Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

10
Out11

A democracia é como um relógio suíço

A democracia nunca falha. A hora que dá é a hora que é no lugar onde está. Acerta sempre – e o que dela resulta é o que a democracia é, onde se diz que está.

Há um ano, na Islândia, a democracia, num país civilizado, culto e politicamente instruído, levou o seu ex-primeiro-ministro Geir Haarde a tribunal para responder à acusação de negligência no colapso do sistema financeiro do país em 2008 e ao falhanço dos mecanismos para evitar a crise e gerir as suas consequências.

Ontem, na Madeira, a democracia, num país pouco civilizado, inculto e sem qualquer nível de instrução politica, renovou a maioria absoluta de um homem que tem uma ilha economicamente a naufragar e se prepara para afundar o que dela resta.

Impávidos e serenos, os seus pares no continente assistem a tudo isto sem piar.

No pior e no melhor, a democracia é assim mesmo e não falha: dá todas as oportunidades para que o povo, soberano e em maioria, se manifeste. Quando os governos contribuem para que o povo julgue com consistência e saber, em consciência e com cultura politica, estamos na Islândia. Quando os governos fazem tudo para que o povo vote em slogans, demagogia, inaugurações e betão, e garante o sossego da ignorância com um voto tranquilo e seguro, estamos em Portugal.

Alberto João Jardim não é diferente da esmagadora maioria da classe política que governa o continente desde 1974. Cultivam todos a ignorância, apostam tudo na demagogia, e vivem na expectativa de vencer o desconhecido.

Jardim dá nas vistas, tem mais lata, e diverte-se com a sua forma de exercer a governação - o que acaba por o distinguir dos seus pares. Mas isso seria um pormenor, não se desse o caso de esconder uma tragédia. Lá está: votaram nele. Espero que o aturem. Especialmente, espero que desta vez os madeirenses “aturem” também o custo financeiro da lata habitual de Alberto João Jardim.

10 comentários

Comentar post

Blog da semana

Gisela João O doce blog da fadista Gisela João. Além do grafismo simples e claro, bem mais do que apenas uma página promocional sobre a artista. Um pouco mais de futuro neste universo.

Uma boa frase

Opinião Público"Aquilo de que a democracia mais precisa são coisas que cada vez mais escasseiam: tempo, espaço, solidão produtiva, estudo, saber, silêncio, esforço, noção da privacidade e coragem." Pacheco Pereira

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D