Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

23
Ago11

O que eu peço de um filme que escolho ver

(e quando faço a lista, ela não é cumulativa – basta que o filme preencha um dos requisitos...)

 

Que me surpreenda ou revele.

Que me comova ou me emocione.

Que me faça rir ou me deixe em alta.

Que me ensine ou explique.

Que me entretenha.

Que me “disponha bem”, expressão que não uso mas gosto.

Que me recorde ou simplesmente me acorde.

Que me dê um murro no estômago.

Que me apanhe na curva e eu alinhe.

 

Por este mesmo elenco argumentativo, há anos que deixei de ver filmes que:

 

Me surpreendem pelos piores motivos.

Me dêem murros no estômago mas ao mesmo tempo me macem.

Me deixem com o rabo plano de tantas horas sentado.

Me ensinem o que não quero aprender.

Me mostrem o que não quero ver.

Me contem uma história longa, comprida, chata e que mora longe.

Sejam chatos, compridos, mas “obrigatórios” porque a critica diz, ou o Festival de Sundance premiou, ou passou em Cannes fora de competição.

Sem história, ou sem argumentos, ou sem diálogos, ou sem actores. Ou sem qualquer destes elementos. E há imensos.

 

Dito isto, aguentei estoicamente as duas horas e meia que dura o muito premiado e estrelado “Vénus Negra” e só posso dizer: pertence à categoria dos filmes que deixei de ver há anos. Mas é como um domingo de praia na Costa da Caparica – todos os anos caio uma vez. Já está.

4 comentários

Comentar post

Blog da semana

Ladrões de Bicicletas. Voltar a um dos mais clássicos blogues colectivos de análise e pensamento social e político e reencontrar excelentes textos, opiniões pensadas antes de escritas, e o prazer de um bom serão ao sofá a ler. Like.

Uma boa frase

“O centrão político - conservadores, liberais, social-democratas, trabalhistas - anda há mais de vinte anos a liberalizar os movimentos de capitais, a desregulamentar as actividades financeiras, a promover o "comércio livre", menorizando as consequências resdistributivas destas opções. Andaram a promover a ideia de que o mundo é mais bem gerido pela "mão invisível" dos mercados do que pelos poderes democraticamente eleitos. De que é que precisam mais para perceber que este é o resultado da sua globalização: que Marine Le Pen vença as presidenciais francesas?" Ricardo Paes Mamede, Ladrões de Bicicletas

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D