Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

28
Ago09

Quatro anos e oitenta milhões mais tarde...

Vejo-as, sinto-as e sofro com elas há anos. Falo das obras da linha vermelha do Metro, que partiram ao meio a cidade ali por alturas do Saldanha...

Leio hoje no jornal que o prolongamento da linha entre Alameda, Saldanha e S. Sebastião pode entrar em serviço este fim-de-semana – sem inauguração e campanha eleitoral? Não acredito... Sei é que a obra une toda a rede do comboio subterrâneo, e agiliza a vida na cidade: entre outras poupanças, o trajecto entre S. Sebastião e a Alameda pode fazer-se em menos 15 minutos do que actualmente, reduzindo para cinco uma viagem que demorava mais de 20 minutos. Lisboa subterrânea deixa de estar dividida nas Avenidas Novas, o que é obviamente de louvar.

O mais extraordinário é que a notícia do jornal termina com o escândalo que a devia abrir: “a extensão desta linha, que segundo os projectos iniciais já deveria ter entrado ao serviço em 2005, tinha um custo previsto de 132 milhões de euros. Esse valor aumentou para 210 milhões”. Ou seja, quatro anos de atraso e mais 80 milhões de euros...

Pergunto: há responsáveis pelo atraso e pela derrapagem? Houve demissões, processos e investigações? Houve, pelo menos, justificações plausíveis para este desvario de tempo e dinheiro?

Seguramente que não. Apenas mais uma conta para todos pagarmos, sem prejuízo dos vencimentos, regalias e prémios dos administradores e gestores do Metro, dos engenheiros e arquitectos, das empresas de construção civil e seus quadros. Ou seja: o costume. Quando é que são mesmo as eleições?

3 comentários

Comentar post

Blog da semana

Ladrões de Bicicletas. Voltar a um dos mais clássicos blogues colectivos de análise e pensamento social e político e reencontrar excelentes textos, opiniões pensadas antes de escritas, e o prazer de um bom serão ao sofá a ler. Like.

Uma boa frase

“O centrão político - conservadores, liberais, social-democratas, trabalhistas - anda há mais de vinte anos a liberalizar os movimentos de capitais, a desregulamentar as actividades financeiras, a promover o "comércio livre", menorizando as consequências resdistributivas destas opções. Andaram a promover a ideia de que o mundo é mais bem gerido pela "mão invisível" dos mercados do que pelos poderes democraticamente eleitos. De que é que precisam mais para perceber que este é o resultado da sua globalização: que Marine Le Pen vença as presidenciais francesas?" Ricardo Paes Mamede, Ladrões de Bicicletas

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D