Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

28
Dez07

O ano

Aos 7 anos, quando me ofereceram a primeira máquina de escrever, em plástico, de marca Petit, fui apanhado pelos meus pais no quarto a brincar aos jornalistas e parece que dizia, enquanto teclava na máquina, “Ouve lá, óh Granja, tu achas que esta noticia tem cabimento no jornal?”. Repetia as conversas que ouvia dos meus pais, e neste caso o Granja era uma referência ao bom velho jornalista Ângelo Granja.
Isto já dá uma ideia vaga sobre a eventual pergunta: mas há quanto tempo é que o gajo acha piada a jornais e revistas?
Há muito tempo.
De todo o modo, não era isso que queria escrever hoje. Queria era pensar nesses tempos recuados da pré-história da ligação ao jornalismo, quando tinha 12, 14, 16 anos. Coleccionava as edições de fim-de-ano das revistas e dos jornais, que traziam balanços e escolhas, figuras do ano e os melhores e piores. Eram “edições para coleccionar”. Eu coleccionava. Ficava impressionado com aquela ideia “A Time escolheu o Gorbachov figura do ano!” – e sentia cada distinção como um Óscar, um prémio, algo reservado apenas a determinadas figuras. Era novo. Tão novo que à escala, e à distância, ficava igualmente impressionado com as escolhas que faziam também, entre nós, os jornais Tempo, O Jornal, Expresso.
Até que.
Até que me tornei jornalista. E vi-me confrontado, eu próprio, com a escolha do músico do ano, ou do político, ou da figura, no meio de uma redacção onde todos davam palpites. Confrontado também com quem escolhe. E como se escolhe. Cai na realidade e magoei-me à séria. Percebi que, com maior ou menor rigor, com maior ou menor sabedoria, as escolhas do ano de um jornal, de uma revista, seja a Time ou a Visão, o Público ou o Estado de São Paulo, são escolhas… de pessoas. Como eu. Como o leitor. Como o blogger. Como o professor. Ou o cientista. Ou a actriz.
Perdi o fascínio pelas edições de fim de ano e deixei de coleccionar os “Balanços” e as edições especiais dedicadas aos momentos e pessoas que “eles” dizem que marcam o tempo.
“Eles”, somos todos nós. Qualquer um de nós. Depende do momento.
Quando se entra dentro da máquina e se percebe o seu mecanismo, o seu modo de funcionar, perde-se o fascínio inocente, perde-se o inesperado embrulho. Fica tudo claro, extraordinariamente claro: somos pessoas a escolher pessoas, pessoas a opinar sobre pessoas, pessoas com defeitos a pensar em defeitos de pessoas, qualidades pessoais na mesa de pessoas com qualidades pessoais.
Uns e os outros. Uns sobre os outros. Eu mais do que tu, porque momentaneamente aparento esse poder. Amanhã, o inverso.
É também por isso que levo a sério o que faço – mas não me levo muito a sério. Isso não.

10 comentários

Comentar post

Blog da semana

Ladrões de Bicicletas. Voltar a um dos mais clássicos blogues colectivos de análise e pensamento social e político e reencontrar excelentes textos, opiniões pensadas antes de escritas, e o prazer de um bom serão ao sofá a ler. Like.

Uma boa frase

“O centrão político - conservadores, liberais, social-democratas, trabalhistas - anda há mais de vinte anos a liberalizar os movimentos de capitais, a desregulamentar as actividades financeiras, a promover o "comércio livre", menorizando as consequências resdistributivas destas opções. Andaram a promover a ideia de que o mundo é mais bem gerido pela "mão invisível" dos mercados do que pelos poderes democraticamente eleitos. De que é que precisam mais para perceber que este é o resultado da sua globalização: que Marine Le Pen vença as presidenciais francesas?" Ricardo Paes Mamede, Ladrões de Bicicletas

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D