Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

04
Jan12

Sobre o episódio Pingo Doce:

Reprodução na integra da noticia lida aqui, em Abril de 2011:

 

«O presidente do grupo Jerónimo Martins, Alexandre Soares dos Santos, afirmou ontem à noite em Braga que a sociedade civil “tem que agir” não indo “apenas” para a rua mas “assumindo responsabilidades” e que não é “destituindo governos que o país vai lá”.

Alexandre Soares dos Santos discursou perante uma plateia de associados da Associação Cristã de Empresários e Gestores (ACEG), que se reuniu ontem num jantar debate no Bom Jesus, em Braga.
O “homem forte” do grupo que detém o Pingo Doce começou por fazer uma “análise” à situação “preocupante” de Portugal.
“O país vai mal”, afirmou e apresentou quatro motivos para a situação de Portugal: “inércia, incompetência, falta de sentido de Estado e passividade da sociedade civil”.
Para Alexandre Soares dos Santos, “a sociedade viu nascer uma crise política, social e financeira mas escondeu a cabeça na areia, como a avestruz”.
Esta “passividade” é sinal, explicou, de “que se tem vindo a perder a noção de ética e do comportamento social responsável”.
Alexandre Soares dos Santos afirmou que o “caminho” passa por “forçar quem de direito a apresentar soluções sérias” e a “valorizar e incentivar o trabalho com salários justos, privilegiando a qualidade de serviços e produtos”.
Mas, alertou o presidente da Jerónimo Martins, “é necessário ter uma visão de médio/longo prazo” e que “não é destituindo Governos sucessivamente que o país vai lá”.
O momento que Portugal atravessa, defendeu Alexandre Soares dos Santos, “é de uma gravidade extrema” e avisou que é “imperativo que se esteja preparado para fazer sacrifícios”.
No entanto, explicou, “também é tempo de exigir que os impostos cobrados sejam bem aplicados e exigir aos governos que cumpram aquilo que prometem”.
Sobre os partidos políticos, Alexandre Soares dos Santos, afirmou que estes “não representam o país” mas que a “culpa” é da sociedade civil “que não se faz ouvir”.
A crise que as empresas portuguesas atravessam, segundo o responsável da Jerónimo Martins, “resulta de uma situação de capitais próprios fracos e bastou uma quebra nas vendas para que elas quebrassem”.
Para exemplificar a “gravidade” da situação social do país, Alexandre Soares dos Santos deu como exemplo o que se passa no grupo que gere.
“No Pingo Doce um por cento dos salários dos trabalhadores estão penhorados. Isto é o reflexo de que o momento que passamos não só uma crise económica mas também social”, adiantou.
Aos empresários e gestores presentes, Alexandre Soares dos Santos deixou uma mensagem de “esperança”.
“Lembrem-se de que amanhã será sempre melhor que hoje. Não podemos é desistir, principalmente nos momentos mais difíceis”, sublinhou.»

 

Ou como diziam os Gato Fedorento, "eles falam, falam...".

Bastava a Soares dos Santos não andar por aí a encher a boca de "responsabilidade social" e de "ética" e de "sacrificios", e tudo estaria na paz dos deuses. Mas quem quer ir, conforme os dias, a caminho da missa, ou a caminho do banco, sujeita-se à chuva de pedras quando a bota não bate com a perdigota...

50 comentários

Comentar post

Pág. 1/3

Blog da semana

Ladrões de Bicicletas. Voltar a um dos mais clássicos blogues colectivos de análise e pensamento social e político e reencontrar excelentes textos, opiniões pensadas antes de escritas, e o prazer de um bom serão ao sofá a ler. Like.

Uma boa frase

“O centrão político - conservadores, liberais, social-democratas, trabalhistas - anda há mais de vinte anos a liberalizar os movimentos de capitais, a desregulamentar as actividades financeiras, a promover o "comércio livre", menorizando as consequências resdistributivas destas opções. Andaram a promover a ideia de que o mundo é mais bem gerido pela "mão invisível" dos mercados do que pelos poderes democraticamente eleitos. De que é que precisam mais para perceber que este é o resultado da sua globalização: que Marine Le Pen vença as presidenciais francesas?" Ricardo Paes Mamede, Ladrões de Bicicletas

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D