Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

27
Set09

Excelência

A palavra “excelência” é muito usada na linguagem moderna para definir empresas e fórmulas de gestão de grande eficácia que conseguem conjugar o lucro com as boas práticas a todos os níveis. Não se fala de “excelência” quando o tema é um livro, um disco, ou um filme.

Porém, essa é a palavra que me ocorre quando penso na noite extraordinária que vivi – eu e mais 40 mil pessoas – no Estádio do Restelo, rendido à - lá vai... - excelência dos Xutos & Pontapés.

Ocorre-me “excelência” pelo feliz encontro de itens que nem sempre coincidem no tempo e no espaço: qualidade da música e de quem a executa, relação emocional forte com a audiência, consistência global do espectáculo, recursos técnicos e de produção acima da média e utilizados com sentido e sensatez.

Aos 30 anos de vida, os Xutos conseguem ser transversais a várias gerações, e o tempo entregou-lhes a bandeja da unanimidade. Podiam tê-la ignorado ou com isso ter ganho presunção e vaidade. Mas não. Eles são os mesmos miúdos que nasceram a gostar de rock. E a quem os anos deram maturidade, sabedoria, virtuosismo, e por outro lado doses generosas de humildade.

A genuína felicidade com que se apresentaram, no meio do gigantesco circo técnico montado à volta deles, foi comovente. A forma como se deram ao público e quebraram a natural distancia entre um palco possante, de grupo rock internacional, e uma plateia onde estavam todos os fieis dos tempos em que a luz ia abaixo e os geradores se ouviam durante as baladas, foi um manifesto de inteligência e sensibilidade.

O resto, bom, o resto foi só talento, energia, amor à música, e uma colecção de grandes canções rock.

Saí do Restelo em estado de graça. Sinceramente emocionado, agradecido, e feliz. O meu filho, que não era ouvinte militante da banda, rendeu-se e confessou-se impressionado.

E eu fiquei a pensar na palavra “excelência” e como ela aqui faz todo o sentido. É de excelência que se trata. E se Zé Pedro exagerou nos agradecimentos ao público, não é exagerado devolver os agradecimentos à banda. Nós é que estamos gratos aos Xutos & Pontapés.

Hoje é dia de votar – e o concerto de ontem recordou-me, caso pudesse esquecer-me, que um país é sempre a sua língua, a sua cultura, e aqueles que criam - e nunca, jamais, os políticos que gerem os tempos entre votos. E isso deixou-me em paz: criadores e talento, isso temos. Quanto a quem nos governa, esperemos que a memória dos eleitores seja eficaz. Ou seja: não faça esquecer.

 

PS – Só mesmo um concerto notável faz apagar, ou pelo menos acalmar, a fúria pelo caos que constituiu a entrada no Estádio do Restelo. Gostava de saber quem foi o bando de amadores incompetentes responsável por aquelas horas de filas intermináveis, indicações zero, e por fim o regabofe da entrada quase selvagem, sem quaisquer medidas de segurança ou sequer verificação de bilhetes. Lamentável.

8 comentários

Comentar post

Blog da semana

Ladrões de Bicicletas. Voltar a um dos mais clássicos blogues colectivos de análise e pensamento social e político e reencontrar excelentes textos, opiniões pensadas antes de escritas, e o prazer de um bom serão ao sofá a ler. Like.

Uma boa frase

“O centrão político - conservadores, liberais, social-democratas, trabalhistas - anda há mais de vinte anos a liberalizar os movimentos de capitais, a desregulamentar as actividades financeiras, a promover o "comércio livre", menorizando as consequências resdistributivas destas opções. Andaram a promover a ideia de que o mundo é mais bem gerido pela "mão invisível" dos mercados do que pelos poderes democraticamente eleitos. De que é que precisam mais para perceber que este é o resultado da sua globalização: que Marine Le Pen vença as presidenciais francesas?" Ricardo Paes Mamede, Ladrões de Bicicletas

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D