Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Pedro Rolo Duarte

12
Nov15

Nem muro nem vedação

(Crónica publicada hoje aqui, no excelente Sapo24)
Sinceramente, a crise política que vivemos interessa-me pouco. Não porque ela não vá ter peso e influência na vida de todos nós - oh se vai… -, mas porque me irrita ouvir as mesmas palavras em bocas diferentes, os mesmos argumentos em sentidos contrários. A repetição aborrece e cansa-me. Já ouvi deputados do PS dizerem há anos o mesmo que ouvi há bocado da boca de deputados do PSD. E o contrário. Incomoda-me, a sério. E o confronto de terça-feira foi mais do mesmo, com cobranças que foram até aos tempos de Manuel Monteiro no CDS…
Na verdade, não espero muito do CDS, do PSD, do PS - já sei que hoje dizem o contrário de amanhã, que quando chegam ao Governo se “surpreendem” com quadros mais negros do que esperavam, e que este debate sobre quem deve governar ainda vai, daqui a uns anos, servir o PSD para lembrar ao PS que em 2015 também blá-blá-blá…
Agora… No meio da balbúrdia, há coisas sérias. A esquerda, especialmente o PCP, vestiu em Portugal, durante 40 anos, o fato completo da virtude e da coerência (mesmo quando ser coerente era negar as evidências, e basta recordar o bloco de leste, o muro de Berlim, e Cunhal que preferiu não ver o óbvio e persistir em ouvir amanhãs que cantavam). O Bloco de Esquerda foi menos taxativo, mas ainda assim não deixou de surfar a onda da coerência. As esquerdas, em geral, foram donas e senhoras da seriedade, da coerência, da manutenção de um rumo e de um ideia, mesmo que mitificada. Toda a gente reconhecia. A palavra de honra era a sua coutada, e a coerência o seu monopólio.
Esta semana, o mito caiu e o animal mostrou os dentes: o mesmo PCP que queria sair do euro assina sabe-se lá o quê com o PS - mas que não prevê a saída do euro. O mesmo euro sobre o qual Catarina Martins decretava há um ano: “Nem mais um sacrifício pelo euro. Quanto um país tem de escolher entre ser um Estado viável ou o euro, deve escolher ser um Estado viável”. Dou de barato a discussão da TSU, dos impostos, da divida, do orçamento e até da composição do futuro Governo. Fico-me por aqui.
A partir de hoje, para o bem ou para o mal, deixem de dizer que, apesar de tudo, o PCP é coerente. Ou o Bloco. Não. Esqueçam. Arrumaram-se  definitivamente na prateleira do PS, do PSD e do CDS. Começa a ser válida a velha frase popular: “são todos iguais”!
Não sobra nada. Nem uma vedação, quanto mais um muro.

08
Nov15

A bem ou a mal

american.jpg

Rever, como me aconteceu esta noite, mais de 15 anos depois da estreia, “American Beauty”, esse filme absolutamente genial (que nos revelou - pelo menos a mim… -  Kevin Spacey), é voltar ao confronto com a ideia que me foi passada em tempos e vinha de longe, da Galiza: “todos tenemos algo”. Como quem diz: por trás de cada cara, de cada figura, de cada existência, há sempre outros “eus”, que tentaremos ocultar, ignorar, menosprezar. Com os quais recusamos o “encontro”. Mesmo que uma sólida formação nos vá lembrando, aqui e ali, que apesar de tudo há sempre um lado certo e um lado errado. Sou desses.
Mas “American Beauty” vem dizer-nos também que nada é taxativamente verdade, nada é taxativamente mentira. A família não é mais do que uma encenação que a natureza - ou Deus, para quem nele acredita - concebeu, e a à qual tentou dar sentido. E a vida moderna é tão estupidamente ridícula como a vida antiga. A ambição é igual à falta dela: vazia.
Nada tem, na verdade, grande sentido, como o filme demonstra. Ou tem um sentido diferente daquele que gostamos de lhe atribuir. Estar vivo é uma coisa - viver é outra, bem diferente.
No fim, quando esta imagem (acima) aparece, cheguei ao mesmo lugar de há quinze anos: se conseguirmos aceitar que esta passagem por aqui não é mais do que um estágio, onde aprendemos um bocadinho de cada coisa, sem grandes consequência (mas também não impunemente…), talvez a vida faça algum sentido. E possa ser algo mais do que a escassa “Beleza Americana”.
Simples, talvez básico: sempre a aprender. Quando já sabemos o suficiente, vamos embora. A bem ou a mal.

04
Nov15

Central Parque (o segundo, que para nós foi o primeiro...)

cp01.jpg

É um programa novo sobre coisas novas que muitas vezes são antigas. Ou sobre coisas antigas que ganharam novas vidas. Ou sobre coisas mesmo novas. Ou sobre coisas que a Joana Stichini Vilela e eu, com a colaboração preciosa do Nuno Aguiar e da Filipa Gambino, achamos que podem caber no grande alguidar do que é novo ou é tendência.

Na RTP-3, ao fim da tarde de sábado, ou nas  diversas repetições (incluindo na RTP-1), ou mesmo na excelente plataforma RTP-play do site da RTP. Experimentem. Sábado que vem, vamos falar de algo tão novo quanto... o regresso às melhores origens.

É ver e pronto.

 

(PS: a foto foi editada a partir de uma fotografia do Nuno Azinheira. Mas na verdade, se passarem por lá, vão ver que o fundo é todo verde. Modernices...)

 

Pág. 2/2

Blog da semana

Por Falar Noutra Coisa. Humor neste reacordar do blog. Rir é o melhor remédio. Lugar comum indiscutível.

Uma boa frase

“Sucessivos governos ficaram irritados, o actual vai um pouco mais longe, esquecendo que votar é um direito mas nunca uma obrigação. Em países desenvolvidos os cidadãos até votam durante a semana, ao passo que na choldra querem proibir jogos de futebol para obrigar o povo a ir votar." António de Almeida, Aventar

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D