Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

14
Out11

Em crise (mas ainda a fazer de conta que o Governo não matou à traição o que restava da classe média)

(Crónica originalmente publicada na Lux Woman, há já dois meses, sobre tema aqui vagamente abordado... Ainda não sabia que o Governo pretendia asfixiar de vez a classe média. Trata-se certamente de uma medida pensada e inteligente, e caso haja duvidas, todo eu sou ironia, para não dizer lágrimas...)

 

Ora bem, vou também dar um contributo para a crise. É a palavra de ordem, a desculpa, a culpada, a substituta do atraso, do “agora não posso”, do “ligo-te para a semana”. Até nisso poupamos, são apenas cinco letras e está tudo explicado: crise. Devemos ser solidários, amigos, braço dado. Devemos fazer de conta que não percebemos que a crise, esta crise, tem menos a ver connosco, comuns trabalhadores e cidadãos, e mais a ver com “eles”, maus governantes, empresários ambiciosos e com poucos escrúpulos, especuladores que vivem do negócio do dinheiro disfarçados de “agências de rating”. Mas isso, diria um amigo, “são outros quinhentos”.

Para o caso, interessa que temos menos dinheiro e queremos ser felizes na mesma. É fácil desenhar o manual da poupança caseira, ou atirarmo-nos à máquina de calcular para ver onde se corta, mas confesso que me parece pouco estimulante – até porque, se formos rigorosos, podemos cortar tudo, excepto a alimentação, a saúde, a educação. O tecto, no limite, mesmo que arrendado...

No meu caso, procuro ser imaginativo e, entre outras medidas, parte da solução – ou do “esforço de crise”... - custou-me 25 euros. O preço aproximado do livro “The Flavour Thesaurus”, de Niki Segnit, autora de uma coluna sobre combinações de alimentos no jornal britânico The Times, e uma especialista de gastronomia (que até descobriu a sua vocação há poucos anos – ou seja, uma mulher que nasceu já na crise...). Ainda não está traduzido em português, mas tenhamos esperança.

Niki passou os últimos anos a estudar combinações de sabores e produtos, e o resultado desse estudo é um livro onde se responde às perguntas mais (ou menos...) óbvias: o bacon e o chocolate combinam? A avelã fica bem com a banana? E que tal ovos e caviar, como Sinatra e Ava Gardner terão demonstrado em filme clássico? Café e cardamomo têm algo em comum? E se for canela com figos? Quais são as ervas aromáticas mais adequadas ao peixe? A laranja e o açafrão são primos?

Organizado como um dicionário, o livro é um manual de economia caseira para quem gosta de cozinhar e arriscar, sem com isso criar desperdício. Evita o tortuoso caminho que vai da ideia ao prato, deixando para o cozinheiro apenas o que interessa: faz sentido? Já se fez? É bem combinado, é mal combinado? Vamos em frente.

Sei que esta ideia “contra a crise” contraria outra, bem mais interessante, que alimenta os optimistas: em tempos difíceis abrem-se espaços para as novas oportunidades, tudo se pode experimentar e viver. Com certeza que sim.

Mas quando se chega à cozinha, nos confrontamos com as compras feitas no supermercado, e pensamos naqueles a quem fazem falta os produtos que, apesar de tudo, podemos adquirir, há qualquer coisa de irracional que nos conduz a esta poupança. Não estragar. Não “deitar fora”, que é expressão de um tempo que acabou, porque já não há “fora”, há caixotes de lixo separado e com cores diferenciadas... Adiamos o tempo da experimentação e, com o auxílio deste precioso dicionário, podemos continuar a inovar na cozinha sem o peso-pesado do desperdício.

Além disso, podemos sempre sonhar com o dia em que possamos misturar ovos e caviar, porque esse será o dia em que teremos dinheiro para tão desmedida loucura.

Se gostamos de inovar e arriscar – eu gosto... -, vale a pena os 25 euros de um livro. Explica-nos a lógica da combinação de sabores e até nos conta histórias de um passado já experimentado. Deixa-nos um nadinha mais tranquilos. Porque a verdade é só uma: estamos todos no mesmo barco. E o barco parece persistir na ideia de ir ao fundo.

1 comentário

Comentar post

Blog da semana

Ladrões de Bicicletas. Voltar a um dos mais clássicos blogues colectivos de análise e pensamento social e político e reencontrar excelentes textos, opiniões pensadas antes de escritas, e o prazer de um bom serão ao sofá a ler. Like.

Uma boa frase

“O centrão político - conservadores, liberais, social-democratas, trabalhistas - anda há mais de vinte anos a liberalizar os movimentos de capitais, a desregulamentar as actividades financeiras, a promover o "comércio livre", menorizando as consequências resdistributivas destas opções. Andaram a promover a ideia de que o mundo é mais bem gerido pela "mão invisível" dos mercados do que pelos poderes democraticamente eleitos. De que é que precisam mais para perceber que este é o resultado da sua globalização: que Marine Le Pen vença as presidenciais francesas?" Ricardo Paes Mamede, Ladrões de Bicicletas

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D