Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

07
Fev11

iPad, mas não lhe dão (trocadilho rasteiro...)

Por vicio pessoal e “defeito profissional”, tenho pensado sobre a mudança de paradigma que se abate sobre o jornalismo, os jornais e as revistas, com a banalização das mais recentes inovações tecnológicas associadas à Internet, especialmente o iPhone e o iPad.

Tal como os jornais tiveram que criar um conceito visual e editorial próprio para as suas edições na Internet - e na verdade, até hoje, ainda não há um modelo implacavelmente perfeito de jornal na rede, apesar dos anos passados -, também as novas máquinas carecem de conceitos que se enquadrem na plataforma e a enriqueçam, garantindo experiencias novas aos consumidores e um verdadeiro upgrade face ao “hardware” já existente, isto é, o velho e bom papel impresso.

No outro dia, em conversa com um amigo sobre revistas que se podem ler na Internet, chegámos a este momento absurdo e paradoxal: falávamos de páginas pares, impares e duplas-paginas, que víamos em revistas no computador. Às tantas, um de nós perguntou ao outro: mas faz sentido dividir páginas no ecrã de um computador? Não faz. Um anúncio da Dior de dupla página é apenas um rectângulo ao baixo num ecrã. Não tem uma divisão a meio. O formato clássico de uma página impressa é espúrio num computador. Porém, se o novo The Daily já percebeu esse facto simples – nasceu só no iPad, o que faz toda a diferença -, os jornais e revistas que estão a migrar para o iPad ou a partilhar a vida entre o papel e o online vivem na rede como se o ecrã fosse uma folha de papel, e até dão ao consumidor a ilusão do virar de página, como se efectivamente houvesse páginas para virar no iPad ou no portátil...

Ora, o que está ainda em ebulição neste novo universo comunicativo é justamente o modelo, a estrutura, a adaptação do que temos para comunicar com a plataforma através da qual comunicamos. Exactamente como a rádio “pediu” som e voz, tal como a televisão pediu imagem e som. A rede pede interacção e que mais? Pede como  e o quê? Estas são as perguntas do milhão de dólares, a que os produtores de informação não parecem querer responder, entretidos que estão a criar modelos informáticos para “adaptar” jornais aos tablets.

A hora não é de adaptar – é de criar. Vencerá a batalha da informação na rede quem conseguir criar o modelo gráfico e visual, de edição e de periodicidade, que se adapte à plataforma, ao aparelho, e especialmente ao consumidor. Ou seja, que reinvente o produto e no limite volte a descobrir a roda...

O consumidor do futuro – e convém notar aqui que o futuro, neste caso, é hoje mesmo – não quer ver num ecrã plano uns pdf’s animados da sua revista habitual. Na verdade, a experiência sensorial e física de uma revista, do papel que se dobra, se sente, leve como ar e com cheiro próprio, é algo que faz inveja a qualquer construtor de hardware. Nesse sentido, “imitar” o papel num ecrã de tablet é mais ou menos como criar para a Playstations jogos “excitantes” como a sueca e o burro em pé. São jogos na mesma – mas não são jogos para um potencial tecnológico como a PS.

Tal como um projector de vídeo é prático e dá jeito, mas não leva o cinema a casa – leva apenas o filme -, também o iPad não servirá para “levar o jornal” a nossa casa, mas apenas a informação. É pobre para tanta riqueza...

É funcional consumir informação e ler num aparelho electrónico cheio de memória e ligado à rede – mas esse é apenas o ponto de partida. O consumidor não quer apenas saber as noticias – para isso compra o Kindle e assina a Reuters por meia dúzia de euros por mês, ou vê televisão no ecrã do seu tablet. O consumidor quer ter uma experiência no iPad comparável à que tem quando compra uma revista - mas agora num ambiente novo, com um potencial diferente. O consumidor quer um novo conceito de publicação – que potencia o meio, que se plasma nele, que se funde na tecnologia. Talvez queira revistas e jornais “em directo”, talvez queira novos conceito de design tridimensional, talvez queira o fim da ditadura das colunas de jornal e das fotografias rectangulares. Talvez nem saiba o que quer – mas não há duvida que, a breve trecho, não lhe chegará um jornal a cinco colunas ao alto e ao baixo no iPad, com umas fotos animadas e umas infografias que mudam de cor em 3-D. Isso era o mínimo – e já não chega.

Andamos todos à procura, certamente – mas aquilo que quem anda à procura parece estar a encontrar, está longe do potencial que as novas máquinas nos oferecem. Deram-nos o carro mas ainda estamos a tirar a carta de condução. Não é tudo estrada...

8 comentários

Comentar post

Blog da semana

Ladrões de Bicicletas. Voltar a um dos mais clássicos blogues colectivos de análise e pensamento social e político e reencontrar excelentes textos, opiniões pensadas antes de escritas, e o prazer de um bom serão ao sofá a ler. Like.

Uma boa frase

“O centrão político - conservadores, liberais, social-democratas, trabalhistas - anda há mais de vinte anos a liberalizar os movimentos de capitais, a desregulamentar as actividades financeiras, a promover o "comércio livre", menorizando as consequências resdistributivas destas opções. Andaram a promover a ideia de que o mundo é mais bem gerido pela "mão invisível" dos mercados do que pelos poderes democraticamente eleitos. De que é que precisam mais para perceber que este é o resultado da sua globalização: que Marine Le Pen vença as presidenciais francesas?" Ricardo Paes Mamede, Ladrões de Bicicletas

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D