Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

11
Jun10

Sobre o desemprego

(Crónica originalmente publicada na Lux Woman)

 

Há uma palavra muito feia que nos tem custado a integrar no vocabulário dos dias. É uma palavra que associamos a incapacidade, a negligência, a “culpa própria” – e que os últimos anos têm demonstrado que pode, afinal, ser colada instantânea e inesperadamente a qualquer um de nós. A palavra é: desemprego. Ou desempregado.

Quando comecei a trabalhar, estar desempregado era um estilo de vida – correspondia ao calão, ou ao indigente. “Há sempre trabalho para quem quer trabalhar” era uma frase feita. Mas o mundo mudou e com ele mudaram as lógicas associadas ao trabalho – morreu de vez o “emprego para a vida”, inventaram-se conceitos sob palavras como “deslocalização” ou “precaridade”. Ter um curso superior não é mais um “seguro profissional” e, paradoxalmente, não ter qualquer espécie de habilitações não impede um sucesso inesperado e repentino num golpe de génio. Esta revolução também alterou o conceito de desemprego. E de desempregado. Não se trata mais de uma escolha, de uma condenação pelo crime de desinvestimento individual ou preguiça, mas antes uma condição inesperada, indesejada, e a precisar de cuidados da sociedade que (ainda) tem trabalho. O desempregado merece respeito – e a sociedade começa a perceber a diferença.

Em Portugal, no entanto, estamos ainda longe da dignificação de quem não consegue ultrapassar os sinais da crise. Tão longe que no universo da política o tema é tratado com leviandade e numericamente (a não ser em período eleitoral, claro...). E tão mais longe quanto o que vos vou contar...

... Aqui há dias, razões diversas me levaram a ter uma tarde livre numa viagem a Barcelona. Decidi voltar à Fundação António Tapies, restaurada e relançada há poucos anos. Ao entrar, consultei a tabela de preços e reparei neste facto: além dos maiores de 65 anos e das crianças, só há entradas gratuitas para mais uma categoria: desempregados. Confesso que primeiro estranhei. Mas, como Pessoa escreveu, depois entranhei e me comoveu o que está subjacente a esta benesse: no fundo, a expressão “já que...”. Já que se está desempregado, com tudo o que isso implica no estado de espírito, no horizonte cinzento, na tristeza. Já que a sociedade não consegue dar resposta ao problema. Já que não podemos fazer mais... Podemos ao menos abrir as portas da cultura, ocupar o tempo de quem tem tempo demais, dar a oportunidade de valorizar e tornar esse tempo rico.

Não tardei a saber se era geral esta atitude, e claro que é: em Espanha, todos os espaços culturais são gratuitos para aqueles que estão desempregados. Em França, a mesma coisa. Seguramente, noutros países europeus.

Em Portugal, nada disso. A condição não existe, nem a ideia, nem a proposta. Políticos, sindicalistas, comentadores – toda a gente debate o desemprego, toda a gente tem palpites sobre a crise. Ninguém se lembra de coisas simples, sinais, pontos de honra que marcam a diferença.

O que senti neste espaço cultural espanhol foi o reconhecimento de que o desemprego é uma condição humana – como a velhice, ou uma qualquer incapacidade física – que mais tarde ou mais cedo pode bater-nos à porta, e que devemos por isso considerá-la com respeito e atenção. Disponibilizar cultura a quem tem demasiado tempo livre pelas piores razões é um sinal social de solidariedade e um sentido de responsabilidade relevante. O que eu senti, naquele momento foi um sentido maduro e sensível do “estado social” que enche a boca dos políticos mas se esvazia imadiatamente. Alguém quer começar, em Portugal, a olhar o desemprego como ele é, e não como ele sempre foi?

4 comentários

Comentar post

Blog da semana

Ladrões de Bicicletas. Voltar a um dos mais clássicos blogues colectivos de análise e pensamento social e político e reencontrar excelentes textos, opiniões pensadas antes de escritas, e o prazer de um bom serão ao sofá a ler. Like.

Uma boa frase

“O centrão político - conservadores, liberais, social-democratas, trabalhistas - anda há mais de vinte anos a liberalizar os movimentos de capitais, a desregulamentar as actividades financeiras, a promover o "comércio livre", menorizando as consequências resdistributivas destas opções. Andaram a promover a ideia de que o mundo é mais bem gerido pela "mão invisível" dos mercados do que pelos poderes democraticamente eleitos. De que é que precisam mais para perceber que este é o resultado da sua globalização: que Marine Le Pen vença as presidenciais francesas?" Ricardo Paes Mamede, Ladrões de Bicicletas

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D