Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

25
Out10

No novo tempo

(Crónica originalmente publicada na última edição da revista Lux Woman)

 

Não adianta fugir ao óbvio: em qualquer roda de conversa, em qualquer diálogo com mais de 3 frases, aparece a palavra “facebook” ou a expressão “redes sociais”. Está a mudar o paradigma da forma como nos comunicamos, envolvemos, desenvolvemos. E isso não é bom, nem é mau – é um facto. Incontornável como a invenção da roda.

Lembro-me do tempo imediatamente anterior ao telemóvel, quando andávamos todos de “bip” na mão. Não foi assim há tanto tempo. O “bip”, ou “pager”, era um aparelho do tamanho de um maço de cigarros que recebia mensagens escritas. O processo era simples: quem quisesse comunicar comigo, tinha o meu número de bip, ao ligar o número a partir de um telefone fixo aparecia-lhe uma operadora a quem ditava a mensagem. Segundos depois, eu recebia no meu aparelho. Não podia responder directamente, mas podia ir ao telefone mais próximo enviar um bip à pessoas que me contactava.

Hoje parece ridículo – na altura discutíamos entre amigos se “aquilo” não estava a acabar com a comunicação entre as pessoas (havia quem terminasse namoros enviando um bip...), e víamos o ridículo aparelho como uma revolução. E agora a conversa volta ao mesmo. Estamos a acabar com quê?

Com nada. Estamos a recomeçar tudo. A forma de comunicar, a hierarquia da comunicação, a rapidez da comunicação. Há pessoas com quem só falo ao telefone, como há pessoas com quem só comunico por sms. Há relações limitadas ao facebook e há relações que nunca irão passar por uma rede social. Vivemos o mais fascinante tempo de sempre: toda a gente pode comunicar, toda a gente pode ter acesso a informação. Melhor: toda a gente escolhe a sua forma de estar neste novo mundo. E em teoria toda a gente pode estar com toda a gente

Em teoria. Na prática – e esse é o deslumbre do tempo actual -, nada mudou. Um amigo de infância é sempre um amigo de infância, e não há facebook que o perca de vista. Da mesma maneira, um amigo perdido que se recupera numa rede social pode vir a ser o top one dos amigos, mas nunca deixará de ser o amigo que se recuperou numa rede social. Na nova lógica das relações e da comunicação, prevalece a antiga lógica, a eterna lógica: a dos sentimentos. Havia quem amasse por correspondência no tempo dos nossos avós? Agora pode amar-se por Messenger. Havia quem fosse “oferecido” ou “oferecida” no baile da aldeia ou na discoteca da moda? Agora há quem se “ofereça” pela net. Havia a tímida que baixava os olhos quando algum “gandulo” a mirava? Agora há quem esteja numa rede social sem fotografia nem nome próprio.

Nós somos na rede o que somos na vida real, mesmo que nos assustem com os malandros que aí andam. Claro que andam – são os mesmos que enchem as notícias de jornal de crimes de violação, exibicionismo, pedofilia. São os mesmos no mesmo pasto. Mas nós também somos os mesmos a proteger os nossos e a protegermo-nos a nós próprios.

Não deixou de haver solidão por haver milhares de pessoas ligadas numa rede. Não deixou de haver gargalhadas nem lágrimas, gritos e desesperos, não deixou de haver sonho e desilusão. Há novas maneiras de veicular emoções, de desabafar ou gritar – mas acima de tudo há democracia. Somos todos iguais na rede, e a cadeia de comando somos nós quem a escolhe.

Resta-me, no meio desta (ainda) confusa forma de olharmos o novo mundo, uma dúvida: se é verdade que o tempo faz parte da equação dos sentimentos, que papel tem ele numa existência em que tudo parece ser imediato? Até que ponto a rapidez altera a profundidade, impede que o tempo de reacção seja diferente do tempo real, como sempre foi?

Aqui, bom, o mais sábio conselho é clássico: deixemos que o tempo passe e nos ensine o que sobre ele terá a ensinar. Porque isto é apenas o começo...

4 comentários

Comentar post

Blog da semana

Ladrões de Bicicletas. Voltar a um dos mais clássicos blogues colectivos de análise e pensamento social e político e reencontrar excelentes textos, opiniões pensadas antes de escritas, e o prazer de um bom serão ao sofá a ler. Like.

Uma boa frase

“O centrão político - conservadores, liberais, social-democratas, trabalhistas - anda há mais de vinte anos a liberalizar os movimentos de capitais, a desregulamentar as actividades financeiras, a promover o "comércio livre", menorizando as consequências resdistributivas destas opções. Andaram a promover a ideia de que o mundo é mais bem gerido pela "mão invisível" dos mercados do que pelos poderes democraticamente eleitos. De que é que precisam mais para perceber que este é o resultado da sua globalização: que Marine Le Pen vença as presidenciais francesas?" Ricardo Paes Mamede, Ladrões de Bicicletas

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D