Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

05
Mai10

Na Feira do Livro (I)

 

Já dei uma primeira voltinha pela Feira do Livro. Confesso que a Feira é, para mim, um lugar de passeio, uma peregrinação anual, mas não é ali que compro a maioria dos livros que leio.

Às vezes encontro um livro antigo que procurava, ou descubro uma novidade inesperada – mas em geral a coisa fica por aí. O meu filho é mais metódico – e compra na Feira muitos livros que vai anotando mentalmente nos meses anteriores. Ele é muito melhor leitor do que eu.

A Feira é um final de tarde feliz, uma fartura, dois dedos de conversa, memórias, amigos. Tenho isso – entre tantas outras coisas... – em comum com a S., o que facilitou esta primeira abordagem que fizemos. Basicamente, passeámos. Às tantas lá me confrontei com os restos dos meus próprios livros a 4,99 euros, o que estranhamente me agradou: quer dizer que ainda não foram para a guilhotina...

Curiosamente, foi no mesmo stand onde os livros que publiquei dão os seus últimos suspiros, já em respiração assistida, que mais nos rimos e divertimos, quando peguei neste, cuja capa mostro com gosto, e li à S. algumas passagens, algumas ideias, e de repente ríamos os dois desbragadamente com os textos do Carlos Quevedo, do Miguel, do Alberto, do Nuno, do António.

Uma vez mais, não tive dúvidas: a Oficina do Livro tratou com os pés o livro que reúne alguns dos melhores delírios escritos na revista K. Como é possível aquele livro não ter passado da primeira edição, sabendo-se o culto que a revista ainda hoje convoca, e os milhares de leitores que deliram com o que se publicou?

Com carinho e dedicação – isto é, marketing e trabalho – este livro saído da K tinha sido um bestseller, e sobre isto não tenho duvidas. Aliás, toda a revista K é um bestseller por explorar: entrevistas, reportagens, portfolios, ensaios, o design das páginas, está tudo por fazer com aquilo a que hoje se chama “conteúdos” e antes se chamava... sei lá, revistas porreiras já editadas.

Bom, a verdade é esta: uma das melhores partes da K está neste livro. E ninguém sabe que ele foi lançado. E existe. E está à venda na Feira do Livro pelo preço da uva mijona. Não aproveitem, não...

6 comentários

Comentar post

Blog da semana

Por Falar Noutra Coisa. Humor neste reacordar do blog. Rir é o melhor remédio. Lugar comum indiscutível.

Uma boa frase

“Sucessivos governos ficaram irritados, o actual vai um pouco mais longe, esquecendo que votar é um direito mas nunca uma obrigação. Em países desenvolvidos os cidadãos até votam durante a semana, ao passo que na choldra querem proibir jogos de futebol para obrigar o povo a ir votar." António de Almeida, Aventar

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D