Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

12
Jul10

Coisas que me encanitam (V)

Não vai ser fácil perceber, mas em rigor as frases são estas: encanita-me quando alguém que dá a cara por uma empresa, loja, casa comercial, me diz “a culpa não é minha”. Porque realmente pode não ser dela, mas é a ela que cabe dar a cara mesmo pela culpa que não foi dela.

Ninguém percebeu o que escrevi, bem sei.

Mas explico: há poucos dias fui jantar à esplanada da Cervejaria Trindade (Campo Pequeno). Em noite de calor, sabe muito bem estar ali, e ainda que a qualidade do bife deixe a desejar, o molho é (gordurosa e colesterolmente...) sublime e a imperial muito bem tirada. Havia jogo do Mundial, havia muita gente, mas não se serviam bifes em pé – ou seja, o numero de lugares ocupados era aquele que a casa teoricamente comporta.

Pelos vistos, não é assim: esperei quase uma hora pelo mais vulgar bife. Sempre com desculpas da esforçada empregada, que se queixava de estarem muitas mesas ocupadas...

A dada altura, decidi reclamar. Disse tudo o que me ocorreu, sugeri que em vez de restaurante abrissem uma papelaria, ou uma retrosaria, já que não tinham capacidade de resposta. Até cheguei a propor que fizessem uma Trindade mais pequena, com o número de mesas adequado ao tamanho da cozinha.

Aos meus argumentos, a esforçada empregada só conseguia pedir desculpa, acrescentando sempre “a culpa não é minha, nem sou eu que estou na cozinha”. Foi quando me encanitei e tentei explicar algo que há anos tento, sem sucesso, vender em diversos patamares: quem dá a cara por uma empresa, mesmo que não seja culpada por uma incompetência, é naquele momento a “cara responsável” do sucesso ou insucesso da marca. Ninguém pede contas a um cozinheiro de um restaurante – pedimos a quem nos serve. Ninguém reclama com o catering de um avião à empresa que o produz – reclamamos com a assistente de bordo (mesmo sabendo, sim, ;-), que um avião não é uma enoteca nem um restaurante...). Ninguém protesta com o serviço da TMN falando com Zenial Bava – reclamamos com o empregado da loja ou quem nos atende o telefone.

Quem dá a cara por uma empresa torna-se, para o bem a para o mal, a própria empresa. Pode ser por minutos, segundos, instantes, mas é assim mesmo – e saber isto distingue um mau de um bom profissional.

Na lógica contrária, quando tudo corre maravilhosamente – por exemplo, lá está, num restaurante... - a quem damos uma excelente gorjeta? A quem nos serviu. Não me lembro de alguma vez um empregado de mesa me ter recusado uma gratificação dizendo “a culpa não foi minha, o cozinheiro é que é genial”...

Claro que naquela noite, na esplanada da Trindade do Campo Pequeno, nada mudou. Mas pelo menos não me fiquei pela encanitanço: disse-lhes tudo. E no fim rematei informando que tinham perdido um cliente.

... Mas agora, pensando melhor, vou adoptar a frase-remate que o meu pai usava no fim das suas reclamações: “e se pensam que depois disto não volto, enganam-se: amanhã estou cá outra vez”.

E é isso. Pode não ser amanhã, mas eu vou lá voltar.

9 comentários

Comentar post

Blog da semana

Ladrões de Bicicletas. Voltar a um dos mais clássicos blogues colectivos de análise e pensamento social e político e reencontrar excelentes textos, opiniões pensadas antes de escritas, e o prazer de um bom serão ao sofá a ler. Like.

Uma boa frase

“O centrão político - conservadores, liberais, social-democratas, trabalhistas - anda há mais de vinte anos a liberalizar os movimentos de capitais, a desregulamentar as actividades financeiras, a promover o "comércio livre", menorizando as consequências resdistributivas destas opções. Andaram a promover a ideia de que o mundo é mais bem gerido pela "mão invisível" dos mercados do que pelos poderes democraticamente eleitos. De que é que precisam mais para perceber que este é o resultado da sua globalização: que Marine Le Pen vença as presidenciais francesas?" Ricardo Paes Mamede, Ladrões de Bicicletas

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D