Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

07
Mai10

Passar de moda

(Crónica originalmente publicada na edição do mês passado da Lux Woman)

 

Quinze anos é muito tempo? Quanto tempo passa quando passam 15 anos? Esta pergunta, numa revista onde a moda é tema dominante, faz o mesmo sentido que faria levar areia para o deserto.

Não faz sentido. O tempo da moda é diferente daquele que comanda os nossos dias – e ainda que, de certa fora, a moda mande em nós, nunca ultrapassa o limite razoável da democracia: a moda manda, enquanto nós deixarmos que mande. Mas há sempre qualquer coisa de cruel na ideia de moda. Porque despreza e deixa na margem o que está fora dela, e porque mata sem dó nem piedade quem “lhe passa” – e aqui a língua portuguesa não é traiçoeira: passar de moda usa o mesmo verbo do que morre.

Foi nisto que fiquei a pensar depois de um confronto duro com o fim da moda. Ou com o peso da moda que passa. Recuemos no tempo. Lá está: quinze anos, mais coisa menos coisa.

Estávamos em 1995 e Paris tentava ressurgir e reagir como capital da moda. Londres e Nova York dominavam o espectro “do que está a dar”, e Paris atrasava-se na recuperação da sua condição. As cidades são sempre o reflexo da sua cultura, e seria na condição urbana que a capital francesa teria de dar passos de gigante. É neste ambiente que nasce o Buddha Bar – o primeiro tijolo de um império de restauração e entretenimento que marcaria uma nova moda, sinalizada pela lounge music, e que ganharia dimensão na década seguinte. Claude Challe, o “homem do leme”, já tinha sido o herói de Les Bains Douche, e estava nas suas sete quintas ao misturar a música pop com os sons indianos, latinos, africanos.

Tive a sorte de ir a Paris nesses anos, e de assistir ao boom do Buddha Bar, seguido pela expansão do conceito de restaurante/bar/discoteca um pouco por todo o mundo, e pela popularização dos discos com o ambiente do espaço original. A moda galgou os seus criadores e replicou-se na roupa, na cultura da filosofia indiana, na música.

Em 1996, ir ao Buddah Bar de Paris exigia marcação com muitos dias de antecedência e algum tempo de espera na porta, uma atenção desmedida ao aspecto do cliente e pressão sobre as horas de jantar ou sobre os copos a beber. Os três andares do edifício transbordavam de gente e quando ali entrávamos sentíamos que estávamos no centro da galáctica ardente. Foi nesses anos que conheci o Buddah Bar.

Quis o destino, no entanto, que há poucas semanas, passeando por Paris à noite, desse comigo na rua do Buddah Bar. Era uma noite de sexta-feira em plena semana da moda. Quando me apercebi que estava na rua do bar, tive a tentação de o revisitar, ressalvando com quem estava o facto de, numa noite de fim-de-semana a probabilidade de chegar perto da porta ser remota...

... A realidade demonstrou ser bem menos criativa: não havia qualquer aglomeração à porta e os porteiros escondiam-se do frio atrás das grandes portas de ferro e vidro. Entrámos sem qualquer resistência, pergunta ou olhar inquisitivo. O restaurante estava vazio, o bar tinha talvez 30 pessoas nos seus dois pisos. A música ecoava sozinha e os empregados, displicentes, nem se davam ao trabalho de ir às mesas. O ambiente era desolador. O Buddha Bar morreu e ainda não tomou conhecimento.

Dez minutos depois, desolado pelo reencontro sem chama, abandonámos a casa. Os porteiros abriram-nos a porta sem estranheza, como se fosse óbvio não ficar ali.

E eu fiquei a pensar na crueldade da moda. Ou melhor: na profundíssima crueldade que constitui ser moda em algum momento da vida. Porque isso significa que um dia a moda vai passar. E tudo morre no mesmo momento, como se nunca tivesse existido.

2 comentários

Comentar post

Blog da semana

Ladrões de Bicicletas. Voltar a um dos mais clássicos blogues colectivos de análise e pensamento social e político e reencontrar excelentes textos, opiniões pensadas antes de escritas, e o prazer de um bom serão ao sofá a ler. Like.

Uma boa frase

“O centrão político - conservadores, liberais, social-democratas, trabalhistas - anda há mais de vinte anos a liberalizar os movimentos de capitais, a desregulamentar as actividades financeiras, a promover o "comércio livre", menorizando as consequências resdistributivas destas opções. Andaram a promover a ideia de que o mundo é mais bem gerido pela "mão invisível" dos mercados do que pelos poderes democraticamente eleitos. De que é que precisam mais para perceber que este é o resultado da sua globalização: que Marine Le Pen vença as presidenciais francesas?" Ricardo Paes Mamede, Ladrões de Bicicletas

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D