Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

16
Nov11

O relatório, as bananas e os macacos

Dei-me ao trabalho de ler as 32 páginas que constituem o “Relatório do Grupo de Trabalho para a definição do conceito de serviço público de comunicação social”.

É no mínimo desanimador verificar que o Governo criou um Grupo de Trabalho formado maioritariamente por pessoas que pouca ou nenhuma relação têm com o universo dos Media, e que nalguns casos têm demonstrado, ao longo dos anos, a sua santíssima ignorância sobre esta área (convém não esquecer os manifestos públicos de Eduardo Cintra Torres, quando vendia antenas parabólicas, contra a televisão por cabo, considerando-a condenada ao fracasso...).

Mas é mais confrangedor e triste verificar que aqueles senhores reuniram semanalmente durante seis meses para chegarem a conclusões que parecem resultar de uma conversa de café, uma espécie de “eles são todos iguais, vamos mas é por ordem naquilo”...

Não há, no documento, argumentos, dados, exemplos, casos de sucesso internacional, que sustentem as ideias apresentadas, a não ser uma obsessão com aquilo a que chamam a “intervenção ilegítima ou eticamente reprovável dos diferentes poderes nos serviços de informação da rádio, TV e agência noticiosa do Estado”. Para acabar com essa intervenção, a sugestão é tão minimalista quanto absurda: acabe-se com a maioria da televisão do estado e reduza-se a informação ao mínimo. Eis o tecto criativo do Grupo de Trabalho: em vez de curarmos a doença, matamos o doente.

Ou seja: em vez de resolver, caso exista e se manifeste, a pretensa intervenção dos poderes nos meios, criando mecanismos legais que a impeçam, limitam-se os meios e está o assunto arrumado.

O relatório tem momentos para rir – como quando se escreve que a solução Televisão Digital Terrestre “irá provavelmente (...) servir apenas uma parte reduzida da população, recorrendo grande parte desta a plataformas pagas para efeitos de acesso a conteúdos televisivos e também radiofónicos”. Confesso que nem na Casa dos Segredos ouvi alguém dizer que paga para ouvir rádio...

O relatório tem momentos para chorar – como quando se defende “que os conteúdos prioritários em língua portuguesa são”, entre outros, “entretenimento criterioso, enriquecedor ou alternativo”. Cheira-me que o Governo vai ter de criar um Grupo de Trabalho para definir o que é “entretenimento criterioso, enriquecedor ou alternativo”...

O relatório tem momentos absurdos – como quando pretende que “os conteúdos noticiosos do operador de serviço público de rádio e televisão sejam concentrados em noticiários curtos, sejam limitados ao essencial e recuperem o carácter verdadeiramente informativo, libertos da crescente dimensão subjectiva e opinativa no jornalismo”. Como se o simples critério de escolha de noticias não fosse já, em si, subjectivo, como se todo o jornalismo pudesse ser “verdadeiramente informativo”. Como se o jornalismo do futuro não radicasse justamente na diversidade de olhares, abordagens, formatos e soluções. Nem um jovem estagiário escreveria esta história da carochinha.

Por fim, o relatório é achincalhante para a classe jornalística que, quer o Grupo de trabalho queira ou não, fez e faz da RTP uma referência de tal forma reconhecida e respeitada pelos espectadores que, nos momentos cruciais – grandes acontecimentos, noites eleitorais, etc. – lhe dá sempre o primeiro lugar nas audiências. O Serviço Público de Televisão tem muitos problemas – que todos eles fossem a informação e o jornalismo praticados, e poderíamos viver felizes.

São apenas alguns exemplos. Aquelas 32 páginas já têm o seu lugar na História da Asneira Nacional – que, como sabemos, é livre, mas podia bem ser poupada pelo Estado. É um lamentável momento da nossa vida democrática e, a ser seguido e aplicado, arrisca-se a ser objecto de estudo nas Universidades, daqui a 100 anos, como um exemplo do atraso português no começo do século XXI.

Não percebo o que andaram aqueles senhores a fazer. Seis meses vezes quatro reuniões mensais e milhares de mensagens electrónicas trocadas (está lá tudo explicado). Uma trabalheira para parir um aborto...

... Mas agora que me dizem que ninguém pagou um cêntimo àqueles senhores, percebo melhor o que li. Como dizem os brasileiros, quem paga em bananas recebe macacos. Deve ter sido isso.

3 comentários

Comentar post

Blog da semana

Ladrões de Bicicletas. Voltar a um dos mais clássicos blogues colectivos de análise e pensamento social e político e reencontrar excelentes textos, opiniões pensadas antes de escritas, e o prazer de um bom serão ao sofá a ler. Like.

Uma boa frase

“O centrão político - conservadores, liberais, social-democratas, trabalhistas - anda há mais de vinte anos a liberalizar os movimentos de capitais, a desregulamentar as actividades financeiras, a promover o "comércio livre", menorizando as consequências resdistributivas destas opções. Andaram a promover a ideia de que o mundo é mais bem gerido pela "mão invisível" dos mercados do que pelos poderes democraticamente eleitos. De que é que precisam mais para perceber que este é o resultado da sua globalização: que Marine Le Pen vença as presidenciais francesas?" Ricardo Paes Mamede, Ladrões de Bicicletas

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D