Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

12
Jan08

O astrólogo improvável

Quando a A me ligou a pedir o contacto de um astrólogo que conheço, julguei estar a ser vítima de um desses “apanhados” idiotas. Só podia ser brincadeira. O telefonema começou com as banalidades do costume. No entanto, notei na voz da A qualquer coisa diferente, alguma inquietação, até que por fim se chegou à frente: “Lembras-te de me teres falado num astrólogo que achaste muito sério e sensato?”. Claro que me lembrava – ainda que recordasse melhor o ar estupefacto que, então, a A fez quando lhe contei que o tinha consultado: “Tu?! Num astrólogo?! Porque é que todos os que se divorciam vão a um astrólogo?”. Passei à frente. “Pois, gostava de o consultar”, disse ela. Não resisti a um “Não posso acreditar!”, mas a entoação ficou a meio gás, como se eu próprio receasse comentar algo que, de tão grave, merecia respeito e recato. A A começou então a falar-me das dúvidas que tinha no trabalho, na vida, e que se sentia um pouco sem saber o que fazer. Disse tudo com o seu habitual pragmatismo – tão desarmante que quase achei normal que aquela rocha estivesse a denotar algum desgaste, bocadinhos de areia a formarem-se em volta...
Dei-lhe o contacto, desliguei o telefone e fiquei o resto do dia deitado no sofá: a A a consultar um astrólogo? O céu vai mesmo cair-nos em cima da cabeça?
Esclareçamos: a A é, de entre todas as minhas amigas, a mais prática e céptica. Não acredita em Deus nem no diabo, e para ela a vida reduz-se às evidências: se trabalhares, ganhas; se cuidares da saúde, não tens doenças; se não ligares demasiado ao filho que engole moedas de um cêntimo estás seguramente a torná-lo forte e imune à gripe das aves. Nunca leu um horóscopo de jornal. Tem uma carreira de sucesso, um casamento feliz, dois filhos...
Dá para imaginar, portanto, o que pode um amigo sentir com aquela súbita reviravolta. Súbita? Na realidade, a mudança não é assim tão repentina. A A está a chegar aos 40 anos. Como é uma mulher inteligente, no meio de todo o seu cepticismo percebeu que a passagem dos anos provoca mais dúvidas do que certezas. Que o óbvio tem nuances. Que por mais descontraídos sejamos, a vida encarrega-se de nos deixar perguntas sem resposta. E percebeu, acima de tudo, que a lucidez não significa recusa sistemática de tudo o que nos escapa – ou seja, que é bom abrir a janela e admitir que pode haver vida para lá do que o nosso olhar alcança.
Parece que a consulta não trouxe a A revelações surpreendentes nem desfez os nós que tem na vida. Mas o simples facto de me ter pedido o telefone do astrólogo, deixando vislumbrar a fragilidade de que somos todos feitos - e de, a seguir, ter mesmo “ousado” a consulta -, deu-me a certeza de que continua a ser a mulher inteligente que conheço. Só uma pessoa inteligente desafia a sua própria incredulidade.
Essa lição chegou aos 40 anos. Sem divórcios nem dramas de maior. Onde eu vi uma rocha desfazer-se, estava antes uma pessoa a mostrar vitalidade.

 

Ao sábado, reedito textos antigos. Este saiu na versão original, diferente desta, na revista Lux Woman, algures em 2006

4 comentários

Comentar post

Blog da semana

Ladrões de Bicicletas. Voltar a um dos mais clássicos blogues colectivos de análise e pensamento social e político e reencontrar excelentes textos, opiniões pensadas antes de escritas, e o prazer de um bom serão ao sofá a ler. Like.

Uma boa frase

“O centrão político - conservadores, liberais, social-democratas, trabalhistas - anda há mais de vinte anos a liberalizar os movimentos de capitais, a desregulamentar as actividades financeiras, a promover o "comércio livre", menorizando as consequências resdistributivas destas opções. Andaram a promover a ideia de que o mundo é mais bem gerido pela "mão invisível" dos mercados do que pelos poderes democraticamente eleitos. De que é que precisam mais para perceber que este é o resultado da sua globalização: que Marine Le Pen vença as presidenciais francesas?" Ricardo Paes Mamede, Ladrões de Bicicletas

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D