Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Pedro Rolo Duarte

19
Jan08

E um carregador para mim?

Aqui há dias senti-me muito cansado no fim de um dia de trabalho. Estava a fazer a mala para partir e parecia que o dia não tinha fim à vista. Junto de mim só havia cabos, fios, fichas eléctricas. Lembrei-me dele...
Chamo-lhe, baixinho, o «peso inútil». É algo que nos vai cercando, que domina os pensamentos quando viajamos, mas ao qual estranhamente não dedicamos atenção. O «peso inútil» é esse objecto estranho e de formato variável a que chamamos, pomposamente, o «carregador». Alguém que não tenha por perto um desses «pesos inúteis» que se acuse...
Não vale a pena: não somos ninguém sem pelo menos um carregador ao lado. Nos últimos anos, tornou-se mais um fardo a carregar nas nossas vidas.

E se cada um tem os seus, todos juntos temos muitos. Em família é uma festa. Vejamos: carregador para o telefone do pai, para o telefone da mãe, para o Vídeo-8, para a máquina fotográfica, para o computador portátil, para as escovas de dentes eléctricas, para a máquina de barbear, para o «walkman». Foi só uma pincelada neste mundo de objectos pretos...
Os carregadores são feios, incompatíveis entre si, e não servem para «mais» nada. Quando os temos, não lhes damos importância – quando deles nos esquecemos, ai Jesus que lá vou eu.
Voltando ao principio: estava eu a fazer a mala, carregador para aqui, carregador para ali, olhando a lista de coisas de que não me posso esquecer, e o cansaço tomou conta de mim. Perante tantos cabos e «pesos inúteis», perguntei: e onde é que está o carregador para mim? Não é só carregar o peso dos outros, não senhor. Ninguém se lembrou que também nós ficamos sem carga?

Onde é que está o meu carregador?
Sem resposta, e sem alternativa, deitei-me e dormi. No dia seguinte, quando acordei e olhei para os pés, a luz estava verde. Alguém me deve ter ligado à ficha durante a noite. Levantei-me e fui à minha vida. Estava outra vez carregado. E sem «peso inútil» no bolso.


Ao sábado, textos antigos reeditados. Este fui originalmente publicado em 1999, no site Netparque

Blog da semana

Por Falar Noutra Coisa. Humor neste reacordar do blog. Rir é o melhor remédio. Lugar comum indiscutível.

Uma boa frase

“Sucessivos governos ficaram irritados, o actual vai um pouco mais longe, esquecendo que votar é um direito mas nunca uma obrigação. Em países desenvolvidos os cidadãos até votam durante a semana, ao passo que na choldra querem proibir jogos de futebol para obrigar o povo a ir votar." António de Almeida, Aventar

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D