Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Pedro Rolo Duarte

03
Jan12

Estar em 2012

Estar na oposição, no momento que vivemos, é extraordinário:

- Critica-se o poder, sem culpas nem remorsos, porque o passado já não conta.

- Pode dar-se por certo que a seguir será a vez de quem agora está do contra.

(O item anterior não se aplica ao PCP, mas ele também já sabe disso vai para 30 e tal anos)

- Todos os males têm cura, porque não lhes cabe serem médicos, apenas treinadores de bancada.

- Tudo o que o Governo faz está mal feito porque é suposto, na oposição, ser assim.

- A greve geral, que antes era acintosa e injustificada, passa agora a ser um grito de revolta merecido e amplamente justificado.

- O sindicalismo, antes liderado pelas forças do mal, é agora a mirífica salvação dos trabalhadores.

- Jornais, rádios e televisões são sempre culpados de tudo. O mensageiro é o demónio.

 

Estar no poder é também muito agradável:

- Impõem-se medidas de excepção que não se aplicam a quem justamente está no poder, porque cortar regalias a quem ganha 1500 euros, ou menos, é bem diferente de cortar a quem ganha 4000 ou 5000 euros.

- Colocam-se amigos em lugares-chave – de hoje para amanhã, são esses amigos que nos garantem um futuro tranquilo -, e cria-se a chamada “rede de contactos” que faz de qualquer secretário de estado ou chefe de gabinete um putativo administrador executivo (ou não, dá igual) de um banco ou de uma empresa de construção civil. Não tarda uma legislatura e é isto.

- Vive-se em sacrifício, prejudica-se a família, mas é tudo a bem da Nação, ainda que a Nação não note hoje o benefício dos que, no passado, se sacrificaram da mesma maneira.

- Jornais, rádios e televisões são sempre culpados de tudo. O mensageiro é o demónio.

 

Não estar num lado nem noutro é que é uma chatice. A única vantagem é dormir bem.

(Mesmo assim não tenho a certeza de que eles não durmam todos bem, sejam Isaltinos ou Coelhos ou Sócrates ou Lopes... E isso chateia-me, sim.)

02
Jan12

Em atraso

Só li há bocado, mas fica eleita a ideia do ano 2011: (Cavaco Silva) “continua a ser o que sempre foi: um discípulo menor de Marcelo Caetano, com uma vaguíssima inclinação para a social-democracia. Num aperto, não se pode contar com ele”.

Vasco Pulido Valente, no Público de sábado passado. No seu melhor.

Pág. 3/3

Blog da semana

Por Falar Noutra Coisa. Humor neste reacordar do blog. Rir é o melhor remédio. Lugar comum indiscutível.

Uma boa frase

“Sucessivos governos ficaram irritados, o actual vai um pouco mais longe, esquecendo que votar é um direito mas nunca uma obrigação. Em países desenvolvidos os cidadãos até votam durante a semana, ao passo que na choldra querem proibir jogos de futebol para obrigar o povo a ir votar." António de Almeida, Aventar

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D