Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

21
Out10

Resto zero

Nunca escondi que contribui, com o meu voto, para a primeira maioria de José Sócrates. Disse-o publicamente, como disse que tinha acreditado na renovação do PS que ele protagonizou. Mas depois foi o que se sabe que foi – e já não consegui voltar a votar no PS nas últimas eleições. Nem no PSD. Os ditos por não ditos dos últimos anos – últimos? De tantos anos passados... -, as negligências e incompetências, as mentiras e as patranhas, os tachos de toda a espécie criados e usados à fartazana, e o evidente interesse individual e partidário sempre espezinhando o interesse público, deixaram-me estranhamente perto da frase que sempre odiei: “eles são todos iguais”.

Passei anos a contestar o lugar-comum em que, subitamente, caio sem remédio nem alternativa: “eles são todos iguais”. Oiço Pedro Passos Coelho no “confronto” com o Governo e pergunto-me: por que raio vou confiar que este tipo será diferente do que lá está? Quem me diz que ele não é exactamente como foi José Sócrates: prometendo uma coisa e fazendo outra, escudando-se na “crise internacional” para alimentar demagogias e depois dar o dito por não dito, salvando a pele em eleitoralismos fáceis pagos mais tarde em “tsunamis fiscais”?

Durante muitos anos, acreditei em políticos, em alternativas. Não votei sempre nos mesmos partidos, porque entendi que a alternância era uma forma saudável de alimentar a democracia, mas votei sempre em políticos (e politicas) em quem depositei um módico de confiança. Infelizmente, o tempo demonstrou que a alternância não existe – é entre o nada e coisa nenhuma – e confiar é mais ou menos como acreditar no Pai Natal: um dia acordamos e nunca existiu.

No momento final da crise, que é este que vivemos, à beira do abismo, quando o argumento principal para o que tem de ser é “não há mais nada a fazer”, volto a fazer contas a estas dezenas de anos.

Faço colunas de prós e contras, tento aritméticas esquisitas de reformas e retrocessos, procuro “progressos” que contrariem recessões. Estranhamente, chego sempre ao mesmo número. E regresso à escola primária, quando a chave de uma conta bem feita dava isto: resto zero.

Resto zero é o que resta de tudo aquilo em que acreditei, de todos aqueles em quem confiei.

13 comentários

Comentar post

Pág. 1/2

Blog da semana

Mesa do ChefePara quem, como eu, gosta de cozinha, gastronomia e restauração, este é mais um dos poisos certos...

Uma boa frase

O Insurgente“Isaltino Morais: perda de mandato autárquico; condenado a 9 anos de prisão por fraude fiscal, abuso de poder, corrupção passiva para acto ilícito e branqueamento de capitais. Resultado 2017: 41.7% Esta é a imagem do país. Em suma, temos o país que merecemos, com os políticos que merecemos, com o fado que merecemos." Mário Amorim Lopes

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D