Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

12
Jan10

O cheiro do tempo

(Crónica publicada na revista do i, Nós Nostálgicos, sábado passado...)
 

Todos os anos, quando caem as primeiras chuvas - e se porventura estou no campo -, o cheiro da terra molhada, misturado com o cheiro doce de uma lareira acesa, devolve-me à infância na Serra de Sintra, e pela memória passam-me imagens e momentos de um tempo que ficou lá, onde tinha de ficar. Mas volta, inesperadamente, pela via menos óbvia, a do olfacto. A memória, nestes casos, não tem tempo para apagar a lembrança – porque ela persiste, ano após ano, naquelas circunstâncias.

É mesmo assim: para mim, é o cheiro. Mais do que a saudade, que tenho de pessoas e de momentos, a nostalgia é palavra que associo a cheiros que passaram e voaram, nunca mais voltaram. Ou voltaram por instantes, geralmente de forma inesperada, e me deixaram nesse torpor cansado de quem revive o que já viveu.

Há tempos vivi de novo esse click, esse disparo acidental que o olfacto provoca. Para o perceber, vale a pena recuar a essa infância em Sintra. Na aldeia onde passava férias e fins-de-semana, a Dona Olímpia, ali mesmo ao lado, criava porcos e galinhas e coelhos, alimentados com as rações da época: erva, cascas de fruta, arroz. Para os porcos, a dieta incluía um prato que eu reconhecia à distância pelo cheiro: cascas de batata cozidas. Dona Olímpia ia juntando as batatas de consumo caseiro, guardava as cascas numas latas grandes, e depois cozia tudo numa fogueira ao ar livre. O cheiro das cascas cozidas era peculiar: algo como batata cozida envelhecida e oxidada, se é possível imaginar o cheiro destas palavras juntas...

Era incómodo, mas não era absolutamente repugnante – talvez porque fizesse parte dos cheiros da terra, como o cheiro a resina de pinheiro, ou a limões frescos junto aos limoeiros, ou aquela mistura da caruma com as folhas secas de eucalipto.

Os anos passaram e eu não voltei àquelas paragens e nunca mais senti o cheiro das cascas de batatas cozidas – mesmo quando as cozo com casca, mesmo quando são “a murro” para acompanhar o bacalhau assado. As batatas que chegam às cidades já não têm essa casca com esse cheiro que, para mim, ficou lá na infância e na adolescência na Serra de Sintra.

Há uns meses, então, a nostalgia disparou sob a forma de um cheiro. Desse cheiro. Ocorreu quando comprei, num mercado de rua, batatas de cultura biológica, daquelas escuras, com a casca suja de terra. Pus algumas a cozer com a casca. A água ganhou cor – coisa que nunca acontece... – e repentina, inesperada e brutalmente, senti o cheiro das cascas de batata cozida da minha infância no Penedo. Exactamente aquele cheiro ocre – ou seria acre? -, ligeiramente envelhecido, oxidado. Como se a minha cabeça fosse um armário dos anos, abriu-se a gaveta do tempo e tudo me envolveu de novo: os amigos daquele tempo, as brincadeiras de Verão e de Inverno, o tanque onde tomávamos banho, o caminho das pedras, a quinta do alto, as guerras de ameixas podres.

Foi quando me apercebi que já não me lembrava daquele cheiro, já não tinha na memória a sua existência - mas estava lá e despertou naquele instante. Foi também quando confirmei que andamos a comer amostras do nosso passado, primos químicos dos legumes da infância, produtos “limpos”, “higienizados”, “formatados”. Ou seja: sem origem.

Porque, na origem, as batatas tinham aquele cheiro, as maçãs às vezes tinham bicho, e os tomates tinham menos água e mais sabor. A minha nostalgia está no cheiro – mas quando se estende, espalha-se ao comprido.

 

1 comentário

Comentar post

Blog da semana

Ladrões de Bicicletas. Voltar a um dos mais clássicos blogues colectivos de análise e pensamento social e político e reencontrar excelentes textos, opiniões pensadas antes de escritas, e o prazer de um bom serão ao sofá a ler. Like.

Uma boa frase

“O centrão político - conservadores, liberais, social-democratas, trabalhistas - anda há mais de vinte anos a liberalizar os movimentos de capitais, a desregulamentar as actividades financeiras, a promover o "comércio livre", menorizando as consequências resdistributivas destas opções. Andaram a promover a ideia de que o mundo é mais bem gerido pela "mão invisível" dos mercados do que pelos poderes democraticamente eleitos. De que é que precisam mais para perceber que este é o resultado da sua globalização: que Marine Le Pen vença as presidenciais francesas?" Ricardo Paes Mamede, Ladrões de Bicicletas

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D