Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

25
Jul09

Tirem-me daqui!

(Crónica deste sábado na revista do i, dedicada a "Nós, Provincianos"...)
 

Todos os anos, quando chega o Natal, vejo pessoas à minha volta organizarem-se para “ir à terra” – e interrogo-me sempre da mesma forma: se eu quiser ir à terra, vou onde? À Avenida de Roma? À Praça de Alvalade? À Avenida de Igreja? A minha terra fica onde? Talvez naquele cantinho de terra que havia no “recreio” do Externato Santa Joana à Princesa, ou no descampado das traseiras da Escola Preparatória Eugénio dos Santos onde o Bob queria plantar umas coisas interessantes que tinha trazido de Moçambique. Pode ficar numa rua do Bairro Alto ou na esplanada dos Meninos do Rio.

A conclusão é estupidamente igual, todos os anos: não tenho terra. A minha terra é feita de calçada portuguesa e alcatrão, sinais de trânsito que me limitam os movimentos, espaço que a ninguém pertence - mas, por ser de todos, me é cobrado ao minuto. A minha terra é triste como a cor cinzenta nos domingos de Agosto e no dia de Natal, e finge ser feliz nos outros dias do ano.

Ao longo dos anos fui adoptando terras – do Penedo à Zambujeira, fiz “o meu percurso”, como diria um político em forma… -, tentando empurrar com a barriga a realidade, mas na verdade nunca senti que lhes pertencesse. Por mais que o cheiro da terra molhada, depois de chover, me comova, e por mais que me deixe em êxtase a madeira a arder numa lareira, no fim do período de convívio com a terra adoptada, a crueza da verdade sobrepunha-se sempre à intenção: fechava-me no carro e voltava a Lisboa para continuar a vida.

Uau, que bom é ser urbano, sofisticado e cosmopolita: em vez de ar, respiro tubos de escape ou reforço a vida asséptica com vidros duplos nas janelas; em vez de tempo, vivo sem tempo; em vez de campo à minha volta, tenho jardins e “espaços verdes” organizados para me saciarem a sede de terra e verde. Não tenho estradas secundárias nem caminhos de cabras, mas posso deliciar-me com filas de trânsito e buracos que rebentam pneus. Tenho restaurantes de todos os estilos – mas não vejo o verdadeiro amarelo de um ovo desde que o meu filho apanhava ovos da Dona Ana no Sacas. Como se não bastasse, acordo todos os dias com a afinada orquestra de trolhas a falar alto, um rádio aos berros e martelos em lento e doloroso martelar numa obra interminável no andar de cima. Ser urbano é o máximo, não é?

Não é. Ser urbano é ser o pior que achamos que é ser provinciano quando dizemos de alguém que é provinciano: parecer que se é o que se não é, que se tem o que se não tem, e viver de palas nos olhos achando que um Centro Comercial é o apogeu da ocupação de tempos livres, um frango é produzido num supermercado e o leite nasce nos pacotes. Um provinciano pode ser saloio – mas um urbano consegue ser ainda pior, porque vive a fazer de conta. Faz de conta que não é saloio, nem infeliz, nem triste.

No fundo, é tudo mais básico e simples: por detrás de um Homem da cidade, esconde-se sempre um provinciano. Mais próximo ou mais distante. Mais antigo ou mais recente. E é por isso que o provinciano que há em mim procura desesperadamente a raiz e grita: tirem-me daqui! Mas ninguém me ouve. E no próximo Natal lá irei à terra, algures entre a Livraria Barata e o Hospital Julio de Matos…

12 comentários

Comentar post

Pág. 1/2

Blog da semana

Ladrões de Bicicletas. Voltar a um dos mais clássicos blogues colectivos de análise e pensamento social e político e reencontrar excelentes textos, opiniões pensadas antes de escritas, e o prazer de um bom serão ao sofá a ler. Like.

Uma boa frase

“O centrão político - conservadores, liberais, social-democratas, trabalhistas - anda há mais de vinte anos a liberalizar os movimentos de capitais, a desregulamentar as actividades financeiras, a promover o "comércio livre", menorizando as consequências resdistributivas destas opções. Andaram a promover a ideia de que o mundo é mais bem gerido pela "mão invisível" dos mercados do que pelos poderes democraticamente eleitos. De que é que precisam mais para perceber que este é o resultado da sua globalização: que Marine Le Pen vença as presidenciais francesas?" Ricardo Paes Mamede, Ladrões de Bicicletas

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D