Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

10
Jul09

Os espelhos de uma face

(Amanhã a revista do i vai dedicar-se ao atraso - Nós, Atrasados, seja nos dias, na vida, ou no eterno atraso nacional. Mas na semana passada fomos Nós, Hospitaleiros. E saiu-me assim...)
 

O nome de Miguel Torga nunca se descolará do “Reino Maravilhoso”: “O nome de Transmontano, que quer dizer filho de Trás-os-Montes, pois assim se chama o Reino Maravilhoso de que vos falei”. O escritor deixou-nos o elogio de toda aquela região perdida a norte do norte, do povo que a vive, do povo que a sustem. Quando tive de fazer uma reportagem sobre Trás-os-Montes – ou melhor, sobre a contradição entre a ideia “moderna” das regiões centro, norte e sul, por oposição às províncias que sempre demarcaram Portugal… -, fui com estas palavras melodiosas no ouvido… O homem de Trás-os-Montes feito monumento de consistência e vida, um chouriço e um pão à espera do visitante, uma porta aberta a quem chega: “Ufanos da alma que herdaram, querem-na sempre lavada, nem que seja com sangue. A lendária franqueza que vem nos livros, é deles, realmente. Mas radica na mesma força interior que, levada à cegueira da exaltação, pode chegar ao assassínio. Bata-se a uma porta, rica ou pobre, e sempre a mesma voz confiada nos responde:
- Entre quem é!”.

Lá fui eu pelo norte mais norte de Portugal, entrando em aldeias pequenas e desertas, onde só ouvia portas fecharem-se e gente a virar-me as costas. Torga estava a fantasiar, pois nunca ouvi um “entre quem é” - ou eu não era. Torga é intocável, resta a segunda hipótese: eu não era.

Lembro-me da fotógrafa Inês Gonçalves pretender, numa aldeia deserta, tirar uma fotografia a uma mulher de preto, que levava uma dúzia de ovos ao colo, e ela baixar a cara e gritar:

- Que é lá isso? Não fiz crime, não fiz crime, para que é a fotografia?

Quando voltei escrevi o que vi, o que senti, o jornal onde publiquei transformou-se subitamente numa caixa de correio de transmontanos irritados, incomodados, ofendidos: de António Barreto ao saudoso Hermínio Monteiro, fui chamado de louro ariano a reaccionário, sem apelo nem agravo, e houve mesmo quem sugerisse que me retirassem a carteira profissional e me escovassem para longe…

Passaram muitos anos, muitas luas, e já voltei a Trás-os-Montes, e já conheci mais lugares e pessoas do que nessa época sonhara poder visitar e conhecer.

E acho que aprendi a lição desses tempos taxativos em que declarei que minhotos e alentejanos eram notáveis portugueses, enquanto beirões, algarvios e transmontanos deixavam dúvidas e alimentavam mitos. Aprendi que o sorriso que se dá é, na maioria dos casos, o sorriso que se recebe. Que a mão que se estende tem uma mão estendida do outro lado. E que quando se olha sem sorriso, recebe-se olhar sem sorriso.

Ou seja: hospitalidade é, como cantou António Variações, “dar e receber”. E essa ideia carece, a um tempo, de humildade e nobreza. As chaves para uma vida mais rica. E para a simpatia eterna daqueles com quem nos cruzamos na vida. Comigo foi assim. E aprendi a lição. Talvez, afinal, Miguel Torga tivesse razão: as portas que se fecharam foram aquelas que na verdade eu não soube abrir.

6 comentários

Comentar post

Blog da semana

Ladrões de Bicicletas. Voltar a um dos mais clássicos blogues colectivos de análise e pensamento social e político e reencontrar excelentes textos, opiniões pensadas antes de escritas, e o prazer de um bom serão ao sofá a ler. Like.

Uma boa frase

“O centrão político - conservadores, liberais, social-democratas, trabalhistas - anda há mais de vinte anos a liberalizar os movimentos de capitais, a desregulamentar as actividades financeiras, a promover o "comércio livre", menorizando as consequências resdistributivas destas opções. Andaram a promover a ideia de que o mundo é mais bem gerido pela "mão invisível" dos mercados do que pelos poderes democraticamente eleitos. De que é que precisam mais para perceber que este é o resultado da sua globalização: que Marine Le Pen vença as presidenciais francesas?" Ricardo Paes Mamede, Ladrões de Bicicletas

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D