Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

19
Jun11

O frigorifico avariado

(Crónica originalmente publicada na revista Lux Woman)

A mãe de uma amiga minha costuma dizer, sempre que se fala de relações amorosas – em geral, do fim de mais uma relação… -, que a diferença entre o tempo dela e o tempo actual “é como com os frigoríficos: antigamente, quando o frigorifico avariava, mandava-se arranjar. Agora, deita-se fora o avariado e compra-se um frigorífico novo…”. A mãe da minha amiga tem razão, mas a verdade é que as gerações mais novas não nasceram ensinadas nem cultivaram estilos diferentes por iniciativa própria: foram educadas pelos pais, sejam eles mais velhos, como os da minha amiga, ou mais novos, como eu próprio.

Falo por mim, e falo de coisas muito diferentes: pertenço a uma geração que cresceu a ouvir falar da “conquista do direito ao divórcio”, da “conquista do prazer”, e de mais uma mão cheia de frases-feitas do Maio de 1968. Vi-me envolvido no tempo da comunicação global, instantânea, automática. Ainda me lembro do elogio médico da margarina por oposição ao azeite, e das campanhas de publicidade na TV apelando ao consumo de ovos. Até a cruzada contra o tabagismo só começou já eu fumava mais de um maço por dia. Nem preciso de recordar que a SIDA “nasceu” no pleno da minha vida adulta.

O que é que eu quero dizer com tudo isto? Quero dizer que estas últimas décadas são tão paradoxais, tão contraditórias, tão estupidamente conflituosas entre si, e acima de tudo tão cheias de surpresas, que está pela hora da morte a capacidade de acreditar em muito mais do que no dia de hoje. Seguramente por isso, a tentação de trocar de frigorífico, sempre que ele avaria, é enorme. Nunca sabemos se amanhã não se descobre que o velho electrodoméstico provocava doenças letais…

E se me faltava mais qualquer coisinha para compor o quadro, eis que ele me chega sob a forma de uma reportagem na revista brasileira “Veja”. Tendo como ponto de partida uma série de equações matemáticas que serviram para perceber a possibilidade de vida noutros planetas, a revista fez um conjunto de operações aritméticas e concluiu que as possibilidades de se encontrar uma relação amorosa consistente via Internet é 42% superior à de encontrar a nossa cara-metade num bar ou numa festa…

Repare-se: o mesmo meio – a internet – que foi diabolizado como pasto para toda a espécie de pecados, mentiras e perigos no que às relações amorosas diz respeito, residência oficial de violadores e predadores sexuais, campo de férias de criminosos e solitários, é afinal a Meca do amor, o “lugar onde”. Sem gastar dinheiro em jantares ou copos, sem perder tempo em conversas ou olhares melosos no bar da esquina, o internauta percorre perfis em redes sociais e afere com 42% de “maior” rigor os pontos comuns com a potencial conquista. Feito o “casting”, trata-se agora, e apenas, de fazer cruzes na “check-list” e partir para o “encontro”. Real, de preferência. Leio e pasmo – não por achar que não faça sentido, mas porque a reportagem anula, mata sem dói nem piedade, e nem sequer recorda, anos e anos de maldição sobre a relação entre amor e internet, paixão e internet, namoro e internet. Agora, a nova ordem é outra: quer ser feliz no amor? Quer encontrar o parceiro da sua vida? Quer uma relação segura? Vá à net, aventure-se pelas redes sociais, pelos sites de busca do “par ideal”, e deixe-se mergulhar na felicidade…

E coma sardinhas, enquanto os dietistas não mudam de ideias e as colocam na lista dos prazeres proibidos. Abuse do azeite. Parece que o café também faz bem. Beba vinho tinto. E se o frigorifico avaria, já sabe: mande vir um novo.

4 comentários

Comentar post

Blog da semana

Ladrões de Bicicletas. Voltar a um dos mais clássicos blogues colectivos de análise e pensamento social e político e reencontrar excelentes textos, opiniões pensadas antes de escritas, e o prazer de um bom serão ao sofá a ler. Like.

Uma boa frase

“O centrão político - conservadores, liberais, social-democratas, trabalhistas - anda há mais de vinte anos a liberalizar os movimentos de capitais, a desregulamentar as actividades financeiras, a promover o "comércio livre", menorizando as consequências resdistributivas destas opções. Andaram a promover a ideia de que o mundo é mais bem gerido pela "mão invisível" dos mercados do que pelos poderes democraticamente eleitos. De que é que precisam mais para perceber que este é o resultado da sua globalização: que Marine Le Pen vença as presidenciais francesas?" Ricardo Paes Mamede, Ladrões de Bicicletas

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D