Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Pedro Rolo Duarte

13
Mai15

AVISO

Este blog, e o seu autor, estão-se rigorosamente nas tintas para o Acordo Ortográfico e a sua obrigatoriedade. Aqui, contunuará tudo como dantes - não em Abrantes, mas em Lisboa. Com factos e Maio com maiúscula. Sem pactos de regime.

10
Mai15

Roleta

Deve estar quase a fazer um ano: caminho pelas alamedas do Hospital Curry Cabral e encontro o Óscar Mascarenhas.
A ele me liga uma picardia antiga sobre a carteira profissional - que eu tirei, sob ameaça dele de me mandar prender… -, acompanhada de um sentido de humor ácido que sempre fiz questão de estar à altura na resposta. Claro que nunca estive. O Óscar foi meu vizinho de gabinete envidraçado no DN quase dez anos - tempo suficiente para passarmos da picardia ao respeito, e no meu caso também à admiração pela sua atitude na vida e na profissão.

Voltemos ao Curry Cabral. Encontramo-nos, cumprimentamo-nos, pergunta-me:
- Então, que fazes tu por aqui? Nem estás com ar muito doente…
Eu sorri, e respondi:
- Estou sou a acompanhar uma pessoa amiga. E tu, rotinas?
O Óscar encolheu os ombros e disse:
- Meia-duzia de análises, a ver se vivo mais uns anos…

Há uns dias que este encontro, e este diálogo, não me saem da cabeça.
Quem inventou a expressão “roleta russa” estava claramente equivocado. A roleta pode até ser russa, mas toca a todos. E tristemente, tem tendência a levar mais cedo alguns dos bons.

07
Mai15

Aos tiros

Uma das poucas vantagens de estar dois dias de cama é acertar contas com a televisão. Fazer muito zapping, saber por onde anda o Goucha e a Fátima Lopes e o Baião, descobrir os canais lá do fundo a que nunca chegamos.
Desta vez decidi dedicar-me à sequência de canais AXN e FOX, conhecidos pelas séries de que toda a gente fala. Retive apenas este dado: o numero de tiros e de mortos por hora, em quase todos eles, daria para produzir umas três edições do Correio da Manhã por dia. Não vou falar sobre o numero de traições conjugais, que anda ela por ela com os tiros…
Ora, eu costumo dizer que a realidade é sempre mais rica do que a ficção. Aqui, e depois deste dia e meio de molho, fico na duvida: é a ficção que imita a realidade, ou é a ficção que a provoca e inspira?

03
Mai15

Dia da mãe

mae e neto.jpg

Esta fotografia tem 14 anos. O meu filho, com cinco anos, ouve atentamente as palavras da avó, minha mãe. Na Praia do Carvalhal, onde havia indios Zambujões, comiamos "minhocas" grelhadas no carvão, e à noite jogávamos futebol na relva lá do Monte.

 

(Talvez faça falta aqui esta explicação:

A minha mãe tem 84 anos, está óptima, queixa-se de tudo (especialmente do que tem razão de queixa; perdeu o marido, amor da vida, cedo demais, e um filho, o que nenhuma mãe ultrapassa. Ainda assim, consegue rir, viver, resistir). Tem saúde, cabeça lúcida, é autónoma, e vive modesta mas comodamente. Talvez por isso, sempre que é Dia da Mãe, ou no seu aniversário, gosto mais de recordar um momento bom, mesmo que eu seja apenas o fotógrafo, ou uma imagem que diga muito do que ela é, do que escrever o texto sentido que apetece - mas que, de alguma forma, entristece a verdade dos factos: os anos passam e eu sinto-os a passarem. Gosto desta fotografia porque tem futuro e esperança dentro dela. E para mim esse é o sentido dos Dias em que assinalamos o que é bom.)

Pág. 2/2

Blog da semana

Por Falar Noutra Coisa. Humor neste reacordar do blog. Rir é o melhor remédio. Lugar comum indiscutível.

Uma boa frase

“Sucessivos governos ficaram irritados, o actual vai um pouco mais longe, esquecendo que votar é um direito mas nunca uma obrigação. Em países desenvolvidos os cidadãos até votam durante a semana, ao passo que na choldra querem proibir jogos de futebol para obrigar o povo a ir votar." António de Almeida, Aventar

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D