Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Pedro Rolo Duarte

06
Out11

Anúncio totalmente gratuito

Começa hoje, dia 6, é aberto ao público, e num tempo em que toda a gente tem medo de fazer alguma coisa e a maioria nada faz, é bom ver que há quem se mexa...

A APTCA - Associação Portuguesa de Tripulantes de Cabine - fica na Av. Alm. Gago Coutinho, 90, em Lisboa, e além da feira estão previstos debates, encontros, lançamentos de livros, enfim - é irem ao site e descobrirem o programa.

Também vou passar por lá num certo dia - mas sobre isso, falamos em breve...

03
Out11

O futuro do jornalismo é ele próprio

O Público de hoje traz um pequeno dossier sobre os diversos caminhos que a imprensa internacional – e a nacional também – tem experimentado para perceber que modelo de negócio vão ter os jornais do futuro, com ou sem papel impresso, mais digital ou menos digital, mais pago ou menos pago.

É a pergunta que vale um milhão de dólares: qual é o futuro deste presente incerto?

José Vítor Malheiros, experimentado especialista de tecnologias e media, remata um artigo de opinião com o essencial da questão:

“O jornalismo só sobreviverá, se o for realmente. E, se não for, que morra. Alguma coisa aparecerá”.

Está cheio de razão. Não há plataforma, rede, sistema ou aparelho que substitua a essência da profissão. O futuro do jornalismo é ele próprio, se souber ser o melhor que sempre foi.

Dito isto, resta-me acrescentar que, como sempre, um bocado generoso do prazer que os dias me dão passa por comprar jornais, senti-los virgens e ir lendo um a um, ao longo do dia, numa espera de reunião ou ao pequeno-almoço, no sossego da noite ou num final de tarde junto ao rio.

Sei que tenho tudo isso no I-Pad, mas ainda prefiro o cheiro, o toque e o barulho das folhas de papel que se descolam umas das outras. É um prazer rasgar uma página e guardar na agenda, porque está ali qualquer coisa que vou usar mais tarde.

Chamem-me romântico, como diria o Nuno Miguel Guedes...

02
Out11

A palavra é “catrapázio”

Há um generoso conjunto de razões, que não vou agora cansar-me a elencar, para não ler críticas. De cinema, de música, de livros, de teatro. Quando leio criticas, é mais para aferir sobre a pertinência de comprar o bilhete para o filme que está com bola preta do que para ter a certeza de estar em desacordo com o critico. Em 99% dos casos, estou.

Já tive polémicas públicas por causa disso, já me arrependi dessas polémicas, digamos que vivo em paz com os outros. Consegui sempre um tiro no porta-aviões: rapaz com quem impliquei tornou-se chefe, director, manda-chuva de qualquer meio onde – oh, vá lá saber-se porquê – nunca tive, ou logo deixei de ter, lugar…

Aprendi, claro. Nunca mais fui solidário, nem militante indignado, nem testemunha. Passei a ser como “eles”. Os outros. Todos os outros. Basicamente, estou-me nas tintas.

Ontem à noite fiquei em estado de choque porque estava distraído com o calor no Alentejo e com uma crónica do Pedro Mexia sobre o DN-Jovem, e comecei a ler uma critica - do José Mário Silva, que será sempre personagem de um livro que um dia vou escrever – onde às tantas, para designar um calhamaço, um livro grosso, um peso-pesado da literatura, ele escreveu a palavra “cartapácio”. Ora, para mim sempre foi um “catrapázio”. Aquilo encanitou-me.

Como me engano muitas vezes a respeito das pessoas que em algum momento me tiraram do sério, admiti que ele tivesse razão.

E tem:

“Cartapácio

s.m. Carta grande.
Livro grande e antigo em mau estado; calhamaço.
Coleção de papéis manuscritos, em forma de livro.
Alfarrábio”.

E eu ralado: catrapázio é palavra bem mais sonora e representativa, tem qualquer coisa de Caterpillar, e soa francamente melhor.

Como vale tudo nesta fase de transição entre a velha e a nova ortografia, continuarei a dizer que um polvo pertence à família dos cartapácios, que um catrapázio é um livro que jamais lerei, e com jeitinho até invento um prato de cartapácio de atum.

No fundo, é o costume: as palavras são o que quisermos.

Pág. 3/3

Blog da semana

Por Falar Noutra Coisa. Humor neste reacordar do blog. Rir é o melhor remédio. Lugar comum indiscutível.

Uma boa frase

“Sucessivos governos ficaram irritados, o actual vai um pouco mais longe, esquecendo que votar é um direito mas nunca uma obrigação. Em países desenvolvidos os cidadãos até votam durante a semana, ao passo que na choldra querem proibir jogos de futebol para obrigar o povo a ir votar." António de Almeida, Aventar

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D