Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Pedro Rolo Duarte

09
Fev09

Sem Bloco

Posso perceber que pessoas tão diversas como o Nuno Miguel Guedes, o Paulo Pinto de Mascarenhas, a Ana Sá Lopes ou o Rodrigo Moita de Deus achem que o Bloco de Esquerda “é importante” porque se está a tornar “um partido como os outros” – e isso significa, como bem escreve Medeiros-Ferreira, “entre um partido de campanhas (...) e uma força para-governamental”.

Mas daí ao voto, ao peso eleitoral, vai um certa distância – espero e acredito.

Assim sendo, confesso (e convém notar que esta confissão vem de uma pessoa que já terá sido de esquerda, no sentido mais ortodoxo da palavra...): tendo José Sócrates desiludido a minha expectativa neste mandato, não me passa pela cabeça votar “alternativamente” no Bloco de Esquerda. O drama daqueles que acreditaram numa certa ideia moderada do PS de Sócrates está exactamente aí: não se revêem à esquerda nos aventureirismos de Alegre, nas ambições arrivistas do Bloco, ou na “aldeia gaulesa” onde resiste o PCP; nem, por outro lado, encontram alternativa séria e credível neste PSD, nos novos Movimentos pretensamente humanistas e pueris, ou no discurso zig-zag do CDS.

A esquerda que o Bloco pode herdar (ou capitalizar, numa linguagem mais modernaça...) é aquela que ainda não percebeu que está num beco sem saída. A outra, a que porventura sinto pertencer, anda à procura daquilo que perdeu: a confiança.

07
Fev09

Comprimidos

Basta, às vezes, abrir um desses livros, para perceber por que ganham pipas de massa os tipos que escrevem os best-sellers de “auto-ajuda”:

“Quando projecta imagens inspiradoras e imaginativas no ecrã da sua mente, começam a acontecer coisas maravilhosas na sua vida. Einstein disse: «A imaginação é mais importante do que o conhecimento». Reserve algum tempo todos os dias, ainda que sejam apenas alguns minutos, para a prática do visionamento criativo. Todos os actos extraordinários começam por ser apenas um sonho”.

... A razão do sucesso é simples: estes autores cumprem a expectativa que temos, escrevem exactamente o que sucede a cada um de nós e aquilo que queremos que nos conforte quando porventura os lemos. Eles estão certos – e na medida em que ajudam, não sou capaz de os criticar.

Confesso: fiquei tranquilo, ontem, quando vi que o texto citado era a recomendação que “me” fazia Robin Sharma para o dia 6 de Fevereiro. Robin Sharma é um mago da auto-ajuda, autor do livro “O Monge que vendeu o seu Ferrari”, que não li porque efectivamente nunca desejei ser monge nem ter um Ferrari. Em rigor, nem sei quem é Robin Sharma – mas não me custa perceber a sua lógica: somos mais felizes quando sentimos que nos compreendem e quando nos identificamos com as palavras que nos dizem. A simplicidade desarma sempre – e afinal, foi a arrogância intelectual de quem nunca quis perceber isto que divorciou a cultura do comum dos mortais.

Vou ler mais algumas recomendações do tal Sharma. O livro que aqui tenho tem uma para cada dia do ano. Como se fosse um comprimido.

06
Fev09

O que é a idade

As televisões têm passado a gravação dos diálogos entre o comandante Chesley Sullenberger, que amarou um Airbus A320 no rio Hudson, em Nova Iorque, há poucas semanas, e permitiu que uma anunciada tragédia constituísse antes o milagre da sobrevivência de todos os 150 passageiros a bordo daquele voo.

Já se tinha percebido que uma longa carreira iniciada como piloto de caças da Força Aérea norte-americana, com mais de 19000 horas no ar, somada ao interesse sobre os temas da segurança e procedimentos de emergência, faziam deste homem, naquele dia, a pessoa certa no lugar certo.

Mas faltava realmente ouvir a sua voz nos diálogos com a torre de controlo do aeroporto desde o segundo zero da crise até à decisão unilateral e final. A gravação deve ter um minuto, não mais. As respostas de Chesley Sullenberger à Torre são secas e firmes, serenas e exactas, mesmo quando anuncia que vai amarar no rio. O tom da sua voz nunca se altera, seja quando percebe que fica sem os dois motores ou na decisão de não voltar para La Guardia, não arriscar o aeroporto alternativo, e optar pela amaragem. Ao ouvi-lo, qualquer pessoa percebe o sucesso da operação: a voz transpira segurança, saber, e convicção. Talvez também um pouco de fé, não consigo avaliar.

Mas consigo, qualquer pessoa consegue, sentir no tom de voz, na economia das palavras, na ausência de qualquer descontrolo, o peso e o valor da idade, da experiência, e da sabedoria que os anos podem trazer. Está ali uma lição para aplacar o culto da “eterna juventude”. Está ali a mais notável campanha de marketing que pode ser feita para defender o valor da idade. E faz muita falta, essa campanha.

02
Fev09

Vicky Cristina Barcelona

Às tantas, em “Vicky Cristina Barcelona”, o personagem interpretado por Javier Bardem tenta explicar o insucesso da sua relação com (a personagem de) Penélope Cruz, e diz qualquer coisa como isto: o amor que temos um pelo outro é único, eterno, praticamente perfeito. Mas o amor é como o corpo humano: a falta de um elemento aparentemente irrelevante (ele dá o exemplo do sal...) pode desfazer o corpo até à morte. Na sua solidez, poderia dizer, é mais frágil do que aparenta.

No filme, esta ideia parece verdadeira – mas o espectador sai da sala a pensar que é exagerada, sobrevalorizada, quase absurda.

Uma hora mais tarde, o espectador reconhece que a ideia tem algum sentido e que, embora no domínio do excesso ficcional de um Woody Allen, merece um bocadinho mais de atenção.

Meia-duzia de horas depois, o espectador rende-se: o amor é um sentimento forte, poderoso, possante e envolvente – mas, como um corpo humano, não precisa de mais do que um ligeiro desequilíbrio para ir desta para melhor. Ou cair à cama.

Os filmes de Woody Allen têm esta magia apaixonante de nos envolver devagar até ficarmos presos à sua genialidade. Este “Vicky Cristina Barcelona” não foge à regra. Desde ontem que penso nele sempre que penso em algo que vale a pena pensar...

Pág. 2/2

Blog da semana

Por Falar Noutra Coisa. Humor neste reacordar do blog. Rir é o melhor remédio. Lugar comum indiscutível.

Uma boa frase

“Sucessivos governos ficaram irritados, o actual vai um pouco mais longe, esquecendo que votar é um direito mas nunca uma obrigação. Em países desenvolvidos os cidadãos até votam durante a semana, ao passo que na choldra querem proibir jogos de futebol para obrigar o povo a ir votar." António de Almeida, Aventar

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D