Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Pedro Rolo Duarte

10
Nov13

Uma cena esquisita

Não vos vou incomodar com um processo da Segurança Social à empresa da minha mãe, cuja actividade cessou em 2000 e que além de ser inexistente, entretanto prescreveu. Não vos vou falar sobre a própria Segurança Social ter reconhecido que o processo prescreveu mas, ainda assim, e apesar da reclamação atempadamente apresentada, ter desencadeado penhoras e congelamento de contas bancárias. Não vos vou dizer o numero de mails que já mandei à Segurança Social, sem qualquer efeito. Andamos nisto desde 23 de Novembro de 2011, ou seja, há quase 2 anos…
Mas gostava de falar sobre este outro tema: enquanto a Segurança Social engonha, não resolve, destrata e desrespeita a minha mãe, a agora chamada Autoridade Tributária e Aduaneira é de uma eficácia extraordinária. Por mail, SMS, cruzando informações dos serviços do IVA com o IRS e o IRC, tudo altamente informatizado e ágil, a máquina fiscal ganhou um grau de sofisticação e rapidez que impressiona qualquer um (e cujo segredo podia, já que o Estado é o mesmo, passar à Segurança Social, para que funcionasse com o mesmo profissionalismo e agilidade).
Mas há um senão. Por sinal, muito irritante. Decorre do facto de, nos dias de hoje, quase todos termos acesso ao mail no telefone, em qualquer momento, e a qualquer hora, já para não falar das SMS e outros serviços de mensagens. Pois bem: a nossa Autoridade Tributária e Aduaneira não tem, nos seus algoritmos informáticos, qualquer respeito pelos tempos e horários dos contribuintes. Nas ultimas semanas, recebi mails (com informações, coimas, impostos para pagar, tudo coisas simpáticas e agradáveis) às seguintes horas e dias: ontem, domingo, às 7:33 da manhã; sábado, às 00:34; sexta-feira, 1 de Novembro, às 21:11; sábado, 28 de Outubro, às 16:00.
Foram exemplos soltos que fui buscar à caixa do correio e me levam a perguntar: porque raio a Autoridade Tributária decide disparar mails de madrugada, e/ou ao fim de semana, a meio da tarde de sábado, ao domingo pela manhã? É mesmo aleatório, ou é o puro sadismo de um qualquer funcionário que decide f**** o tempo livre do esforçado contribuinte?
Está na hora de exigir um código de conduta dos serviços do estado (e já agora, dos serviços bancários, de telecomunicações, etc), que impeça o envio de mails ao fim de semana, de madrugada, aos feriados, em resumo: fora de horas, fora do tempo naturalmente dedicado ao que nos chateia e incomoda. A imagem de estar a beber um copo com amigos, abrir o mail, e ter uma mensagem novas, às tantas da manhã, do IRS, é no mínimo dantesca. Alguém quer pensar nisto?
Agradecido.

06
Nov13

Palavras minhas, cantadas

No ano que vem faço 50 anos - e por isso tenho a presunção de achar que, no que à minha área profissional diz respeito, já passei por quase tudo.

Redondo engano. Enorme engano. Vivi há minutos um dos mais comoventes e emocionantes momentos da minha vida profissional (e porque não dize-lo, estava “entre amigo”: pessoal): ouvir cantada e pronta uma canção cuja letra escrevi.

Ouvir cantar palavras que escrevemos é como se fosse possível (para um jornalista) ouvir um texto lido num palco. Não é impossível, mas é improvável.

Dado que as palavras foram transformadas em musica, é como ver um trabalho pessoal elevado a uma potência maior, colocado num pedestal, religiosamente tratado. Surpresa e revelação, são as palavras que me ocorrem.

Mais simplesmente: emoção, comoção, e uma alegria indizível. Num dia especialmente duro, foi como se uma voz superior me provocasse: “e se agora eu te desse uma alegria imensa?”.

E deu mesmo.

(Em breve poderei dizer que letra escrevi e para quem. Por agora, é apenas cá em casa).

05
Nov13

Uma fotografia que diz tudo

 

No sábado passado, a minha amiga, afilhada de casamento, afilhada profissional, e há quase 20 anos miúda da camisola dos ursinhos Sónia, fez 40 anos. Organizou uma mega-festa no Braço de Prata que me lembro de ter começado mas não sei bem como acabou.

(Cheguei bem a casa)

Ontem publicou no Facebook uma série de fotos e uma delas era esta. Quando a vi, deixei por lá o comentário óbvio:  “Saudades de estarmos juntos!”. Eu, a Sónia e a Anabela vivemos juntos, entre outras aventuras, a do DNA, que tanto nos uniu e tanto nos convoca. Mas a seguir a Anabela postou outro comentário que me levou a olhar de novo a fotografia. Escreveu ela:  “É maravilhoso saber que crescemos juntos, e que nos amparamos e motivamos e afastamos e aproximámos... e que no essencial estivemos sempre juntos. Obrigada, Pedro Rolo Duarte. Obrigada, Sónia Morais Santos. Love U.”

E de repente caí em mim: nesta fotografia, nestes olhares, nesta cumplicidade, estão dez dos mais felizes anos de uma vida (a minha, claro), que tem quase 50. São muitos anos, e é muita vida.

Gosto de olhar para a frente. Mas nunca esqueço o que passou – especialmente, nunca esqueço quem esteve no que passou. E quem está, e eu sei que está, quaisquer que sejam as marés e os navios.

Uau, esta fotografia salvou-me a noite.

Obrigado, Sónia, mais uma vez, por te teres lembrado de fazer 40 anos.

03
Nov13

Música como luz

 

Estava a fazer uma pesquisa na net e fui parar a um blog onde dei, há anos, uma entrevista. Às tantas o blogger pergunta-me sobre música, sobre a minha relação com a música. E eu respondi assim:

A música ocupa nos meus dias um espaço semelhante ao da luz – sem ela não vivo, e gosto do escuro só mesmo quando é para dormir”.

 … E gostei da resposta, e fiquei orgulhoso da resposta. E por isso aqui a deixo, com música, claro.

Pág. 2/2

Blog da semana

Por Falar Noutra Coisa. Humor neste reacordar do blog. Rir é o melhor remédio. Lugar comum indiscutível.

Uma boa frase

“Sucessivos governos ficaram irritados, o actual vai um pouco mais longe, esquecendo que votar é um direito mas nunca uma obrigação. Em países desenvolvidos os cidadãos até votam durante a semana, ao passo que na choldra querem proibir jogos de futebol para obrigar o povo a ir votar." António de Almeida, Aventar

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D