Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

08
Mai09

Maizena: por fim, a receita

Tenho ouvido falar muito da farinha Maizena, da “papa Maizena”, e acho que foi no Público que li uma matéria onde se dizia que estávamos perante mais uma gaffe do Ministro Pinho, dado que as crianças comiam era Cerelac e Nestum, e nada de Maizena.

Está na hora de repor a verdade dos factos.

Com a Maizena faz-se a famosa “Farinhota” – famosa pelo menos cá em casa, desde que a minha mãe a inventou (inventou, acho eu, isto é um blog, não é um jornal, não vou telefonar-lhe às 10 da manhã a “confirmar”...), lhe deu o nome, eu a devorei anos a fio, e agora o meu filho me pede encarecidamente aos pequenos-almoços de fim-de-semana.

A minha mãe faz a olho, e eu a olho vou fazendo. No limite, pode ficar às vezes um pouco mais espessa – quando tal sucede, chamamos-lhe “cimento Maizena” – mas sempre saborosa. Assim:

Mais ou menos duas colheres de sopa da Farinha Maizena num tacho, e leite em dose generosa (mais ou menos o equivalente a um prato de sopa bem cheio). Em frio, a Maizena e o leite são desfeitos à mão com uma colher de pau. Corre bem, não ficam grumos.

Segue para o lume brando, com duas cascas de limão, e é sempre mexido até que se sente engrossar, sinal de que cozeu. Quando começa a engrossar a operação é rápida: açúcar a gosto (duas colheres de chá, mínimo), retira-se logo do lume, junta-se uma gema de ovo crua, mexe-se para misturar sem cozer, e deita-se num prato de sopa. Canela em pó por cima e... que delicia, meu deus, qual Cerelac, qual Nestum com mel...

Só tenho pena que se tenha voltado à farinha Maizena por causa do ministro Pinho, porque a Maizena também “dá” um excelente bechamel e mais uma série de coisas que ficam para outro dia. Mas enfim: há factos que não se conseguem evitar.

25 comentários

Comentar post

Pág. 1/3

Blog da semana

Por Falar Noutra Coisa. Humor neste reacordar do blog. Rir é o melhor remédio. Lugar comum indiscutível.

Uma boa frase

“Sucessivos governos ficaram irritados, o actual vai um pouco mais longe, esquecendo que votar é um direito mas nunca uma obrigação. Em países desenvolvidos os cidadãos até votam durante a semana, ao passo que na choldra querem proibir jogos de futebol para obrigar o povo a ir votar." António de Almeida, Aventar

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D