Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Pedro Rolo Duarte

28
Set11

O regresso de Marta

Pois é: desde ontem que só oiço isto, que só quero ouvir isto. Isto e os outros 10 temas que integram "A Different Time", o disco novo da Marta Hugon, e o primeiro em que praticamente todas as composições são originais (dela com Filipe Melo, Bernardo Sassetti, André Fernandes) e há uma versão notável de "For no One" dos Beatles, além do clássico "I'll be Tired Of You".

Ainda não há disco, andam aí umas canções soltas a tocar em alguns I-pods, mas a amostra que fica já diz quase tudo. Não tarda e anda aí por todo o lado.

Obrigado, Marta!

 

27
Set11

Entre tachos e panelas

Sinto-me um bocado patinho feio quando se fala de televisão: apesar de oficial do ofício, vejo pouco, não sigo séries – quando as vejo, em geral, é já na versão DVD -, filmes só no cinema, e além das noticias, dos documentários e das reportagens, há pouca coisa que me prenda ao ecrã.

(Confesso: gostava de um dia apresentar um concurso como o Milionário ou algo do género, mas reconheço que já devo ir tarde para mais esse desígnio, entre tantos desta vida..)

Bom, a verdade é que fico todo contente quando um programa da grelha comum me agarra – porque gosto de poder discutir e ter opinião e sentir-me igual entre iguais. Aconteceu-me isso com a última série dos “Ídolos” (e foi comovente seguir o caminho daqueles concorrentes até à final, alimentando esperança e fé nos meus preferidos, num jogo ingénuo e sem consequências).

Por causa do meu filho – e do gosto pela cozinha... – deixei-me agarrar agora pelo “Masterchef”. Estou rendido e os meus sábados não dispensam aquela hora. Os concorrentes foram muitíssimo bem escolhidos – o tatuador Mauro é o meu favorito, também não resisto à frieza disfarçada de bonomia da arquitecta Marta, reconheço o talento superior do engenheiro Luís, fiquei triste por ver sair o sorridente publicitário Rodrigo. Mas tudo o resto é superior: o rigor técnico da realização, da edição e da montagem enchem-me as medidas, a escolha do trio de cozinheiros profissionais foi excelente, as ideias que semanalmente nos trazem são criativas, e até o papel discreto de Sílvia Alberto parece adequado àquele ambiente.

É um excelente momento de televisão que conjuga entretenimento, informação, aprendizagem, humor, jogo, num resultado inteligente e emocionalmente próximo do espectador.

Se tivesse de opinar sobre o lado mais popular e acessível do que pode/deve ser o serviço público de televisão, o “Masterchef” era o bom exemplo.

Não cuidei de ver se é um sucesso de audiências ou não. Basta-me ter a certeza de ser um bom programa de televisão.

(... Mesmo que, lamentavelmente, me reduza à ínfima expressão da minha existência na cozinha. Apesar dos momentos felizes no domínio da açorda ou da paelha, ao pé daqueles concorrentes eu sou ainda um zero à esquerda. Tenho muita farinha para comer... E muito Masterchef para ver.)

 

 

25
Set11

Em menos de nada

Ainda há coisas que me fascinam e deslumbram e me deixam sem saber onde acaba o futuro:

Estou numa esplanada de praia depois de um banho perfeito no mar. O alinhamento musical, entre o lounge e a bossa nova, fica perfeito na paisagem, e vou reconhecendo aqui Bebel Gilberto, mais à frente Djavan, um cheirinho de Vanessa da Mata, Bossacucanova. Às tantas oiço um tema que não conheço mas de que gosto à primeira.

Tiro o telefone do bolso, ligo o Shazam, em trinta segundos identifico “Sunshine in Ipanema”, a aplicação indica-me opção de compra, clico no I-tunes, gosto do tema, não me interessa o disco todo, em menos de nada a canção está no meu telefone, gastei um euro, sábado que vem levo-a para a rádio.

Ainda há coisas que me fascinam e deslumbram e me deixam sem saber onde acaba o futuro. Mas seja lá onde for, eu quero continuar por dentro...

24
Set11

O Niza

Tenho de José Niza uma memória tão distante quanto doce. Era um amigo muito lá de casa quando eu vivia a casa dos meus pais como se fosse um palco: quase todos os dias passavam por lá pessoas que eu só via na televisão. Era miúdo e gostava disso.

(Pormenor talvez não irrelevante: todos os amigos dos meus pais tratavam o puto que eu era por tu e na base da festinha na cabeça. Excepto o José Niza: por você, e com o respeito que um miúdo gosta que lhe tenham e ninguém alguma vez tem. Pois se ainda hoje me lembro…)

Depois conheci o talento do compositor. E muito mais tarde, o homem bom que esteve lá quando foi preciso estar. Nenhum Rolo Duarte esquecerá.

O que junta estas três fases, o que une estas três imagens, é sempre algo de suave, como se se tratasse de uma pessoa que passa sem pesar, que fica mas não ocupa. Não tenho a certeza de ter sido assim o José Niza de quem se fala – mas é deste que me lembro no dia de hoje. E é deste que me quero lembrar.

O meu pai dizia sempre “O Niza”. Quando, no meu quarto, fazia de conta que era crescido e falava com os amigos invisíveis, também dizia “O Niza”. Não me passava pela cabeça crescer – menos ainda que as pessoas morressem e não pudéssemos continuar a falar com elas. Na vida real ou naquela que reproduzia no meu quarto, inventando jornais e imitando o Paulo de Carvalho a cantar o “E Depois do Adeus”. Que era, lá está, “do Niza”.

21
Set11

Já agora...

Mais um post antigo aqui no blog (Dezembro de 2007), sob o titulo "Uma perguntinha à ERC":

 

Muito rapidamente, que estou cheio de pressa: na página 5 do “Público” de ontem diz-se que o Tribunal de Contas apurou “que o executivo de Jardim gastou em 2005 quase cinco milhões de euros com o Jornal da Madeira, o único diário estatizado do país, onde o governante [Alberto João Jardim] quase diariamente assina uma página de opinião. Aquele montante representa 74,9 por cento do total de fluxos financeiros (...) concedidos naquele ano pela administração pública regional a órgãos de comunicação social”. O jornal acrescenta que a maioria da verba restante se destina a financiar rádios que são propriedade do secretário-geral do PSD Madeira, Jaime Ramos (e que, nesse âmbito, ficam as ditas estações legalmente obrigadas a uma série de compromissos, que vão do noticiário das iniciativas do Governo Regional à promoção de entrevistas com membros do mesmo Governo).

Pergunta a minha curiosidade: o âmbito da actividade da Entidade Reguladora da Comunicação está limitado ao Continente? Não terá a ERC uma palavrinha a dizer sobre o que se passa na Madeira em matéria de Comunicação Social?
Silêncio.
Vivo num país extraordinário, onde as leis se afogam no Atlântico e as elites tratam Alberto João Jardim como se fosse um inimputável. A farra continua, tranquilamente.

21
Set11

Como cantava SG, "pode alguém ser quem não é"?

É verdade que me enganei no resultado das eleições. Mas quando escrevi este post, em 2008, sentia o mesmo que hoje sinto: o crime compensa. Vou continuar a resistir-lhe apenas porque nasci assim, sem jeito e sem essa graça.

Eis o post de 20 de Abril de 2008, neste blog:

 

“Cito a Lusa: “É com um enorme elogio ao presidente do Governo Regional que Cavaco Silva encerra a visita à Madeira: «O senhor não precisa de elogios, a obra que realizou ao longo destes 30 anos fala por si». Para o presidente da República qualquer português que visite o arquipélago perceberá o trabalho de Alberto João Jardim.”
Lido isto, vou dormir tranquilo: não votei em Cavaco Silva (e já tinha concordado com tudo o que Miguel Sousa Tavares escreveu ontem no “Expresso”).
Há algo, no entanto, que não me deixa tranquilo, ou me deixa mesmo perplexo: é que, pela primeira vez, sinto que tenho um Presidente que não é de todos os portugueses.A Madeira precisava de mão firme em Alberto João Jardim e nos seus abusos. Precisava de um PR que o colocasse na ordem. Se nem o Presidente da Republica interrompe o circo que Jardim promove há 30 anos, gozando descaradamente com a cara do Continente que o subsidia, esqueçam lá isso...
Cavaco começou este fim-de-semana a perder o segundo mandato – aquele em que até pessoas como eu votariam nele. Se estivesse no seu lugar, não sei se sorriria. Ou se diria que já chegámos à Madeira”

19
Set11

Patamar intermédio

Assisti ontem a um momento que demonstra que o homem português comum, mercê de mais de vinte anos de integração europeia, não é mais o grunho habitual. Pelo menos este homem, que eu vi, não é mais.

Foi assim:

Eu estava encostado a uma parede, e parado, ele vinha caminhando da esquerda para a direita, e desde há cinco passos ensaiava aquele ruído clássico de quem vai cuspir violentamente para o chão. O ruído é em geral acompanhado de um esgar e de uma espécie de tomada de balanço da cabeça para o arremesso. E assim foi. Porém, no momento decisivo, o homem aproximou-se de um caixote de lixo de gelados da Olá e apontou lá para dentro. Para mais, acertou.

O grunho habitual subiu ao estatuto de grunho europeu. Ibérico, vá. É uma evolução, como outra qualquer.

Se desse para ensinar esta parte do caixote à maioria dos motoristas de táxi de Lisboa, poupavam-me muitas viagens que faço em agonia pré-vómito. Apesar do ruído ser incontornável.

18
Set11

Fim de Verão

 

Soube por estes dias que há imensos negócios à beira de concretização na frente-rio de Lisboa. Um deles envolve o cenário desta fotografia – que tirei para colocar no Facebook e tratei no “Instagram” para ficar com o aspecto que eu queria...

Sim, é o cenário dos “Meninos do Rio”, um dos meus poisos certos de Verão há tantos anos quantos os que ele tem – meu e de todas as pessoas que não pedem mais do que um bocado de vista e um ambiente simpático.

Fiquei a pensar numa ideia clássica, que só nos ocorre na eminência de perder o que temos (ou logo a seguir): nunca, nunca valorizamos devidamente o melhor que temos. E sempre que o fazemos é tarde demais.

Também nunca aprendemos com uma coisa, nem com a outra. E lá vamos andando, não é verdade?

Pág. 1/3

Blog da semana

Por Falar Noutra Coisa. Humor neste reacordar do blog. Rir é o melhor remédio. Lugar comum indiscutível.

Uma boa frase

“Sucessivos governos ficaram irritados, o actual vai um pouco mais longe, esquecendo que votar é um direito mas nunca uma obrigação. Em países desenvolvidos os cidadãos até votam durante a semana, ao passo que na choldra querem proibir jogos de futebol para obrigar o povo a ir votar." António de Almeida, Aventar

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D