Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Pedro Rolo Duarte

10
Mai12

Novelas, ou a vida real

Em todas estão todos aos gritos. A mentir. Ao telefone. Nunca são filhos de quem são. Mesmo quando se beijam, são beijos roubados. Choram. Insultam. Desconfiam. Batem portas como se fosse sempre a última vez e nunca os automóveis arrancam sem ser de forma radical. Riem nervosamente e desabafam em transe. Quando lamentam, parece que vão morrer de seguida. Quando se escondem, mostram-se.

Este deve ser o maior elogio jamais feito às novelas portuguesas: já não as distingo das outras.

Mudo logo de canal. Não aguento o som carregado de más energias que sempre vem dali. Estou a chegar à fase em que praticamente só aguento programas sobre gastronomia. O defeito deve ser meu.

07
Mai12

Grau zero

Isto sou eu a tentar explicar a mim próprio, como se tivesse 3 anos, o que leio por aí:

Por um lado a democracia é, de entre todos, o mais aceitável dos regimes, porque permite que a maioria escolha o que quer e quem quer para seu governo.

Por outro lado, à esquerda, parece evidente que quando a maioria, ou uma dose generosa de eleitores, escolhe uma opção de direita mais extrema ou radical, o regime “é preocupante” e torna-se “ameaçador”. Nestas circunstâncias, a democracia é muito aborrecida e há quem concorde com a social-democrata Ferreira Leite e a sua imaginativa interrupção voluntária do regime por seis meses.

À direita, quando a esquerda ganha, como sucedeu ontem em França, na verdade não terá ganho – o que aconteceu foi que a direita não soube passar a sua mensagem e a esquerda travestiu-se de liberal.

Já em Portugal, o que o Governo legisla é criticado e chumbado pelo PS, que legislaria da mesma forma se não estivesse na oposição, e o PSD aplaude o Governo, da mesma forma que apuparia e votaria contra se acaso o Governo fosse liderado pelo PS.

Ou seja, entrámos definitivamente no grau zero da política. Está aberto o espaço para o populismo barato, e está fechada a porta do debate sério, inteligente, e adulto. Chegou a hora de reconhecer a voz do povo: é tudo a mesma açorda.

05
Mai12

Excepções

É pública a minha oposição fundamentalista à cópia não autorizada, aos leitores de jornais que lêem mas não pagam os jornais que consomem nos pontos de venda, à pirataria na música e no cinema. Eu sou um dos tais – os chamados tansos... – que compra os discos online, ou as canções, mas também os filmes, os livros, tudo.

Percebo o argumento mais básico – se é possível ter de borla, porquê pagar? -, mas não deixo de presumir que esse raciocínio levará, a prazo, a uma deterioração da criatividade e produção culturais, porque o estimulo diminui na proporção da queda de rendimentos e porque, no limite, haverá quem não crie porque sabe que a sua criação vai ser usurpada, roubada, violentada.

Já sei que é uma guerra perdida, cá fica para o que der e vier...

Mas só a trago aqui ao blog porque hoje eu próprio cometo o crime, abaixo jpegado. É certo que o faço em tempo razoável – saiu no Público de ontem, que hoje já não está à venda -, por uma causa maior (a memória de Fernando Lopes), e por conta de um autor amigo (do qual ando atrás, sem sucesso, há semanas – se alguém me puder fornecer o contacto actualizado, ficarei grato...).

Dito de forma mais simples: a crónica de Vasco Pulido Valente, no Público de ontem, sobre Fernando Lopes, é um momento de génio e humanidade. Aqui o deixo, livre, correndo o risco do crime que não cometo, certo de fazer o que devo. Há contradições que só a educação de cada um pode explicar.

Ainda assim, leiam:

 

04
Mai12

Mais do mesmo

A única certeza que tenho sobre o “episódio Pingo Doce” é esta: se acaso tivesse ocorrido num período sem austeridade, em tempos de vacas gordas e expansão, o resultado seria exactamente o mesmo. Qual é a parte do “isto não é fome, é vontade de comer” que escapa por aí?

A mesma miséria humana da corrida à borla e ao desconto – já vi homens à bulha por uma máquina fotográfica digital -, a mesma fúria das campanhas eleitorais em que se ofereciam sacos de plásticos e canetas sem tinta, a mesma loucura que o meu pai tão bem descrevia quando contava a história de um lugar de estacionamento disputado aos gritos sob a frase “Vai já lá!”. Ou as histórias que enchiam a mesa de jantar quando o pai descrevia os concorrentes de concursos de televisão, os figurantes, os que tentavam dar o golpe. “O melhor amigo do homem é o cão, o pior é o concorrente de concursos de televisão”, fixei a frase. E já eram os anos 80...

Bom, o “caso” Pingo Doce. Fazer politica assim, aproveitando o momento dramático para o sublinhar de forma falaciosa e constituir explicação para tudo, é tão fácil. Basta dissolver as ideias nas mais básicas pulsões humanas. Uma espécie de “achocolatado”. A metade do preço, claro.

Não gosto do sabor.

03
Mai12

Anúncio totalmente gratuito, como no tempo do “Caderno 3”

 

Saiu hoje. É nova. É a Playboy como sempre devia ter sido. Bem sei que ninguém quer ver mulheres lindas, todos querem ler os artigos de fundo da revista...

... Por isso vos deixo o segredo do sucesso do casamento de José Eduardo Moniz:

“Para começar, a grande capacidade para perceber o que o outro é, ser tolerante com os defeitos do outro... Gostar das coisas boas é fácil, agora aprender a tolerar aquilo que são as coisas menos boas é que é o desafio de uma relação - sobretudo, aprender a não deixar que o nosso orgulho ou convicções pessoais amarfanhem o outro. Depois, bom, saber gerir o que se diz, e o silêncio, saber gerir a presença e a ausência”.

Aprendam. Leiam. Eu gostei de fazer a entrevista. Agora resta que haja quem goste de a ler...

02
Mai12

Lido no Facebook

Inteiramente de acordo com José Manuel Fernandes:

"Continuo espantado com as reacções das almas bem-pensantes à promoção do Pingo Doce. Quem aproveitou - e apareceu no fórum da TSF - só elogiou. Afinal muita gente poupou muito dinheiro. A esquerda snob fala, do alto da sua sapiência, em "miséria humana" e pede a intervenção dos polícias da ASAE. De facto, o interesses dos mais desfavorecidos - os que foram às compras - nada lhe dizem. E se houve confusão, não foi maior nem mais feia do que se os saldos tivessem sido na loja da Prada. Mas aí estariam os snobes, não os pobres, e não haveria indignação, aposto. Porque é que não deixam em paz quem escolheu fazer uma promoção e quem decidiu beneficiar dela?"

02
Mai12

Hoje, quarta-feira, ao lado de um grande (meu) amigo meu

“A verdade é amor — escrevi um dia. Porque toda a relação com o mundo se funda na sensibilidade, como se aprendeu na infância e não mais se pôde esquecer. É esse equilíbrio interno que diz ao pintor que tal azul ou vermelho estão certos na composição de um quadro. É o mesmo equilíbrio indizível que ao filósofo impõe a verdade para a sua filosofia. Porque a filosofia é um excesso da arte. Ela acrescenta em razões ou explicações o que lhe impôs esse equilíbrio, resolvido noutros num poema, num quadro ou noutra forma de se ser artista. Assim o que exprime o nosso equilíbrio interior, gerado no impensável ou impensado de nós, é um sentimento estético, um modo de sermos em sensibilidade, antes de o sermos em razão ou mesmo em inteligência. Porque só se entende o que se entende connosco, ou seja, como no amor, quando se está «feito um para o outro». Só entra em harmonia connosco o que o nosso equilíbrio consente. E só o consente, se o amar.”

Vergílio Ferreira

Pág. 2/2

Blog da semana

Mesa do ChefePara quem, como eu, gosta de cozinha, gastronomia e restauração, este é mais um dos poisos certos...

Uma boa frase

O Insurgente“Isaltino Morais: perda de mandato autárquico; condenado a 9 anos de prisão por fraude fiscal, abuso de poder, corrupção passiva para acto ilícito e branqueamento de capitais. Resultado 2017: 41.7% Esta é a imagem do país. Em suma, temos o país que merecemos, com os políticos que merecemos, com o fado que merecemos." Mário Amorim Lopes

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D