Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

03
Ago09

O país interrompido

Chegou Agosto e o país interrompe-se. Não há nada que realmente abale Portugal.
(Parece que aqui ao lado, em Espanha, se tem verificado um movimento espontâneo dos comerciantes no sentido de estarem abertos mais horas em cada dia e mais dias em cada semana, para terem a oportunidade de compensar as perdas com, pelo menos, vendas assinaláveis. A ideia clássica: se houver mais hipótese de comprar, há maior probabilidade de vender).

Em Portugal, não. Chegou Agosto e o país interrompe-se. Fecha-se “para férias do pessoal”. Fecha-se à hora do almoço. Fecha-se porque sempre se fechou. No lugar onde passo os meus fins-de-semana de Verão, a papelaria, que tem este mês o seu momento de glória anual para vender jornais e revistas (especialmente aos fins de semana), não abdica da rotina de Inverno: fecha sábado e domingo à hora do almoço e não reabre; fecha à hora do almoço dos dias de semana e ignora o movimento tardio do veraneante. Queixa-se da crise, seguramente.

Um dos meus restaurantes favoritos fecha para férias, todos os anos, algumas semanas em Julho. Achei que este ano tal não sucederia, para reagir à crise. Enganei-me: bati com o nariz na porta.

Chegou Agosto e o país interrompe-se.

Estará o país interrompido ou definitivamente corrompido? Sinceramente, troco o “adeus português” pelo “Verão português”. Porque esta é a época que nos desmancha e desmascara. Que nos exibe e demonstra. Que diz muito sobre nós. E dizendo muito, "aos costumes" vai dizendo nada. Que interesse, claro.

12 comentários

Comentar post

Pág. 1/2

Blog da semana

Ladrões de Bicicletas. Voltar a um dos mais clássicos blogues colectivos de análise e pensamento social e político e reencontrar excelentes textos, opiniões pensadas antes de escritas, e o prazer de um bom serão ao sofá a ler. Like.

Uma boa frase

“O centrão político - conservadores, liberais, social-democratas, trabalhistas - anda há mais de vinte anos a liberalizar os movimentos de capitais, a desregulamentar as actividades financeiras, a promover o "comércio livre", menorizando as consequências resdistributivas destas opções. Andaram a promover a ideia de que o mundo é mais bem gerido pela "mão invisível" dos mercados do que pelos poderes democraticamente eleitos. De que é que precisam mais para perceber que este é o resultado da sua globalização: que Marine Le Pen vença as presidenciais francesas?" Ricardo Paes Mamede, Ladrões de Bicicletas

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D