Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

06
Out10

6 de Outubro

Não tenho nada contra a monarquia. Gosto da democracia britânica, defendo a Espanha sempre que o “complexo de inferioridade” português se manifesta, e reconheço o sucesso do permanente e – esse sim... – verdadeiro reality-show que constitui, em geral, a casas realeza europeia, dando de comer a uma viçosa imprensa cor-de-rosa, e deixando sonhar uma multidão de plebeus leitores.

Dito isto, não percebo o debate centenário.

A aparente vantagem de um rei – o simbolismo, a permanência, a ideia de continuidade dinástica, o estatuto de isenção e superioridade face à querela partidária – parece-me claramente irrelevante e pouco sedutora face à possibilidade de votar, eleger, e por consequência mudar de Presidente. Ao contrário, estarmos condenados a uma linha sucessória, e a alimentarmos a pão-de-ló uma família sobre a qual ninguém teve voto na matéria, parece-me muito pouco civilizado e, no limite, pouco inteligente. Além da despesa, claro...

Já a discussão sobre a “qualidade” dos regimes do ponto de vista da democracia e da liberdade é obviamente espúria: conhecemos monarquias e republicas, no passado e no presente, de todos os estilos e cores. A nossa I Republica não pode servir de bombo da festa permanente para os monárquicos reclamarem para si o exclusivo da liberdade de expressão.

Ao ver ontem os festejos da Republica já achei que tínhamos salamaleques em dose mais que suficiente. Se fosse com rei, oh meu deus, ainda agora estavam todos nos Paços do Conselho a dizer ámen ao monarca... Felizmente, há Republica. E à noite já tinha passado tudo.

2 comentários

Comentar post

Blog da semana

Ladrões de Bicicletas. Voltar a um dos mais clássicos blogues colectivos de análise e pensamento social e político e reencontrar excelentes textos, opiniões pensadas antes de escritas, e o prazer de um bom serão ao sofá a ler. Like.

Uma boa frase

“O centrão político - conservadores, liberais, social-democratas, trabalhistas - anda há mais de vinte anos a liberalizar os movimentos de capitais, a desregulamentar as actividades financeiras, a promover o "comércio livre", menorizando as consequências resdistributivas destas opções. Andaram a promover a ideia de que o mundo é mais bem gerido pela "mão invisível" dos mercados do que pelos poderes democraticamente eleitos. De que é que precisam mais para perceber que este é o resultado da sua globalização: que Marine Le Pen vença as presidenciais francesas?" Ricardo Paes Mamede, Ladrões de Bicicletas

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D