Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Pedro Rolo Duarte

27
Mar13

O político regressa sempre ao lugar da política

José Sócrates não é uma avestruz que enfia a cabeça na areia, e certamente lê o que sobre ele se diz, se escreve, se pensa, desde há dois anos até aos dias de hoje.

José Sócrates não saiu de Portugal para um país distante e desértico, sem ligação ao mundo e à actualidade. Sabe por isso, muito bem, o que a esmagadora maioria dos portugueses pensa dele e do seu desempenho político, e não ignora os (enormes) ódios e (escassos) amores que desperta.

Por maior que seja o seu ego, José Sócrates não é autista em relação ao estado em que deixou Portugal. Sabe o que fez e a herança que deixou, e não acredito que não tenha a noção das suas responsabilidades em todo o processo que nos conduziu à miséria presente.

José Sócrates deixou a liderança do PS mas não deixou o PS. Segue os passos do seu partido e sabe o estado de fragilidade da liderança que o sucedeu. Sabe onde deixou saudades, ou a falta delas.

Neste quadro, o regresso de José Sócrates a Portugal e ao “activo”, (descaradamente) dando a cara na televisão, das duas uma: ou é um acto de loucura, ou é um acto de coragem. A terceira hipótese – um acto de insanidade e cegueira puras – nem sequer a admito.

Se é um acto de loucura, bom, aos loucos tudo se desculpa.

Se é um acto de coragem, só pode ser assinado por quem não limites para a ambição – e nessa ausência, admite que somos todos lamentavelmente tolos.

Talvez se engane. Gostava de acreditar que se engana.

 

PS – Quanto a falar e ter um programa na televisão (pública ou privada), nada a dizer. Concordo com a citação de Voltaire que li num desses manifestos sobre o assunto: "Posso não concordar com uma só palavra sua, mas defenderei até a morte o seu direito de dizê-la."

26
Mar13

Voar

 

Esta fotografia foi tirada em Maio de 2001, no Alentejo. O meu filho tinha 5 anos, e já fazia aviões de papel. Uma década depois, os aviões de papel ganharam sérias asas e ele voa para bem longe, à procura do seu próprio caminho. Voar é que os pássaros-pais ensinam os pássaros-filhos a fazer.

Eles aprendem.

Quando tropeço em fotografias como esta, vejo como também o tempo voa. E nós com ele.

22
Mar13

Tendência é verbo

(Crónica originalmente publicada na revista Lux Woman. A deste mês, a festejar 12 anos de vida, já está aí nas bancas...)

 

A história de Paulo Sebastião (zinedepao.blogs.sapo.pt) podia figurar naquelas reportagens que a crise inspira e os jornais adoram: jovem informático de 27 anos tem oportunidade de trabalho em Estocolmo, deixa o seu país, e quando se confronta com a realidade sueca descobre que lhe faz muita falta o pão português. Decide então aprender a fazer pão – mas como é dedicado e rigoroso, vai aprender com os melhores, estuda, e torna-se um apaixonado da arte. De tal forma que todas as sextas-feiras à noite, enquanto os seus colegas vão afogar mágoas nos bares da capital sueca, o Paulo vai gratuitamente para a padaria do seu mentor aprender mais e mais sobre massas, leveduras, farinhas e cozeduras.

Cruzei-me com o Paulo porque também eu quis aprender a fazer pão. Ele passou por Lisboa há umas semanas e organizou umas sessões públicas. Paguei a minha inscrição e logo nesse momento pensei: há paixões que podem ser lucrativas...

Então lá estive uma tarde de volta do pão. Perceber as manhas da farinha quando se junta com a água, a diferença entre isco e fermento, o peso definitivo do tempo e da paciência na arte de conseguir um pão que se orgulhe desse nome. O problema do forno. E depois o momento health club da coisa: amassar, sovar, tender e por fim moldar pão. Não me saí nada mal. Mas é claro que o melhor foi ouvir o Paulo falar de pão como quem fala do amor da sua vida. Provavelmente, é. Mas ele só o descobriu quando lhe sentiu a falta...

Lá está: a crise, a falta, a distância, também são oportunidades. Ou mesmo “a” oportunidade. Estava ali uma dúzia de pessoas a aprender a fazer pão numa tarde de sábado – mas na verdade, estávamos a virar as costas à depressão, a ouvir a história do Paulo (que um dia vai mesmo deixar a informática para se dedicar só ao seu amor maior...), e com ele veio a história de uma amiga que deixou a profissão na cidade para recuperar a mó de pedra para os cereais que vão dar pão, e havia ainda a mercearia fina que nos acolhia e era também um projecto pessoal de paixão. Ou seja, havia inspiração para nos deixar o resto do fim-de-semana a pensar em alternativas - e essa era a melhor causa e o mais forte argumento.

É disso que se trata: alternativa. É a palavra-chave. A tendência. O foco. Descobrir o nicho que ainda não está ocupado, pensar em grande o mais pequeno negócio, usar os recursos que os tempos nos trouxeram ao serviço de ideias que se calhar foram dos nossos avós. Quem diz pão, diz biscoitos e doces e compotas. Quem diz pão, diz crochet e presentes e sacos de pano. Afinal, esta é a primeira crise que vivemos em que, simultaneamente, temos toda a informação, e a rede de contactos, ao alcance de um clique. Além da facilidade em transformar um prazer caseiro num negócio artesanal. Desta vez não temos desculpa para não dar um passo – sendo certo que esse passo tem o travo doce do prazer...

... Acreditem: ver um pão crescer no forno de casa, amassado e tendido e “desenhado” por nós, é comovente. Ver a família e os amigos cortarem-no e barrarem-lhe manteiga e doce, e sentir que resiste fresco mais do que as 12 horas do pão que compramos no supermercado, é voltar à terra onde apanhávamos morangos às escondidas e nos sabia à compota que havia de nascer mais tarde.

Voltar ao começo. Somos nós e as mãos e a imaginação – e o mundo à nossa espera. Eu não sou dos que abraçam árvores – mas acho que tendência é mais verbo do que outra coisa qualquer. É fazer. E ver crescer.

20
Mar13

O que me cativa e comove

 

Não sou católico – mas nem por isso me torno indiferente ao mundo católico, que esmagadoramente me cerca. Os temas religiosos interessam-me, ainda que mais pela via filosófica do que pelos caminhos da fé. A ser “algo”, talvez fosse hinduísta (assunto para outro post, um dia destes).

Para agora interessa-me ilustrar a fotografia que tirei e “mexo” no instagram com esta ideia sincera: desde o primeiro momento, o Papa Francisco conquistou-me. Parece o homem certo para o desafio maior da igreja católica nestes anos cinzentos. Tudo o que até agora mostrou – da frase “olhou-o com misericórdia e escolheu-o” à informalidade com que assume funções, passando pelo sublinhado permanente na pobreza e nas obrigações dos governantes – me cativa e me comove, me convoca e me deixa a pensar.

Não sou católico, repito. Mas pergunto-me se, com homens destes à frente da igreja nas últimas décadas, não estaria hoje convertido, convencido e militante. Quem sabe, com fé.

18
Mar13

E se ele se calasse?

Sempre que o ministro Vitor Gaspar fala, há mais uns milhares de desempregados, há mais uns milhões de euros em défice, há mais famílias endividadas e pobres nas ruas, há menos exportações, menos PIB, menos luz ao fundo do túnel.

E se ele se calasse?

A minha dúvida, para começo de semana, é mesmo essa: a coisa resolve-se calando o ministro?

Marcelo Rebelo de Sousa terá comparado Gaspar a um (mau) astrólogo. Não me parece uma comparação feliz: o segredo do astrólogo, mesmo do medíocre charlatão, é conseguir encontrar, entre previsões infundadas, algumas obviamente acertadas: se o senhor andar à chuva, molha-se; ter cuidado com a saúde é importante; invista na sua carreira. O cliente do astrólogo sai do consultório com algum alívio, porque parte dos conselhos recebidos são incontornáveis lugares-comuns.

Já com Vitor Gaspar é diferente: ele prevê o pior, e a seguir vem ainda pior. No fim, volta a falar e diz que está desapontado. E quanto mais bate no fundo, mais fundo há para bater. Talvez o problema não seja do país ou da economia – talvez seja dele, do ministro.

Calando-o, não ficávamos mais sossegados na miséria em que mergulhámos, pelos vistos, sem retorno?

Pág. 1/2

Blog da semana

O Diplomata. Dez anos de blog é obra. Alexandre Guerra festeja, e com razão, um espaço de reflexão, análise e opinião do mundo político internacional. Merece o bolo.

Uma boa frase

“Se isto fosse no tempo do Sócrates, a esta hora o Trump já tinha em cima da mesa uma proposta da Mota-Engil para a construção do muro. Com financiamento do BES e projecto do Siza Vieira." Rui Rocha, Delito de Opinião

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D