Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Pedro Rolo Duarte

30
Jun11

Sobre esta história da cobertura mediática da morte de Angélico Vieira

Acho sempre graça às pessoas que usam pesos diferentes para medidas iguais: por um lado, querem o mercado a funcionar, a lei da oferta e da procura – mas depois queixam-se de uma comunicação social que, obedecendo a essa lógica, dá ao consumidor o que o consumidor quer, e corre atrás da audiência.

Sejamos claros, de uma vez por todas: ou aceitamos que o mercado é soberano e é quem mais ordena, e nos deixamos de lamúrias sobre a forma como os media cobrem a actualidade; ou voltamos ao debate sobre a comunicação social e o seu papel na sociedade, e então vem ERC e vem Governo e vem tudo, nacionalizações incluídas, para se perceber onde se enviesam os papeis de cada um.

Confesso: como jornalista independente dos meios em confronto, preferia a perfeição. Mas ela não existe. Por isso, num mundo global onde todos têm acesso nem que seja ao blog da sua rua, sou contrário à existência de uma ERC ou de qualquer outra forma de regulação do mercado que exceda a competência dos tribunais (excluindo a da concorrência, por motivos óbvios). Defendo que cada meio de comunicação social deve ser absolutamente soberano na forma como cobre a realidade, e que não deve estar obrigado a mais do que o seu próprio código de conduta – e, claro, aos códigos deontológicos dos seus profissionais. Os espectadores saberão julgar, a cada momento, o seu fornecedor de informação. E a História tem provado que o fazem.

Esse é o juízo mais soberano, rigoroso e imparcial. Respeita a lógica do mercado global e é democrático no julgamento. Mesmo quando nos pode desagradar, como eventualmente sucede no caso Angélico – mas isso “são outros quinhentos”, porque isso tem a ver com educação e cultura. Matéria do Governo e das famílias.

27
Jun11

Lido no Facebook (IV)

“Este ano Julho terá 5 sextas-feiras, 5 sábados e 5 domingos. Isto acontece uma vez a cada 823 anos. Estes anos são conhecidos como 'money bags'. Copie e cole no seu mural e o dinheiro aparecerá em 4 dias, baseado no Feng shui chinês. Quem ler e não publicar não recebe, diz a lenda”.

Ora, considerando que o Facebook tem menos de dez anos de existência, e o Feng shui, diz-se, tem mais de quatro mil, das duas uma: ou “lenda” é palavra ligeiramente exagerada para uma invenção de ontem ou a palavra “mural” é apenas simbólica. Pode ser parede de casa de banho publica, muro lá da rua, porta de elevador...

Às vezes o Facebook faz lembrar o PCP: tem mais passado do que existência, é lenda antes mesmo de ser facto...

26
Jun11

A mentira imaculada

 

Gosto dos aplicativos para o I-Phone que nos permitem manipular as fotografias banais que tiramos. São mentiras consentidas e sorridentes: toda a gente sabe que esta não é uma imagem envelhecida pelo tempo e carcomida nas extremidades, nem uma fotografia tirada com uma Lomo. Pode até parecer uma fotografia perdida numa edição do Século Ilustrado que apanhou sol nas águas furtadas do avô – mas é, afinal, tirada ontem, às seis da tarde, com um telefone nas águas mansas de uma maré feliz na Aberta Nova, a praia que “adoptei” há poucos anos.

O mais divertido é que ninguém duvida de que esta fotografia não mostra o que eu vi – mas o que eu quis que se visse do que eu vi. E a sua falsidade é, no fim de contas, a sua graça.

Dito por um jornalista, parece estranho. Mas é assim que o mundo está: estranho. Talvez por isso, brincar às mentiras, nas fotografias inocentes dos dias que nos apetece partilhar, seja uma verdade imaculada. Não há nada escondido, está tudo à vista.

(E o mar estava realmente irresistível)

24
Jun11

Livro do ano

... Para este fim-de-semana...

Descobri-o, como quase tudo o que interessa sobre comida, através do meu blog favorito destas artes, o Ardeu a Padaria, e calhou que tropecei nele na FNAC ontem mesmo.

Já cá está. E é delicioso imaginar na boca o que se lê em livro – seja o encontro entre o bacon e o chocolate ou sobre a carne da vaca e as trufas, a avelã e a banana, a cenoura e a laranja, e por aí fora. São  centenas de combinações improváveis, ou óbvias, que Niki Segnit juntou para delicia dos cozinheiros amadores, que podem, antes de se dedicarem a estragar alimentos, consultar este “The Flavour Thesaurus” e perceber, com um mínimo de razoabilidade, se faz sentido juntar o cebolinho à hortelã ou se vamos estragar duas famílias...

Organizado justamente como um dicionário, o livro é de uma economia brutal: só acrescenta história quando há, só dá exemplo quando vale a pena, só tem receita se é mesmo imprescindível. No resto, é prático e directo ao assunto: recorre a Sinatra e Ava Gardner para explicar que ovos e caviar combinam, mas não se alarga na relação entre ostras e cebola, fica-se pelo “mignonette” que as acompanha em França.

Não imaginava, por exemplo, a noz moscada a combinar com a couve-flor. Mas Luís XIV gostava assim...

Melhor do que um romance. Era o livro que eu queria para este Verão. E não é que o tenho?

22
Jun11

... Mais três sinais. Bons sinais...

Um: A directora do Centro de Estudos Judiciários, Ana Luísa Geraldes, apresentou a demissão à nova ministra da Justiça, Paula Teixeira da Cruz, que aceitou o pedido de imediato. Ler aqui.

Dois: Os 18 governadores civis do país, representantes do Governo nas capitais de distrito, demitiram-se. É a resposta à medida avançada por Passos Coelho, que disse que o novo Governo não vai nomear governadores civis. Ler aqui

Três: Pedro Passos Coelho cumpriu a promessa de que as viagens do Governo dentro da Europa vão ser feitas em classe Económica. Ler aqui.

São pequenos sinais. Mas alguma coisa está a mexer em Portugal e há muito tempo que tal não se via por estas paragens pantanosas.

20
Jun11

... E do Parlamento veio um sinal...

Um primeiro sinal de seriedade do novo Parlamento: não houve ditos por não ditos nem houve receio de quebrar a tradição. Fernando Nobre foi chumbado duas vezes seguidas, devolveu-se dignidade à casa maior da democracia.

O ex-candidato aprendeu mais uma lição de humildade – quantas vezes não deve estar arrependido de ter dito que só se candidatava para ser Presidente da AR -, Pedro Passos Coelho aprendeu a respeitar a decisão dos deputados, e não antecipar-lhe as escolhas, o CDS manteve a sua palavra e o PS não cedeu ao argumento patético da “tradição”. Um momento de rara elevação no Parlamento.

E uma certeza: a “tradição” é boa quando serve o regime, quando o honra, quando lhe garante seriedade – quando o afronta ou contradiz, é melhor acabar com ela. Foi o caso.

19
Jun11

O frigorifico avariado

(Crónica originalmente publicada na revista Lux Woman)

A mãe de uma amiga minha costuma dizer, sempre que se fala de relações amorosas – em geral, do fim de mais uma relação… -, que a diferença entre o tempo dela e o tempo actual “é como com os frigoríficos: antigamente, quando o frigorifico avariava, mandava-se arranjar. Agora, deita-se fora o avariado e compra-se um frigorífico novo…”. A mãe da minha amiga tem razão, mas a verdade é que as gerações mais novas não nasceram ensinadas nem cultivaram estilos diferentes por iniciativa própria: foram educadas pelos pais, sejam eles mais velhos, como os da minha amiga, ou mais novos, como eu próprio.

Falo por mim, e falo de coisas muito diferentes: pertenço a uma geração que cresceu a ouvir falar da “conquista do direito ao divórcio”, da “conquista do prazer”, e de mais uma mão cheia de frases-feitas do Maio de 1968. Vi-me envolvido no tempo da comunicação global, instantânea, automática. Ainda me lembro do elogio médico da margarina por oposição ao azeite, e das campanhas de publicidade na TV apelando ao consumo de ovos. Até a cruzada contra o tabagismo só começou já eu fumava mais de um maço por dia. Nem preciso de recordar que a SIDA “nasceu” no pleno da minha vida adulta.

O que é que eu quero dizer com tudo isto? Quero dizer que estas últimas décadas são tão paradoxais, tão contraditórias, tão estupidamente conflituosas entre si, e acima de tudo tão cheias de surpresas, que está pela hora da morte a capacidade de acreditar em muito mais do que no dia de hoje. Seguramente por isso, a tentação de trocar de frigorífico, sempre que ele avaria, é enorme. Nunca sabemos se amanhã não se descobre que o velho electrodoméstico provocava doenças letais…

E se me faltava mais qualquer coisinha para compor o quadro, eis que ele me chega sob a forma de uma reportagem na revista brasileira “Veja”. Tendo como ponto de partida uma série de equações matemáticas que serviram para perceber a possibilidade de vida noutros planetas, a revista fez um conjunto de operações aritméticas e concluiu que as possibilidades de se encontrar uma relação amorosa consistente via Internet é 42% superior à de encontrar a nossa cara-metade num bar ou numa festa…

Repare-se: o mesmo meio – a internet – que foi diabolizado como pasto para toda a espécie de pecados, mentiras e perigos no que às relações amorosas diz respeito, residência oficial de violadores e predadores sexuais, campo de férias de criminosos e solitários, é afinal a Meca do amor, o “lugar onde”. Sem gastar dinheiro em jantares ou copos, sem perder tempo em conversas ou olhares melosos no bar da esquina, o internauta percorre perfis em redes sociais e afere com 42% de “maior” rigor os pontos comuns com a potencial conquista. Feito o “casting”, trata-se agora, e apenas, de fazer cruzes na “check-list” e partir para o “encontro”. Real, de preferência. Leio e pasmo – não por achar que não faça sentido, mas porque a reportagem anula, mata sem dói nem piedade, e nem sequer recorda, anos e anos de maldição sobre a relação entre amor e internet, paixão e internet, namoro e internet. Agora, a nova ordem é outra: quer ser feliz no amor? Quer encontrar o parceiro da sua vida? Quer uma relação segura? Vá à net, aventure-se pelas redes sociais, pelos sites de busca do “par ideal”, e deixe-se mergulhar na felicidade…

E coma sardinhas, enquanto os dietistas não mudam de ideias e as colocam na lista dos prazeres proibidos. Abuse do azeite. Parece que o café também faz bem. Beba vinho tinto. E se o frigorifico avaria, já sabe: mande vir um novo.

Pág. 1/3

Blog da semana

Por Falar Noutra Coisa. Humor neste reacordar do blog. Rir é o melhor remédio. Lugar comum indiscutível.

Uma boa frase

“Sucessivos governos ficaram irritados, o actual vai um pouco mais longe, esquecendo que votar é um direito mas nunca uma obrigação. Em países desenvolvidos os cidadãos até votam durante a semana, ao passo que na choldra querem proibir jogos de futebol para obrigar o povo a ir votar." António de Almeida, Aventar

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D