vez por todas, adeus cientistas da saúde, ide dar sangue. Para longe.
E agora vou ali comer umas batatas fritas. Com muito sal.


publicado por PRD às 17:07
link | comentar | ver comentários (4) | favorito

Domingo, 20 de Julho de 2014



Uma das mais geniais invenções do ser humano, no que à gastronomia diz respeito, foi a sanduíche. A ideia de uma acumulação de sabores entalada entre duas fatias de pão deixa tanto espaço em aberto para a criatividade que parece não ter fim. Gosto de criar as minhas sanduíches, e julgo não me sair mal na função, a ver pelas reacções de quem as prova. E gosto das clássicas que os clássicos nos guardam - e de entre todas, a de patê com pickles em pão de centeio, no Gambrinus, a minha eleita.
… Mas nas ultimas semanas descobri uma sanduíche que me tem enchido as medidas. A ignorância impedia-me de saber que os dinamarqueses comem sanduíches abertas, com duas fatias de pão torrado separadas. Já aprendi. Mas o melhor foi mesmo descobrir esta mistura improvável, porém elegante e saborosa: em cima do pão torrado vai uma suave passagem de pasta de pimento vermelho, salmão fumado, caviar de algas, funcho, cebolinho, tomate cherry, alface e rúcula. Se bem percebi, um toque de tempero de vinagrete. O resultado é perfeito - e a fotografia fica a léguas da delicia desta sanduíche (aberta) que se fecha em nós sem mácula.

(Encontram-na na Bi+Ca, em pleno Lx Factory. Hoje, domingo, até às 19:00... Eu, é mais aos dias uteis a horas esquisitas, tipo quatro da tarde...)


publicado por PRD às 13:11
link | comentar | favorito

Sábado, 19 de Julho de 2014


publicado por PRD às 11:49
link | comentar | ver comentários (1) | favorito


Post it

Ler mais

Ler mais
Imperdível


Banda sonora de 2013.