Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

26
Abr11

Três desencantos

Não vi ao vivo o espectáculo “Três Cantos”, que juntou José Mário Branco, Sérgio Godinho e Fausto, mais as suas cantigas de tantos anos (algumas delas, das minhas preferidas de toda a vida...). Tenho o disco que resultou desse espectáculo, mas também nunca me deu para o ouvir.

Devia ser premonição - a RTP passou esta noite o espectáculo e percebi de onde vinham os meus maiores receios. Foi confrangedor ver no mesmo palco três pessoas sem qualquer espécie de empatia entre elas, cumprindo um roteiro do “ora canto eu, ora cantas tu” sem ponta de lógica emocional (ou sequer temporal, vá...), aqui e ali desafinando, sempre de olho na letra por memorizar. Nem um abraço sentido, nem um momento de comunhão, nada – até no momento em que cada um recebe o seu cravo, José Mário Branco queixa-se da falta de cheiro da flor, facto deliberadamente ignorado pelos seus companheiros...

Sérgio, Fausto e José Mário parecem fazer questão de não olhar uns para os outros, de não partilhar o momento, de não transmitir sentimentos nem por um momento os denunciar. Cumprem o guião e cantam à vez. Se eu gostasse de teorias da conspiração, diria que eles nos quiseram dizer: “nem pensem que somos como os brasileiros”... Mas não, acho mesmo que alguém os obrigou a fazer este espectáculo – e eles fizeram-no, impondo a condição de estar cada um para seu lado, como se nenhum deles tivesse um coração ligado ao cérebro.

Por menos que queira, estes “Três Cantos”, que tristemente vi sempre à espera de uma qualquer “redenção”, constituem simbolicamente aquilo em que (certa) esquerda se tornou: uma má encenação de si própria, uma ilusão sem saída de emergência, um encontro de desencontros. Daí resultam os equívocos que dão Manuel Alegre, ou Bloco de Esquerda, ou Fernando Nobre. Três tristes cantos. Desencantos, numa palavra só.

7 comentários

Comentar post

Blog da semana

Por Falar Noutra Coisa. Humor neste reacordar do blog. Rir é o melhor remédio. Lugar comum indiscutível.

Uma boa frase

“Sucessivos governos ficaram irritados, o actual vai um pouco mais longe, esquecendo que votar é um direito mas nunca uma obrigação. Em países desenvolvidos os cidadãos até votam durante a semana, ao passo que na choldra querem proibir jogos de futebol para obrigar o povo a ir votar." António de Almeida, Aventar

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D