Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

03
Abr10

Na roda do destino

(Crónica da revista do i deste sábado, Nós Jogadores)

 

Estou a ler a entrevista de Margarida Marante à jornalista Cândida Santos Silva, na revista Única da semana passada, e reparo que ela começa por lançar uma ideia que depois repete várias vezes ao longo da conversa: “A nossa vida define-se muito pelos bons e maus encontros”. Sempre que quer explicar mudanças na vida, recorre a esta espécie de jogo de sorte e azar que são os encontros - no limite, também os desencontros – e assim deixa uma margem generosa para a reflexão de quem lê. Marante podia bem ser um case study da raça humana – não tanto por ela, que tem vivido um pouco o que todos vivemos, porventura de forma mais intensa e radical, mas por aqueles que dela se aproximaram e afastaram conforme os seus momentos, as suas vitórias e derrotas, os altos e baixos de uma vida. Diz: “Isso é dos livros (...) Nos momentos maus há sempre pessoas que se afastam. Mas há outras que permanecem e são essas que dividem as águas”.

A ideia de glória e fracasso, de vitória e derrota, associo-a sempre a algo próximo do jogo. Como se a vida fosse efectivamente um desafio, e cada uma das nossas decisões fosse a aposta seguinte. Determinamos, com as escolhas individuais e o trabalho, uma percentagem de probabilidades de vitória muito segura. Mas essa vitória é sempre uma soma de circunstâncias, de que a sorte é certamente uma delas. Às vezes decisiva, outras vezes apenas o empurrão que faltava para fazer brilhar o nosso esforço. Nesta relação de forças, a ideia de jogo faz todo o sentido – e nessa medida, somos todos jogadores, como o percurso de Margarida Marante acaba por mostrar.

Não tive com Margarida Marante uma relação próxima – pelo contrário, razões diversas alimentaram até um distanciamento acentuado -, por isso nem me atrevo a usar o seu exemplo para lá das banalidades de uma crónica. Mas ao ler a entrevista, e ao pensar nesta edição, acabei por ir à procura de um verso de uma canção que pairou sobre parte da minha adolescência e aqui cai como uma luva. Trata-se do fado que Sérgio Godinho escreveu para a banda sonora do filme “Kilas, o Mau da Fita”, de José Fonseca e Costa. Não tenho o disco, mas a voz de Lia Gama ecoa claramente à minha volta: “E na roda desta vida/ nunca se sabe o que se nos depara/ e os que ainda andam na mó de cima/ têm que saber que a roda não pára/ e fatalmente o fim se aproxima/ a vida não pára”.

Cresci com esta imagem da roda que não pára, da roda que quando sobe é seguro que mais tarde descerá, e com a convicção de que não adianta sermos taxativos nos momentos de glória – porque nos que se seguem a taxatividade esfuma-se mais depressa do que a “nuvem passageira” da canção.

A vida é felizmente muito mais do que um jogo. Nem por isso deixa de obedecer a códigos, lógicas e sequências que se assemelham aos jogos que deixam tantos de cabeça à roda, viciados e dependentes, e outros indiferentes, como se nem sequer existisse a tentação. No jogo, pertenço ao grupo dos indiferentes – mas na vida, há jogos e regras de jogos que me deixam muitas vezes com a cabeça à roda. E a cantar como a Lia Gama, olhando para trás ou lendo a entrevista da jornalista: “Foi num velho cinema de reprise/ que eu revi a minha história/ a memória é uma armadilha/ quanto mais solta mais se ensarilha// E na roda do destino/ nunca se sabe o que se nos depara/ e os que ainda andam na mó de cima/ têm que saber que a roda não pára/ e fatalmente o fim se aproxima/ a vida não pára”.

1 comentário

Comentar post

Blog da semana

Ladrões de Bicicletas. Voltar a um dos mais clássicos blogues colectivos de análise e pensamento social e político e reencontrar excelentes textos, opiniões pensadas antes de escritas, e o prazer de um bom serão ao sofá a ler. Like.

Uma boa frase

“O centrão político - conservadores, liberais, social-democratas, trabalhistas - anda há mais de vinte anos a liberalizar os movimentos de capitais, a desregulamentar as actividades financeiras, a promover o "comércio livre", menorizando as consequências resdistributivas destas opções. Andaram a promover a ideia de que o mundo é mais bem gerido pela "mão invisível" dos mercados do que pelos poderes democraticamente eleitos. De que é que precisam mais para perceber que este é o resultado da sua globalização: que Marine Le Pen vença as presidenciais francesas?" Ricardo Paes Mamede, Ladrões de Bicicletas

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D