Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

15
Set09

Maioria absoluta

O regresso do Gato Fedorento arrumou num canto as vozes do costume que gostam da frase “já não é como era dantes”. Há que tempos oiço esse “coro dos tribunais” dizer que o quarteto já deu o que tinha a dar, a graça não é a mesma, nos tempos da Radical é que era bom.

Felizmente, o Gato Fedorento conhece bem Portugal e sabe que é “mesmo assim” – e a única solução é continuar, resistir, persistir.

Aí está de novo. “Já não é como era dantes”? É como era dantes, é melhor do que era dantes, e é incontornável até para o mais sisudo dos políticos. Talvez por isso, o anúncio de um encontro entre Ricardo Araújo Pereira e Manuela Ferreira Leite, por si só, já dê vontade de rir. Há sketches que começam mesmo antes de existirem...

Leio no site da SIC as palavras de Ricardo depois de gravar a entrevista com a senhora: "É a segunda vez consecutiva que um líder partidário vem aqui para me achincalhar. Ontem houve referências do senhor primeiro-ministro ao meu suposto estalinismo. Hoje a doutora Manuela Ferreira Leite lamenta a sorte de uns pais que tiveram um filho assim. É muito difícil para mim suportar este enxovalho constante"...

Dá para rir, claro. Pois é. Mas ainda bem que Sócrates e Manuela - seguramente duas das figuras com menos sentido de humor do planeta – perceberam que não podiam evitar este confronto com a evidência: por mais que se levem a sério, não são para levar muito a sério. Nem eles, nem ninguém. Um sinal dos tempos. Um dos raros bons sinais.

Já liguei o televisor na SIC, não vá a memória atraiçoar-me.

16 comentários

Comentar post

Pág. 1/2

Blog da semana

Ladrões de Bicicletas. Voltar a um dos mais clássicos blogues colectivos de análise e pensamento social e político e reencontrar excelentes textos, opiniões pensadas antes de escritas, e o prazer de um bom serão ao sofá a ler. Like.

Uma boa frase

“O centrão político - conservadores, liberais, social-democratas, trabalhistas - anda há mais de vinte anos a liberalizar os movimentos de capitais, a desregulamentar as actividades financeiras, a promover o "comércio livre", menorizando as consequências resdistributivas destas opções. Andaram a promover a ideia de que o mundo é mais bem gerido pela "mão invisível" dos mercados do que pelos poderes democraticamente eleitos. De que é que precisam mais para perceber que este é o resultado da sua globalização: que Marine Le Pen vença as presidenciais francesas?" Ricardo Paes Mamede, Ladrões de Bicicletas

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D