Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

15
Dez07

Voltar à terra

Costuma suceder no Natal: a partir de meio do mês vejo amigos, conhecidos, vizinhos, fazerem as malas e partirem. Dizem-me que «vão à terra» e a frase tem para mim um significado telúrico, profundamente ligado à razão da vida. Com orgulho eles regressam a «casa», vão pisar chão que os antepassados pisaram. Não sei se eles são felizes na cidade – mas percebo que é com felicidade que anunciam a partida. Nesses momentos reconheço que, por mais terras que adopte, e já levo algumas no currículo, a minha é mesmo Lisboa – e, nesse sentido ligado à raiz, eu não tenho terra. Sou de um «lugar» onde os ovos nascem nos supermercados e o leite sai dos pacotes, os frangos nunca tiveram penas e os pés descalços pisam alternadamente o empedrado dos passeios e o alcatrão das ruas. Na «minha terra» só se passeia onde «é permitido» e a relva pertence aos cães que os donos não educam. Na «minha terra» o silêncio da noite é ordenado por lei e as estrelas raramente são visíveis a olho nu.
Talvez por isso, e porque na terra onde nasci todos entram sem pedir licença e muitos gostam de aparentar propriedade sobre o território, quando entro numa aldeia, numa terra de «outros», ganho a timidez e a cerimónia de quem acaba de entrar numa casa que não é minha. Os olhares dos velhos que se sentam nos muros baixos a ver o tempo passar são como o ladrar do cão de guarda numa quinta. Sinto-me observado até no gesto simples de pedir uma bica no café central. Fazem-me sentir, na atitude ou na ausência dela, que não sou dali.
Toda a gente se conhece e eu não sou conhecido – sou de fora, portanto. Estou na aldeia do Arripiado numa tarde de sexta-feira. Uma carrinha da «Matutano» distribui pacotes de cereais manipulados e fabricados em laboratório. Há dois homens a beber imperiais no balcão do café. Um cão a ladrar lá longe. O rio corre manso para Sul. Respira-se tranquilidade. Não é preciso olhar para os lados quando se atravessa a rua. Tudo e todos parecem conviver na mais saudável comunhão.
O «passeante que o pintor acrescentou ao seu quadro» sente essa harmonia – e por isso sente-se um estranho, qualquer coisa que perturba o ambiente. Mas o passeante sabe que esta aldeia não é diferente das outras. Como toda, terá o seu lado obscuro, o tal «lado lunar» que Carlos Tê escreveu para Rui Veloso cantar. Por detrás das portas e das janelas das casas pintadas a branco, para lá dos muros que separam vidas, nos «bastidores» do cenário que nos oferecem, escondem-se vidas iguais às das cidades que são notícia, dramas, alegrias, sentimentos, sonhos, esperanças. Esconde-se aquilo de que é feita a vida de todos nós.
Esbate-se, assim, neste pensamento de final de tarde, a diferença essencial que faz dos cidadãos urbanos eternos nostálgicos da terra que nunca tiveram. Na diferença das proporções e do cenário, na possibilidade de se verem as estrelas e de se sentir a terra debaixo dos pés, há uma proximidade a que não escapamos: somos todos humanos. Somos todos iguais.
A não ser na pergunta fatal que fica: de que terra sou?
 
(Ao sábado, reedições. Anos 90, algures nas páginas do Diário de Notícias)

5 comentários

Comentar post

Blog da semana

Ladrões de Bicicletas. Voltar a um dos mais clássicos blogues colectivos de análise e pensamento social e político e reencontrar excelentes textos, opiniões pensadas antes de escritas, e o prazer de um bom serão ao sofá a ler. Like.

Uma boa frase

“O centrão político - conservadores, liberais, social-democratas, trabalhistas - anda há mais de vinte anos a liberalizar os movimentos de capitais, a desregulamentar as actividades financeiras, a promover o "comércio livre", menorizando as consequências resdistributivas destas opções. Andaram a promover a ideia de que o mundo é mais bem gerido pela "mão invisível" dos mercados do que pelos poderes democraticamente eleitos. De que é que precisam mais para perceber que este é o resultado da sua globalização: que Marine Le Pen vença as presidenciais francesas?" Ricardo Paes Mamede, Ladrões de Bicicletas

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D