Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

07
Fev08

A vista que, enfim, nos devolveram

Habituámo-nos de tal forma a que as coisas corram mal, a que nos tirem e nunca nos devolvam, a que prometam e jamais cumpram, a que nos enganem e aldrabem - e “ah, afinal, porém, contudo...”-, que quando algo sucede de modo diverso parece que nos faltam as palavras...
Ontem, dia 6 de Fevereiro, ia tendo um acidente de automóvel a subir do Bairro Alto para o Rato, porque algo estranho e anormal, à direita de quem sobe, me chamou a atenção, sem que o esperasse. Olhei (foi aí que ía mesmo batendo no carro da frente...), e não quis crer no que os meus olhos viram: o Jardim/Miradouro de São Pedro de Alcântara reaberto. Devolvido à cidade. Recuperado. A traça original.
Ali estava ela - aquela vista que ao anoitecer deslumbra e entontece, e que à noite comove até ao limite do silêncio, o vale desenhado e o Castelo em frente. Há quantos anos nos tiraram este bocado de vista e de cidade, com promessas de requalificação a que naturalmente torcemos o nariz? Imaginei ali um condomínio e uma investigação inconclusiva nas páginas de um jornal...
Agora vejo o Jardim de São Pedro de Alcântara de novo. E não acredito.
Parei, estacionei em segunda fila, dois minutos, dois minutos para acreditar no que estava a ver.
O Jardim/Miradouro de São Pedro de Alcântara é nosso outra vez. Cheguei a casa, fui ao computador, encontrei a notícia (reabriu há dois dias), e as palavras de António Costa: “Era uma vergonha para a cidade ver o estado de abandono a que esta obra estava votada.

Tratava-se de uma obra que estava parada por falta de pagamento e que nós, quando tomámos posse na Câmara, definimos como prioritária. Faz hoje seis meses que tomámos posse e esta obra está paga e o jardim está de volta à população”.
Há muito tempo que não dava valor ao meu voto. Ontem, dei-lhe o valor de uma promessa que se cumpre. De algo que era nosso e a nós veio de novo parar. Ontem voltei a acreditar um bocadinho.
Agora é cuidar dele, do miradouro, e do jardim que vai crescer a verde, com carinho.

3 comentários

Comentar post

Blog da semana

Gisela João O doce blog da fadista Gisela João. Além do grafismo simples e claro, bem mais do que apenas uma página promocional sobre a artista. Um pouco mais de futuro neste universo.

Uma boa frase

Opinião Público"Aquilo de que a democracia mais precisa são coisas que cada vez mais escasseiam: tempo, espaço, solidão produtiva, estudo, saber, silêncio, esforço, noção da privacidade e coragem." Pacheco Pereira

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D