Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Pedro Rolo Duarte

10
Nov08

Doçuras

 

Há uns anos, em Londres, no clássico Nobu, encontrei-me pela primeira vez com a “coisa”. Este fim-de-semana quis o destino que, noutro restaurante, reencontrasse o velho amigo. E uma vez mais foi certeira a frase “esqueçam tudo o que associam à palavra bacalhau”: este “Baked black cod fillet with kinome miso & mirin glaze”, tão bom ou melhor do que o do Nobu, levou-me ao céu e fez-me perceber, uma vez mais, como a vida é simples – ou antes, como podemos ser felizes com apenas bocadinhos de coisas muito boas. Não precisamos de tudo, ao contrário do que passam a vida a impingir-nos.

Estou ainda a planar com aquele sabor suave, doce, ligeiramente melado, que se desfaz na textura de um bacalhau vagamente grelhado. E que se fazia acompanhar por um sake “Sawayaka, Nama Honjozo”, que jamais houvera provado – e se algum o tivesse conhecido, tê-lo-ia por perto nos melhores momentos da vida para todo o sempre...

Um momento aparentemente simples, um travo doce de felicidade. Só isso, tudo isso.

09
Nov08

Pensar (II)

 

"A fé é tão simples, tão simples quando o coração acorda e se lembra que a Vida, no bom e no mau, é uma dádiva infinitamente generosa. Não é o Pai e a Mãe terem morrido que nos deixa tristes, é termos tido o privilégio de termos tido o Pai e a Mãe que nos deixa felizes"

 

(I., um destes dias)

08
Nov08

Pensar

 

"É misteriosa esta coisa de serem contingentes, passageiros os problemas e paixões do nosso tempo e vivermo-los como se fossem únicos, definitivos, absolutos para o passado e para o futuro".

Vergílio Ferreira

05
Nov08

O BPN está salvo, Obama ganhou, e eu próprio começo a sentir-me benzinho...

... por isso confesso que nos últimos dias, em tomas diárias, choro a rir consecutiva e militantemente com este sketch que, até prova em contrário, não apenas garante que o Gato Fedorento está vivo como, lá vai um clássico da literatura portuguesa, "recomenda-se".

Por mim, está justificado o alarido sobre a série Zé Carlos: só estes 3 minutos valem qualquer descuido pontual. Ou seja, o cachet dos artistas está plenamente justificado. E não há Sócrates que proporcione momento que se lhe compare, mesmo que se esforce - e esforça-se, como sabemos...

Vejam bem:
 

05
Nov08

Ganhou

E o meu texto é o mesmo, devidamente editado apenas para ser actual:

Se eu fosse cidadão norte-americano, teria votado também Obama. Não porque o espectáculo montado pelo candidato me convença, ou porque acredite sinceramente que vai resolver os problemas económicos, sociais e políticos dos Estados Unidos – e com isso contribuir para o equilíbrio da economia e do bem-estar globais -, ou sequer porque veja nele algo de verdadeiramente inovador. Mas apenas porque representa um plano de corte na sequência do filme. E fazem falta estes planos para que não percamos de vez o interesse na fita e algum crédito no futuro.

Talvez por isso, fico sempre espantado com os entusiasmos infantis que este tipo de eleições provocam – como se estivéssemos perante um “sim ou sopas” entre continuidade e rotura. Não estamos. Obama é muito menos “alternativo” do que a esquerda europeia pretende que seja – e será certamente uma desilusão para a esquerda hippie-chique que delira com a figura. Obama, antes de ser pessoa, é um quadro electrónico, encenado, teatralizado, construído pelos democratas para vencer muitos anos de poder republicano. Só isso – e jamais “tudo isso”. Ninguém em rigor sabe onde começam e acabam a convicção e as ideias – sendo certo que todos podemos ver onde começa e acaba o marketing eleitoral.

O que a televisão me mostra é um aquário onde nadam de um lado para o outro todas as técnicas da comunicação, todos os artifícios do marketing político, e um sem-número de recursos que o maravilhoso mundo da tecnologia coloca ao dispor dos partidos.

Quando acordarmos deste fogo-de-artifício, o que restará com Obama (e ainda bem que foi com ele) será a mesmíssima América que se agiganta aos nossos olhos com um ar perdido no “subprime” e noutros “primes” que nos escapam de momento. Em vez de balas de chumbo, balas de borracha. Em vez de braço de ferro, poker de dados. Em vez de liberalismo selvagem, liberalismo próximo de.

Temo que não tarde a desilusão. Porque nos EUA, como aqui, cada vez são mais rápidos os ciclos que nos levam do entusiasmo ao desencanto. Da esperança à derrocada. É esta convicção que me leva a pensar nisto: mesmo que todo o ocidente tivesse direito de voto nestes momentos norte-americanos, nem isso mudava o implacável ciclo da miséria humana. Mais do mesmo, ainda que desta vez possa demorar um pouco mais de tempo até que o mesmo seja mais dele próprio.

03
Nov08

Depois de amanhã

Se eu fosse cidadão norte-americano, votaria Obama. Não porque o espectáculo montado pelo candidato me convença, ou porque acredite sinceramente que vai resolver os problemas económicos, sociais e políticos dos Estados Unidos – e com isso contribuir para o equilíbrio da economia e do bem-estar globais -, ou sequer porque veja nele algo de verdadeiramente inovador. Mas apenas porque representa um plano de corte na sequência do filme. E fazem falta estes planos para que não percamos de vez o interesse na fita e algum crédito no futuro.

Talvez por isso, fico sempre espantado com os entusiasmos infantis que este tipo de eleições provocam – como se estivéssemos perante um “sim ou sopas” entre continuidade e rotura. Não estamos. Obama é muito menos “alternativo” do que a esquerda europeia pretende que seja – e será certamente uma desilusão para a esquerda hippie-chique que delira com a figura. Obama, antes de ser pessoa, é um quadro electrónico, encenado, teatralizado, construído pelos democratas para vencer muitos anos de poder republicano. Só isso – e jamais “tudo isso”. Ninguém em rigor sabe onde começam e acabam a convicção e as ideias – sendo certo que todos podemos ver onde começa e acaba o marketing eleitoral.

O que a televisão me mostra é um aquário onde nadam de um lado para o outro todas as técnicas da comunicação, todos os artifícios do marketing político, e um sem-número de recursos que o maravilhoso mundo da tecnologia coloca ao dispor dos partidos.

Quando acordarmos deste fogo-de-artifício, o que restará com Obama (espero que seja com ele, claro, e muito, apesar de tudo...) será a mesmíssima América que se agiganta aos nossos olhos com um ar perdido no “subprime” e noutros “primes” que nos escapam de momento. Em vez de balas de chumbo, balas de borracha. Em vez de braço de ferro, poker de dados. Em vez de liberalismo selvagem, liberalismo próximo de.

Temo que não tarde a desilusão. Porque nos EUA, como aqui, cada vez são mais rápidos os ciclos que nos levam do entusiasmo ao desencanto. Da esperança à derrocada. É esta convicção que me leva a pensar nisto: mesmo que todo o ocidente tivesse direito de voto nestes momentos norte-americanos, nem isso mudava o implacável ciclo da miséria humana. Mais do mesmo, ainda que desta vez possa demorar um pouco mais de tempo até que o mesmo seja mais dele próprio.

02
Nov08

Ao domingo,

Gosto de cozido à portuguesa

Tenho saudades do cabrito assado no forno em casa da minha mãe, mas éramos mais à mesa

Também não vou há tempos ao buffet da Doca do Espanhol

Lembro-me dos dias em que acordei em Londres submerso em jornais comprados na véspera à meia-noite, ou ía tomar o pequeno-almoço com eles virgens à minha espera. Quero voltar...

Não esqueço o brunch em Milão num jardim lindo de um palacete que também era discoteca durante a noite

Gosto quando há cozido galego no espanhol da Calçada da Ajuda

Lembro-me de acordar na Boavista e do cheiro a torradas e café (de quem se levantava antes de mim)

As panquecas da Mexicana

Há uns dias em que não descanso enquanto não encontro um Cozido às 3 da tarde

Penso naquela manhã no Vascão em que a neblina persistia em separar o Guadiana das margens, mas a paisagem deslumbrava e o frio acordava todas as terminações nervosas do corpo. Depois abriu

Faz-me falta a edição completa do The Observer

Volto a um domingo de Páscoa com os ovos e os doces e guloseimas escondidos pelo terreno, molhados pelo orvalho, e o meu filho a delirar atrás dos rastos de um coelhinho de ocasião

Compro o El Mundo por causa do Magazine

E quero estar em lugares...

O chá de menta a perfumar o ar no deserto de Marrocos, ao nascer do dia

Acordo (mesmo) tarde em Barcelona e abanco no balcão da “Ciudad Condal” (ou da “Cervejaria Catalana”) e fico a pastelar entre cerveja e tapas de mil sabores

Em Salzburgo, um mercado matinal onde se provam salsichas até ao ponto em que apetece começar a provar águas das pedras. Mas é tão bom...

Em Melides, no café do largo, a ler jornais e ver a aldeia acordar ressacada depois de uma noite de “poesia & acordeão”

Em qualquer lado onde cheire a madeira queimada na lareira e esse cheiro aqueça o cheiro do frio.No campo

Leio a revista do Expresso que sobra sempre do dia anterior

Penso se mantenho ou não o hábito do frango de churrasco ao jantar, a ver o Marcelo e depois o Zé Carlos

Controlo o estado dos vasos de manjericão
Tudo isto ao domingo

... E a seguir recomeça tudo com a crónica da rádio para segunda-feira

E os projectos que continuo a juntar nos cadernos de capa preta.

E é segunda-feira outra vez.
 
(Como dizia o leitor Júlio num comentário recente: e o que é que os outros têm a ver com isto? Nada. Justamente nada. Excepto quem quer. E quem eu quero)

 

Pág. 2/2

Blog da semana

Gisela João O doce blog da fadista Gisela João. Além do grafismo simples e claro, bem mais do que apenas uma página promocional sobre a artista. Um pouco mais de futuro neste universo.

Uma boa frase

Opinião Público"Aquilo de que a democracia mais precisa são coisas que cada vez mais escasseiam: tempo, espaço, solidão produtiva, estudo, saber, silêncio, esforço, noção da privacidade e coragem." Pacheco Pereira

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D