Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

19
Ago11

Um pouco de política, entre dois mergulhos

Tenho estado um bocado calado no que à politica diz respeito – mais por estar de férias e querer mesmo descansar a cabeça do que por não ter o que dizer.

Tenho, sim. Quando me der para aí, direi.  Apetece-me muito criticar este Governo porque vai matar o serviço publico de rádio e televisão, gostava de perceber esta história de Miguel Relvas e Mário Crespo, ainda não entendi bem esta coisa dos concursos públicos com aprovação da tutela. Ou seja: por entre sinais de boa governação, vejo sinais de “mais do mesmo” que me fazem lembrar o passado (muito recente).

Mas para já, e com o corpo meio mergulhado no mar, só me apetece desabafar: é de uma imensa falta de sentido democrático o comentário que me vai caindo no blog (e que eu, invariavelmente, mando às urtigas), “ah, e tal, votou neles, e agora critica?”.

Pois é, votei “neles” – o que me dá legitimidade bastante para criticar, elogiar, ou apenas fazer um “like”. A vantagem das pessoas livres é que dependem apenas da sua consciência. E, oh glória das glórias, até podem dar-se ao luxo de mudar de opinião.  É por isso que votamos de quatro em quatro anos, e não apenas uma vez até à eternidade.

Se eu fosse como o João Gonçalves e tivesse baixado a bolinha e perdido toda a “massa critica” (tantas vezes misturada com arrogância e soberba…) porque agora estava no Governo, era obviamente uma alforreca. Se eu tivesse manifestado o meu voto e a seguir me sentasse numa cadeirinha do poder, como alguns meus conhecidos, era obviamente uma alforreca. Se eu estivesse aqui a dizer ámen ao governo só porque votei nele, era obviamente uma alforreca. Se eu fosse jornalista nos intervalos de ser assessor, era obviamente uma alforreca. Se eu criticasse agora o que antes elogiei, era obviamente uma alforreca.

Mas não sou uma alforreca. Votei “neles”, não deixando de lamentar a minha incapacidade para insistir no voto socialista, que é a minha praia há muitos anos. Ao fazê-lo, manifestei independência face aos dois – e naturalmente, fiquei do lado de fora desse círculo do centrão. Fico sempre. Ainda não me arrependi do meu voto – mas tal como sucedeu com o PS de Sócrates,  pode ser uma questão de tempo.

Cabe aqui uma história breve:

Um dia, há uns anos, um ex-amigo meu (e talvez o que vá contar explique porque é hoje ex…) levantou-me a voz numa discussão à mesa de jantar e disse-me:

- Pedro, acabou o tempo da ingenuidade. Não podemos continuar neste limbo, nem de um lado nem do outro. Temos que nos assumir. Eu não vou continuar armado em independente e sempre lixado – eu vou alinhar num dos lados e vou fazer a minha vida.

Estupefacto, respondi-lhe algo como:

- Pois eu, népias. Vou continuar não-alinhado. Vou continuar como sou.

Ele ainda disse algo do género – “então estás lixado, não vais passar da cepa-torta” – e começou aí o fim da nossa amizade. Não me parece que ele esteja hoje nos píncaros, mas percebi a sua atitude debaixo deste chapéu dos comentários que às vezes me fazem por aqui. Parece que temos de estar de um lado ou do outro senão resta-nos o degredo da vida comum, pobre e anónima.

Tenho pena, mas vou continuar assim. A votar no que me parece adequado a cada momento, e critico de uns e de outros, no dia seguinte, sem esquemas nem fezadas nem apostas em lugares de estado. Fui convidado para lugares simpáticos e generosos num governo PSD e num governo PS. Recusei ambos. Já percebi que vou morrer pobre – mas durmo como um anjo.

E não enfio a carapuça dos Gonçalves desta vida. Como ele diria se ainda se lembrasse como se diz, “apre”!

7 comentários

Comentar post

Blog da semana

Ladrões de Bicicletas. Voltar a um dos mais clássicos blogues colectivos de análise e pensamento social e político e reencontrar excelentes textos, opiniões pensadas antes de escritas, e o prazer de um bom serão ao sofá a ler. Like.

Uma boa frase

“O centrão político - conservadores, liberais, social-democratas, trabalhistas - anda há mais de vinte anos a liberalizar os movimentos de capitais, a desregulamentar as actividades financeiras, a promover o "comércio livre", menorizando as consequências resdistributivas destas opções. Andaram a promover a ideia de que o mundo é mais bem gerido pela "mão invisível" dos mercados do que pelos poderes democraticamente eleitos. De que é que precisam mais para perceber que este é o resultado da sua globalização: que Marine Le Pen vença as presidenciais francesas?" Ricardo Paes Mamede, Ladrões de Bicicletas

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D