Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

11
Nov11

Perder a oportunidade

Passo a vida a ouvir o lugar-comum salvífico: a crise é um momento importante para criar novos caminhos, para inovar, para renascer. A crise é em si uma oportunidade.

Acredito que sim. Mas noto que, na minha área de actividade, a crise tem servido para acentuar a crise. E ficar no mesmo lugar.

O que eu esperava da imprensa-em-crise num momento como este era, afinal, a chave do problema: explicar, enquadrar, ajudar a perceber, ser clara, mostrar caminhos, usar a escolha e a análise para iluminar o que diariamente nos parece obscuro. Quando passo pelo Economist, quando irregularmente compro a Atlantic, nas edições de fim-de-semana do El Mundo, no Sunday Times, em artigos soltos que apanho nos jornais de economia internacional, ou mesmo nos seis euros bem pesados que me custa a brasileira Veja, eu encontro esse lugar de pacificação com a realidade. Como se me dissessem:

- Pedro, senta-te, bebe um café, vamos lá organizar ideias...

... E este é seguramente parte de um qualquer futuro que os media venham a ter no mundo global e “turbinado” pela internet. Cada vez mais pedimos ao “nosso” jornal, à “nossa” revista, que nos ajude a perceber o mundo, que nos mostre um quadro perceptível do que sucede, que nos guie pelas entrelinhas do excesso de informação. Eu quero que me hierarquizem a informação, que me ajudem no labirinto de números e factos, que inovem e criem para me inspirar.

Mas aqui ninguém pensa nisso. O limite é a capa da Visão de ontem: “Como resistir aos tempos difíceis”... Mas eu preciso que me ensinem isso agora, por deus? Quantas capas destas já vi nas bancas portuguesas este ano?

Ao lado, a concorrente Sábado promete “100 coisas que não sabe sobre o corpo humano”. Para lá da falta de imaginação nos temas e da duvidosa forma de escrever português – O meu corpo tem coisas? O que são coisas? -, parecem ambas revistas antigas. Se não são edições do ano passado, podiam ser.

Já tinha notado que, apesar do momento de excepção que o nosso mundo vive neste 2011, as revistas não fugiram ao lugar-comum das capas sobre dietas em Abril, sobre sexo e lugares paradisíacos (sempre “por descobrir”...) no Verão, sobre saúde e aulas e jovens em Setembro, e não tarda estão a falar sobre o Jesus desconhecido e os lugares onde (por menos de cem euros, claro) passar o reveillon.

Em que lugar ficou a pergunta mais clássica: o que querem hoje, nestas circunstancias excepcionais, as pessoas (também cada vez mais excepcionais) que (ainda) gastam (excepcional) dinheiro comprando uma revista ou um jornal?

Estupefacto por ver que a maioria da nossa imprensa não está a aproveitar a crise para fazer dela uma oportunidade, poupo os euros que gastava semanalmente em revistas portuguesa e, com o mesmo dinheiro, vou alternando entre revistas e jornais internacionais que me ajudam a enquadrar o mundo e perceber para onde vamos. Às vezes até aprendo sobre Portugal, veja-se o paradoxo...

Fica sempre a pairar sobre a minha cabeça a mesma interrogação: qual é a parte do “isto mudou mesmo tudo” que por cá ainda não se percebeu?

6 comentários

Comentar post

Blog da semana

Ladrões de Bicicletas. Voltar a um dos mais clássicos blogues colectivos de análise e pensamento social e político e reencontrar excelentes textos, opiniões pensadas antes de escritas, e o prazer de um bom serão ao sofá a ler. Like.

Uma boa frase

“O centrão político - conservadores, liberais, social-democratas, trabalhistas - anda há mais de vinte anos a liberalizar os movimentos de capitais, a desregulamentar as actividades financeiras, a promover o "comércio livre", menorizando as consequências resdistributivas destas opções. Andaram a promover a ideia de que o mundo é mais bem gerido pela "mão invisível" dos mercados do que pelos poderes democraticamente eleitos. De que é que precisam mais para perceber que este é o resultado da sua globalização: que Marine Le Pen vença as presidenciais francesas?" Ricardo Paes Mamede, Ladrões de Bicicletas

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D