Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

23
Ago11

O que eu peço de um filme que escolho ver

(e quando faço a lista, ela não é cumulativa – basta que o filme preencha um dos requisitos...)

 

Que me surpreenda ou revele.

Que me comova ou me emocione.

Que me faça rir ou me deixe em alta.

Que me ensine ou explique.

Que me entretenha.

Que me “disponha bem”, expressão que não uso mas gosto.

Que me recorde ou simplesmente me acorde.

Que me dê um murro no estômago.

Que me apanhe na curva e eu alinhe.

 

Por este mesmo elenco argumentativo, há anos que deixei de ver filmes que:

 

Me surpreendem pelos piores motivos.

Me dêem murros no estômago mas ao mesmo tempo me macem.

Me deixem com o rabo plano de tantas horas sentado.

Me ensinem o que não quero aprender.

Me mostrem o que não quero ver.

Me contem uma história longa, comprida, chata e que mora longe.

Sejam chatos, compridos, mas “obrigatórios” porque a critica diz, ou o Festival de Sundance premiou, ou passou em Cannes fora de competição.

Sem história, ou sem argumentos, ou sem diálogos, ou sem actores. Ou sem qualquer destes elementos. E há imensos.

 

Dito isto, aguentei estoicamente as duas horas e meia que dura o muito premiado e estrelado “Vénus Negra” e só posso dizer: pertence à categoria dos filmes que deixei de ver há anos. Mas é como um domingo de praia na Costa da Caparica – todos os anos caio uma vez. Já está.

4 comentários

Comentar post

Blog da semana

Por Falar Noutra Coisa. Humor neste reacordar do blog. Rir é o melhor remédio. Lugar comum indiscutível.

Uma boa frase

“Sucessivos governos ficaram irritados, o actual vai um pouco mais longe, esquecendo que votar é um direito mas nunca uma obrigação. Em países desenvolvidos os cidadãos até votam durante a semana, ao passo que na choldra querem proibir jogos de futebol para obrigar o povo a ir votar." António de Almeida, Aventar

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D