Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

28
Nov09

Voar como o Sr. Abílio

Crónica publicada hoje na revista do "i", "Nós, Rurais"...  Continuam as reclamações de que jornal e/ourevista não chegam a muitos pontos de venda (incluindo em Lisboa...), reclamações para revista@ionline.pt ou geral@ionline.pt ...

 

Passei a sala principal do “Café Pinto”, o corredor que dava acesso ao pátio traseiro, subi umas escadas e a Dona Luísa, ao entrarmos numa cozinha misturada com varanda-entretanto-marquise, olhou para o Sr. Abílio, sentado numa cadeira a olhar o vazio, e disse assim:

- Pois ali está ele, entregue aos seus pensamentos.

Dona Luísa queria que eu ditasse sentença sobre o seu marido anestesiado, porque eu era um miúdo dotado que já tinha dado à Dona Olímpia explicações suficientes que lhe permitiram tirar a quarta classe, e daí a carta de condução. Mas, aos 12 anos, de psicologia percebia o mesmo que percebo hoje, aos 45. Nada.

Bom. Quem ali estava entregue aos seus pensamentos era o Sr. Abílio, o mais habilidoso condutor de carros de burros do Penedo e arredores, o homem que garantia que o “Café Pinto” era o sinal vital da aldeia, no televisor a preto e branco ou nos matraquilhos cá fora, nas cartas para a sueca ou na malha lá atrás. E aquele Sr. Abílio era, citando os Gato Fedorento, “um animal como a galinha, não podia estar bem; tinha asas mas não voava…”

Foi no café do Sr. Albino que soube que o francês - com quem organizava os Jogos Olímpicos do Penedo com medalhas feitas com caricas de garrafas -, roubava galinhas e limões para consumo individual e de família.

Foi no café do Sr. Albino que percebi que a ida do homem à Lua era desenho animado – e pela primeira vez o meu pai me surpreendeu, ao dizer que sim, que era tudo mentira, tudo animação televisiva. O meu pai trabalhava para a RTP e aquela gente acreditou. E cá fora ele riu, e rimos, e ainda hoje lembramos, entre os que ficaram, o corolário da história, que era o Sr. Abílio a contar o seu momento de horror no alto de uma “esgalha de uma árvore”, quando uma rabanada de vento o fez temer pela vida e ele percebeu, por fim, que nem os aviões voavam bem nem o homem chegava à Lua com aquela meridiana facilidade.

Na verdade, o Sr. Abílio “estava entregue aos seus pensamentos” porque um médico lhe notou excessiva agressividade e tendências pouco simpáticas em relação à raça sua semelhante - e vai daí, deu-lhe um potente calmante que o punha nas nuvens, bem mais flutuantes do que a esgalha da árvore que o fez duvidar da aventura humana.

Aqui chegado, eu terei comentado com a Dona Luísa algo como “a vida é mesmo assim”, e ela terá respondido: “o que é preciso é saudinha”.

E fomos às nossas vidas. Até aos dias de hoje, persisto em ser este falso rural que quer o campo com as luzes da cidade, quer na cidade o silêncio que só há no campo, e nem sabe dar conselhos decentes a quem se confronta com doenças urbanas.

Anos volvidos, no lugar do Sr. Abilio está outro qualquer Abílio – com a mesma delicadeza e profissionalismo, entregue ou não aos seus pensamentos, já sem burro mas certamente “montado” numa Toyota Hiace ou numa Hiunday a suaves prestações.

Anos volvidos, também mantive a ruralidade limitada aos fins-de-semana, ao cheiro a lareira, e às saudades dos matraquilhos no café do Sr. Abílio. Mas sempre que me perguntam, não minto: saudades do cheiro do campo, das palavras ditas no campo, do cheiro das lareiras e fogões de chão que há no campo. Acima de tudo, saudades de sonhar com um tempo que sempre me pareceu maior e melhor no campo. Mesmo quando tinha a certeza de ser igual. Há tempos que não vale a pena comparar.

5 comentários

Comentar post

Blog da semana

Ladrões de Bicicletas. Voltar a um dos mais clássicos blogues colectivos de análise e pensamento social e político e reencontrar excelentes textos, opiniões pensadas antes de escritas, e o prazer de um bom serão ao sofá a ler. Like.

Uma boa frase

“O centrão político - conservadores, liberais, social-democratas, trabalhistas - anda há mais de vinte anos a liberalizar os movimentos de capitais, a desregulamentar as actividades financeiras, a promover o "comércio livre", menorizando as consequências resdistributivas destas opções. Andaram a promover a ideia de que o mundo é mais bem gerido pela "mão invisível" dos mercados do que pelos poderes democraticamente eleitos. De que é que precisam mais para perceber que este é o resultado da sua globalização: que Marine Le Pen vença as presidenciais francesas?" Ricardo Paes Mamede, Ladrões de Bicicletas

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D