Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

16
Set10

Da série “a riqueza da realidade esmaga qualquer ficção”...

Vem nos jornais: Ezequiel Lino, adjunto de Isaltino Morais, terá cuspido e mordido em agentes da PSP, indignado por terem rebocado o carro da filha, muitíssimo bem estacionado numa passadeira para peões na rua José Diogo da Silva, em Oeiras...

... O autarca foi detido depois de agredir a pontapé e à dentada um agente da autoridade dentro da própria esquadra. Não sabemos o paladar do bracinho do policia, que Ezequiel poderá ter confundido com picanha argentina. Mal passada, claro.

Segundo a notícia lida aqui, antes da dentada fatal “o autarca tentou dar um murro no nariz do agente”. Ezequiel é homem que, quando lhe tocam na propriedade, perde as estribeiras e não anda longe de Rambo, por isso “foi necessário chamar reforços para travar a fúria”. Terá sido nesse momento, depois de algemado, que o autarca cuspiu sem dó nem piedade sobre a autoridade...

Está explicado o slogan de Oeiras, “marca o ritmo”. Marca à dentada um novo ritmo a murro e pontapé.

Está explicada a iniciativa “Marginal sem carros” marcada para domingo – trata-se de uma manobra preventiva promovida pela PSP. Nunca se sabe de onde virá a próxima cuspidela.

Por fim, está explicada a frase de campanha de Isaltino para vencer a Câmara: “Oeiras mais à frente”. Na verdade, mais à frente em matéria de cidadania e respeito seria difícil.

Lá está: de cada vez que começo a pensar em entrar no mundo da ficção levo uma dentada de realidade. E amanso.

5 comentários

Comentar post

Blog da semana

Ladrões de Bicicletas. Voltar a um dos mais clássicos blogues colectivos de análise e pensamento social e político e reencontrar excelentes textos, opiniões pensadas antes de escritas, e o prazer de um bom serão ao sofá a ler. Like.

Uma boa frase

“O centrão político - conservadores, liberais, social-democratas, trabalhistas - anda há mais de vinte anos a liberalizar os movimentos de capitais, a desregulamentar as actividades financeiras, a promover o "comércio livre", menorizando as consequências resdistributivas destas opções. Andaram a promover a ideia de que o mundo é mais bem gerido pela "mão invisível" dos mercados do que pelos poderes democraticamente eleitos. De que é que precisam mais para perceber que este é o resultado da sua globalização: que Marine Le Pen vença as presidenciais francesas?" Ricardo Paes Mamede, Ladrões de Bicicletas

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D