Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

16
Jan08

Des(confiar)

O Governo mudou de ideias e o aeroporto é em Alcochete. Nicolas Sarkozy decidiu assumir o romance “escaldante” com a deslumbrante Carla Bruny. O Processo Casa Pia continua sem culpados, sem inocentes, num deserto completo de adjectivos e qualificações.

Acompanho e sigo o mundo que me rodeia. Sempre o fiz – e para mim, acordar foi, ao longo dos anos, sinónimo de correr atrás do mundo que mudava enquanto dormia. Até que dei comigo a dormitar um pouco mais e percebi que o mundo era o mesmo, quer estivesse na banca dos jornais às 9:00 ou ao meio-dia. Pior: chegando mais tarde, “ganhava” algumas horas sem saber histórias e casos que, lentamente, me mudaram o olhar...

Assim chego ao dia de hoje. A qualidade maior que a idade me trouxe foi, afinal, um defeito. Tornei-me desconfiado. Pior: deixei de confiar.

Até acho, do alto da minha ignorância, que Alcochete deve ser melhor do que a Ota – mas desconfio da mudança. Da facilidade na mudança. E especialmente do sempre sincero Ministro que defendia uma solução e de um dia para o outro muda tudo mantendo o mesmo perfeito sorriso, algures entre a ingenuidade e o alheamento.

Gosto da Bruny – até quando canta... – e aprecio parte do estilo Sarkozy. Mas lá está: desconfio do casal, não percebo o mediatismo, por um lado, e o jogo do gato e do rato, por outro.

E podia seguir por aí fora: o Processo Casa Pia prossegue sem conclusões... Desconfio, duvido, penso nas segundas intenções. Procuro fugir, em geral, à “teoria da conspiração” – mas nem por isso me entrego de corpo e alma ao primeiro piscar de olhos que vem do outro lado da pista de dança.

Pois: o passar dos anos substituiu-me, no código genético, ingenuidade e fé por descrença e desconfiança. Não é com alegria que o digo. É muito melhor acreditar. A ingenuidade tem um sabor doce e delicado. A desconfiança é amarga. Eu preferia o “antes”.

Os mais velhos dizem que cheguei à maturidade.

Eu digo, como a minha mãe, que cheguei onde “o diabo deu três gritos”. Demasiado longe para a minha vontade. Demasiado cedo para o que ainda quero viver.

7 comentários

Comentar post

Blog da semana

Gisela João O doce blog da fadista Gisela João. Além do grafismo simples e claro, bem mais do que apenas uma página promocional sobre a artista. Um pouco mais de futuro neste universo.

Uma boa frase

Opinião Público"Aquilo de que a democracia mais precisa são coisas que cada vez mais escasseiam: tempo, espaço, solidão produtiva, estudo, saber, silêncio, esforço, noção da privacidade e coragem." Pacheco Pereira

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D