Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

21
Set10

O nosso político APAV

Eu acho que o Dr. Manuel Maria Carrilho devia inscrever-se com urgência na Associação Portuguesa de Apoio à Vítima. No seu caso, mereceria até um Dia Internacional. Ou uma presença na rubrica “eu vivi um momento dramático” das tardes da TVI.

Ele foi vítima dos paparazzis e da imprensa cor-de-rosa quando quis que o seu casamento saísse apenas na imprensa de referência. Depois foi vítima da cabala dos media que o impediu de ganhar as eleições em Lisboa. Foi vitima das circunstancias eleitorais e lá teve de ir viver para Paris, "mon Dieu", que aborrecimento, ocupando um dos mais desejados tachos da nação. Agora, é vítima do seu PS que não lhe perdoa a deslealdade de contrariar o Governo português num cargo para o qual foi escolhido pela confiança política que inspirava...

Este homem nunca é responsável pelo que lhe acontece. A culpa mora do outro lado da rua, ali mais à frente, e o mundo divide-se nos maus, que lhe querem obviamente fazer mal, e em Carrilho, o bom, que ía sempre a caminho da missa...

Já tinha saudades de Carrilho-APAV. Um pouco como Alberto João Jardim na Madeira, Manuel Maria Carrilho faz parte dos personagens da nossa comédia diária: recorda-nos quão triste e miserável é a nossa política e com isso faz-nos rir e mantém-nos à distância. Uma prudente distância.

 

Vale a pena, já agora, ler este post (datado de Março...) e perceber por que motivo Carrilho foi efectivamente demitido – e como a editora Sextante (e quem a seguiu por essa rede fora) foi infeliz no comunicado onde atribui a demissão a um livro acabado de sair e que deve querer vender desesperadamente...

 

39 comentários

Comentar post

Pág. 1/3

Blog da semana

Ladrões de Bicicletas. Voltar a um dos mais clássicos blogues colectivos de análise e pensamento social e político e reencontrar excelentes textos, opiniões pensadas antes de escritas, e o prazer de um bom serão ao sofá a ler. Like.

Uma boa frase

“O centrão político - conservadores, liberais, social-democratas, trabalhistas - anda há mais de vinte anos a liberalizar os movimentos de capitais, a desregulamentar as actividades financeiras, a promover o "comércio livre", menorizando as consequências resdistributivas destas opções. Andaram a promover a ideia de que o mundo é mais bem gerido pela "mão invisível" dos mercados do que pelos poderes democraticamente eleitos. De que é que precisam mais para perceber que este é o resultado da sua globalização: que Marine Le Pen vença as presidenciais francesas?" Ricardo Paes Mamede, Ladrões de Bicicletas

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D