Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

09
Mai10

Talvez pensando na visita do Papa

Percebi que dificilmente seria crente quando li, aos 14 anos, “Um Homem Só”, de Roger Vailland, e tropecei nesta frase: “Se Deus existisse, o meu pai não teria morrido e eu não seria o homem mais infeliz do Mundo”. Uns anos mais tarde, esta mesma frase foi-me devolvida, pela facciosa memória, numa tarde muito triste de Fevereiro, quando o meu pai partiu. Tinha passado um bom bcoado a rezar a algo ou alguém que não sabia onde estava nem se existia. No desespero do momento, achava que as coisas não podiam ser assim - a não ser que Deus existisse e não fosse o que se dizia que era.

Nos últimos anos, muitas vezes me deu jeito ter fé. Nunca consegui.

Não é vã a estatística que atribui aos crentes uma vida mais longa: quem acredita tem sempre um corrimão a que se agarrar. Pessoas como eu, pobres de espírito sem capacidade para sentir o intangível, escorregam nos degraus dos dias, e sentem-se muitas vezes perdidas num mundo cheio de fenómenos por explicar, injustiças por perceber, e verdades por encontrar. As escadas nunca têm fim e são sempre abismos faseados.

É a ignorância que me move neste caminho – e nessa ignorância só encontro conforto na contradição e no paradoxo. Todos os dias tenho mais uma pergunta sem resposta. Todos os dias tenho mais uma resposta para uma pergunta que não fiz. Em nenhum dos dias que vivi me encontrei com Deus.

Que posso eu fazer, a não ser continuar na escadaria, sem corrimão, aprendendo a andar, como se não houvesse amanhã?

9 comentários

Comentar post

Blog da semana

Ladrões de Bicicletas. Voltar a um dos mais clássicos blogues colectivos de análise e pensamento social e político e reencontrar excelentes textos, opiniões pensadas antes de escritas, e o prazer de um bom serão ao sofá a ler. Like.

Uma boa frase

“O centrão político - conservadores, liberais, social-democratas, trabalhistas - anda há mais de vinte anos a liberalizar os movimentos de capitais, a desregulamentar as actividades financeiras, a promover o "comércio livre", menorizando as consequências resdistributivas destas opções. Andaram a promover a ideia de que o mundo é mais bem gerido pela "mão invisível" dos mercados do que pelos poderes democraticamente eleitos. De que é que precisam mais para perceber que este é o resultado da sua globalização: que Marine Le Pen vença as presidenciais francesas?" Ricardo Paes Mamede, Ladrões de Bicicletas

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D