Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

19
Nov11

O príncipe encantado existe

(Crónica originalmente publicada na revista Lux Woman. Já está à venda a deste mês...)

 

Estava a ler uma crónica da Inês Pedrosa sobre um presumível declínio do casamento, da Ásia à Europa, e de como esse facto pode ser de tal forma desagregador da sociedade que, no limite, poderia conduzir ao aumento da criminalidade porque, citava a escritora um texto da revista The Economist, “o casamento socializa os homens: está associado à diminuição do nível de testosterona e á diminuição dos comportamentos criminais”. Apoiada por uma série de dados estatísticos, e juntando-lhe uma nuvem negra sobre a vida das mulheres, Inês rematou assim: “As mulheres já se habituaram a ser os seus próprios príncipes encantados, voando livremente nos seus cavalos brancos”.

Eu gosto da Inês Pedrosa, de quem já fui amigo, colega, e hoje sou leitor - mas fiquei triste, para não dizer desolado, com esta final “não feliz”. Como se tivesse cinco anos e me dissessem que as crianças, por fim, perceberam à nascença que o Pai Natal não existe. Como se um padre dissesse ao casal, no momento da troca de alianças, “esqueçam lá isso do casamento para a vida, que a estatística é da terra e Deus mora longe”. Como se a escola de magia de Harry Potter não existisse em Hogwarts.

Desanimei, confesso. Uma coisa é sermos sensatos e realistas, vivermos com os pés na terra, termos a capacidade de destrinçar o sonho da realidade. Outra, bem diferente, é abortar o sonho antes mesmo de nascer.

A Inês tem toda a razão do mundo quando nota que o acesso da mulher ao mundo do trabalho não foi acompanhado das mudanças de estatuto que reequilibrariam o universo familiar – e daí, se pensarmos bem, a paridade não ser mais do que um novo desequilíbrio que obriga a mulher a ser super-mulher caso queira cumprir todos os requisitos que lhe recomendam a sociedade. Mas essa circunstância, que é a guerra dos sexos para o século XXI, não pode matar o prazer do sonho: é claro que os príncipes encantados, com cavalo ou de autocarro, somos nós para os outros – não podemos ser nós para nós próprios. Não podemos, Inês!

Há coisa mais triste e desoladora do que descartarmos sumariamente o mistério do que um dia achámos que pode estar ao virar da esquina (ou no Facebook, que parece que fica mais perto...)? Há pior do que conhecer alguém e perder o momento inicial e único daquela primeira noite em que não conseguimos adormecer não pelo que acabámos de conhecer, mas pelo que queremos adivinhar que pode vir a ser quem acabámos de conhecer?

A ideia pirosa da “criança que há dentro de nós” não é mais nem menos do que o prolongamento dos sonhos, das ilusões, dos mistérios e da capacidade de imaginar o que seria a vida se a vida fosse o que a cada momento quiséssemos que fosse. Essa ideia cresce connosco e vai ganhando novas formas, novos contornos, acompanha-nos como uma luz e uma inspiração. Talvez seja mesmo, no fundo, o que nos move. E é tão bom.

Se um dia baixamos os braços e reconhecemos que somos os nossos próprios príncipes encantados, talvez tenhamos chegado ao fim. Tenho a certeza de quem nem a Inês, romântica desde sempre, escorregou nessa armadilha da vida. E por isso, prolongando o sonho para lá da vida, vou rescrever o final daquela crónica da Inês Pedrosa. Vai ficar assim: “as mulheres já se habituaram a serem princesas encantadas, mesmo quando os príncipes se atrasam ou não conseguem estacionar os cavalos brancos em zonas autorizadas pela EMEL”. Pode ser, Inês? Tem realidade dentro, mas mantém o sonho no seu melhor lugar.

11 comentários

Comentar post

Blog da semana

Ladrões de Bicicletas. Voltar a um dos mais clássicos blogues colectivos de análise e pensamento social e político e reencontrar excelentes textos, opiniões pensadas antes de escritas, e o prazer de um bom serão ao sofá a ler. Like.

Uma boa frase

“O centrão político - conservadores, liberais, social-democratas, trabalhistas - anda há mais de vinte anos a liberalizar os movimentos de capitais, a desregulamentar as actividades financeiras, a promover o "comércio livre", menorizando as consequências resdistributivas destas opções. Andaram a promover a ideia de que o mundo é mais bem gerido pela "mão invisível" dos mercados do que pelos poderes democraticamente eleitos. De que é que precisam mais para perceber que este é o resultado da sua globalização: que Marine Le Pen vença as presidenciais francesas?" Ricardo Paes Mamede, Ladrões de Bicicletas

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D