Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

26
Mai10

Coisas que me encanitam (III)

 

Divido as ruas de Lisboa por classes de doenças: há as ruas constipadas, engripadas, com pneumonia. E depois há as ruas terminais, as que não têm cura, as que me deixam à beira de um ataque de nervos, e que parecem ser sempre ignoradas pela diligente divisão de trânsito da PSP. A Avenida João Crisóstomo está nesta última categoria: é uma das insuportáveis artérias da capital.

O que me encanita na João Crisóstomo? Simples: o facto de ser uma rua sempre em “modo engarrafamento” não por ter um excesso de veículos em circulação, mas por ter um excesso de veículos... parados. Em segunda fila, em terceira fila, quatro piscas, desrespeito total por quem circula, egoísmo puro, “espera aí um bocadinho que é só cinco minutos”. Tira-me do sério. Mas o pior não é isso – o pior é que parte do engarrafamento permanente da Avenida João Crisóstomo resulta do estacionamento abusivo, em segunda fila, dos carros... de uma escola de condução! A Grancoop (a foto é manhosa, tirei-a com o telefone em andamento, sim, deve ser crime, venha lá a multa...), em vez de ensinar, começa logo por desensinar os seus alunos. Pois se eles aprendem a conduzir em carros sempre mal estacionados, a atravancar todo o trânsito, a desrespeitar os outros condutores, não se lhes pode pedir que sejam depois bons condutores, respeitadores e civilizados.

De passagem: nunca vi a polícia por ali, a pôr aquela gentinha na ordem, nem quando a Avenida sediava uma esquadra de polícia (entretanto desactivada)...

2 comentários

Comentar post

Blog da semana

Ladrões de Bicicletas. Voltar a um dos mais clássicos blogues colectivos de análise e pensamento social e político e reencontrar excelentes textos, opiniões pensadas antes de escritas, e o prazer de um bom serão ao sofá a ler. Like.

Uma boa frase

“O centrão político - conservadores, liberais, social-democratas, trabalhistas - anda há mais de vinte anos a liberalizar os movimentos de capitais, a desregulamentar as actividades financeiras, a promover o "comércio livre", menorizando as consequências resdistributivas destas opções. Andaram a promover a ideia de que o mundo é mais bem gerido pela "mão invisível" dos mercados do que pelos poderes democraticamente eleitos. De que é que precisam mais para perceber que este é o resultado da sua globalização: que Marine Le Pen vença as presidenciais francesas?" Ricardo Paes Mamede, Ladrões de Bicicletas

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D